Cristianismo Espiritualidade

Jesus sempre curou

Silhueta de jesus cristo de braços abertos durante o por do sol
artphotoclub / Getty Images Pro / Canva
Escrito por Nilton C. Moreira

Ser acometido de moléstia é normal neste Planeta onde ainda predomina o mal, e isso ainda vai acontecer por muitos e muitos anos, pois só com o passar do tempo é que os habitantes daqui vão compreender a necessidade de perseverar no bem.

É interessante a maneira pela qual o Arquiteto do Universo nos convence a mudarmos de atitudes e enveredarmos pelo caminho da retidão, e uma dessas modalidades é nos colocando em situações que ensejam doenças. Não é que o Pai seja ruim! É que nós apenas cumprimos certas diretrizes quando nos deparamos com situações de grande angústia.

Disse um filósofo: “Não existem doenças, e sim doentes”. De fato, nós é que, em razão de atitudes errôneas e condutas desequilibradas, atraímos energias negativas que se manifestam em nosso corpo material, debilitando quem somos. Diante disso, recorremos ao Criador para que nos alivie os sofrimentos e até nos proporcione cura para que fiquemos mais um pouco neste plano terrestre.

Silhueta de cruz de braços abertos durante o por do sol
geRsweb / Pixabay / Canva

Nos tempos idos também éramos acometidos por doenças graves. Uma das mais conhecidas no tempo que Jesus esteve por aqui fisicamente foi a lepra, mas Ele sempre promovia a cura quando o procuravam. Note-se que não foram todos que estavam contaminados com a doença que melhoram e se curaram. A maioria morreu desse mal.

Deduzimos que a cura só beneficiará quem tiver merecimento, e o Mestre, sempre que curava, pedia para que a pessoa não pecasse mais para evitar mal maior, ao que concluímos ter o doente desenvolvido a moléstia em razão de ter pecado! Isto é, cometido algo de errado na vida ou uma conduta equivocada. Por isso, sempre que praticarmos desvios de conduta, vamos ficar doentes. Dependendo da situação, poderemos ser merecedores de cura ou não.

Uma doença que pode ser considerada fatal vem sempre para nos mudar a maneira de encarar a vida. Às vezes nos consideramos pessoas boas por fazermos caridades ao distribuir alimentos, roupas ou doar quantia em dinheiro. Esta é a caridade mais simples de realizarmos e os governantes o fazem seguidamente, pois dependem apenas de recursos. Existem outras caridades meritórias, como adoção de uma criança sem lar, cuidar um doente ou tratar bem um idoso. Não basta sermos caridosos materialmente; temos de sê-lo nos moldes que o Mestre ensinou.

Você também pode gostar

Uma palavra amiga ou um bom conselho também são caridade. Lembremos que Ele procurava sempre levar uma palavra de consolo e, quando praticava a cura chamava atenção para nos melhorarmos moralmente. Assim continua nos dias de hoje, pois a evangelização do Mestre não mudou.

Sobre o autor

Nilton C. Moreira

Policial Civil, natural de Pelotas, nascido em 20 de maio de 1952, com formação em Eletrônica, residente em Redentora (RS), religião Espírita, casado.
Email: cristaldafonte@gmail.com
Facebook: /Nilton-C-Moreira