Doutrina Espírita Espiritualidade

Espiritismo e transformações do homem

Luiz Guimaraes
Escrito por Luiz Guimaraes
Desde que Allan Kardec lançou o Livro dos Espíritos, em 18 de abril de 1857 (há 160 anos), muitos fenômenos chamados sobrenaturais foram sendo esclarecidos através das pesquisas e estudos daquele que teve a incumbência Divina de codificar a Doutrina Espírita.

De início, houve aversão e desprezo por muitos que não admitiam novas concepções no campo religioso por conta das tradições e da fé cega que os impediam de aceitar novos conceitos e horizontes de conhecimento.

Com competência e lucidez, através dos seus vastos conhecimentos na área das ciências, Allan Kardec procurou analisar profundamente os fenômenos que a princípio deixavam perplexos aqueles que os presenciavam, a exemplo das mesas girantes e as pancadas nas paredes ocorridas em Hydesville, quando surgiu a Tiptologia como forma de comunicação dos encarnados com os Espíritos.

Esse trabalho foi árduo e persistente, já que se tratava de fatos que fugiam aos conhecimentos da época e que envolviam ciência, fé e religiosidade. Transpondo os desafios iniciais das pesquisas com a solidez dos seus conhecimentos e contando com a credibilidade que possuía no meio cientifico, Allan Kardec foi passo a passo desbravando o desconhecido, até deixar patente que aqueles fatos já não mais seriam mistérios e sim ocorrências naturais cujas causas ainda não faziam parte do conhecimento da época. A Doutrina Espírita tem seu primeiro embasamento nos conceitos científicos e com a comprovação da existência do espírito, revestiu-se também dos preceitos religiosos e filosóficos respeitando e seguindo o Evangelho de Jesus Cristo.

espiritismoEssa revolução que nos trouxe verdades sobre o sentido da vida como a imortalidade da alma e a reencarnação transformou substancialmente a visão do homem, e hoje vivenciamos a expansão da Doutrina Espírita por ser racional e deixar-nos livres para os questionamentos necessários, recomendando responsabilidade e compromisso para aqueles que a seguem trazendo, também a consolação pela lógica dos seus ensinamentos.

Nesse contexto, todos que a conhecem e põem em prática suas orientações, promovem transformações expressivas em suas condutas, deixando claro que esse conhecimento e aceitação transcendem as muralhas da ignorância, propiciando-nos vislumbrar horizontes de Luz em nossas vidas.

Esse processo de “purificação” de pensamentos e hábitos confere-nos condições alvissareiras para a convivência diária com os nossos irmãos. São passos edificantes que serão traduzidos por um clima de paz. Adotando essa postura, estaremos agindo de acordo com o Evangelho do Cristo seguindo a sua Santa Palavra e o Seu Exemplo de amor. Em João 14:1-31 temos: “(…) Eu sou o Caminho, Verdade e Vida”, deixando evidente que se Ele pede para que o sigamos corrobora outra Sua assertiva quando temos, ainda em João 18:36: “(…) Meu reino não é deste mundo”, subtendendo-se, assim que o nosso também não pertence a esse mundo, pois se assim não fosse, Ele não pedira para que o seguíssemos. A resignação é o sentimento que consolida a Fé.

Sobre o autor

Luiz Guimaraes

Luiz Guimaraes

Sou médico diplomado no ano de 1972, pela Faculdade de Ciências Médicas de Pernambuco. Já era funcionário do Banco do Brasil e em 1977 assumi o cargo de médico no serviço da Instituição. Em 1988, assumi a chefia daquele serviço e em 1996 aposentei-me. Escrevo para o Jornal do Commercio e Diário de Pernambuco (ambos em Recife) sobre a Doutrina Espírita e também sobre nossa conjuntura política. Sou membro efetivo da Academia Pernambucana de Música desde 1998.

Contato:

Telefones: (81) 9 9973 6363 | (81) 9 9290 7030

E-mails: [email protected] | [email protected] | [email protected] | [email protected]