Convivendo

Lagom, nem menos, nem mais, e sim o suficiente!

Quando o menos não é mais, e sim o suficiente!

A filosofia, o estilo de vida, melhor dizendo, o conceito “Lagom”, praticado nos países escandinavos e tendo sido primeiramente pensado na Suécia, nos ensina que nem menos, nem mais, e sim o suficiente, o justo, na medida certa. Equilíbrio total!

Essa ideia é interessante e se aplicarmos às nossas vidas, possivelmente teremos bons resultados. Lagom, na correta acepção da palavra, é traduzido como “justo”, “suficiente”.

Você tem tudo? Mas já pensou em ter somente o suficiente?

A ideia do Lagom propõe exercícios mentais como:

– Dois casacos são realmente necessários? 

– Um outro móvel na sala se faz necessário ou seria apenas um desejo decoratístico? 

– Qual seria a função deste novo item no meu lar? 

– Meus sapatos pretos já cumpriram toda a função de me calçar ou quero outro par da mesma cor só para satisfazer a minha vaidade?

Se entendermos desde este ponto de vista, é incrível como temos em nossos lares tantos itens que realmente, gente… realmente (!) não necessitamos e, ainda assim, ocupam lugar. Gastamos dinheiro com eles e, muitas vezes, eles estão ali, sem utilidade alguma, sabe?

Tudo é tão bem pensado dentro desta filosofia de vida que muitas marcas na Suécia têm a missão de oferecer aos clientes, no caso de roupas e acessórios, peças que facilmente podem ser combinadas e duradouras, porque a ideia aqui é que se use até acabar e, assim, cumprir seu propósito.

Mas a grande “sacada” do Lagom é pensar além da decoração, da roupa e do dinheiro. Podemos aplicar em nossa rotina diária, com nossos sentimentos, impressões e preocupações, muitas vezes desnecessárias e daninhas. Quer ver só?

– Preciso mesmo dizer algo a esta pessoa? 

– Esta relação me faz feliz, me traz algo bom ou me engano cada dia mais, me perco de mim mesma, me destruo? 

– Preciso, mesmo, ser mais dura ao dizer estas palavras a um companheiro ou amigo diante de alguma situação, se bastaria somente dizer a mesma coisa de maneira apropriada e gentil? 

– Meu trabalho é o suficiente para mim ou preciso de algo que me preencha? Quero realmente ser escrava do meu trabalho e deixar oportunidades valiosas, como estar com minha família e amigos, em segundo plano? 

– O que quero para mim é suficiente ou é um exagero? De fato, necessito tanto?

Vamos dar uma olhadinha nas ideias do Lagom em diferentes categorias?

Sobre o autor

Claudia Jana Sinibaldi Bento

Claudia Jana Sinibaldi Bento

Olá, sou a Claudia Jana Sinibaldi Bento, metade brasileira, sendo a outra metade encontrada na Espanha… rs... e aqui compartilho o que aprendi ao longo desta trajetória, seja estudando, traduzindo, escrevendo, lendo ou conversando… ah, melhor ainda: conhecendo pessoas que me acrescentaram o que carrego como sendo meu tesouro mais precioso: conhecimento. São anos aqui e ali, onde me chamam ou aonde eu simplesmente vou, para aprender, ajudar, sentir… e assim sigo esta estrada rumo ao autoconhecimento, evolução e simplicidade! Vem comigo aprender! Ah, também quero aprender com você!

Email: [email protected]