Autoconhecimento

Mim mesma

Andrea Ralize
Escrito por Andrea Ralize
Escrever o quê, se ninguém vai ler? Dizer que meu coração está sedento e que não há água? Dizer que aprendi a me calar frente à quietude da companhia de mim mesma e até a gostar disso? Pois é o único assunto novo que tenho.

Aprendi a gostar da quietude de mim. Há em mim um silêncio que conversa comigo e me preenche. Quando estou sozinha, sinto-me protegida e aconchegada. As multidões me assustam. Por isso, escondo-me nos riachos do tempo e banho-me nas águas de leituras solitárias, na esperança de iluminar meu espírito e manter a lucidez necessária para permanecer agindo no meio das pessoas, no dia a dia, para que elas não percebam meu terror, meu desespero lento.

Não busco mais companhia. Dessa forma, invento assuntos vagos, desses que são fáceis de serem conversados, que não exigem profundidade, já que a minha própria companhia é a única que de fato me entende e me completa nessa solidão eterna de todos nós. Ter lucidez dessa solidão já me causou mais medo, hoje a encaro como uma parte da jornada dessa unidade que temos e que não sabemos.

A verdade é sem busca. Serei meu próprio companheiro, então.

Não busco mais companheiro. Tentei tantas vezes… fracassei tantas vezes… acho que, se tiver que acontecer, não precisarei mais buscar, eu o reconhecerei sem lutas ou subterfúgios, apenas será, assim como a noite vem e o dia vai, ou como a chuva cai e o sol seca as poças que se fazem na calçada. Não vou mais buscar… a busca não traz verdade. A verdade é sem busca. Serei meu próprio companheiro, então.

Não busco mais preencher-me com a presença de alguém. A companhia me cansa. A falta de compreensão me cansa, eu mesma me canso de mim mesma. Preciso, então, antes de buscar presenças outras, preencher-me com meu próprio ser, conhecer meu jeito, entender meus tecidos rasgados, perceber meus desatinos, iluminar o escuro que se faz presente na minha ira de quase sempre.

Busco o silêncio que há em mim. Em meio a tantas vozes que eu mesma produzo por causa dessa mente que insiste em me separar de meu verdadeiro eu. O silêncio é o que busco. Silêncio precioso que está de fato aqui, mas que é tão escondido dentro, fora, em volta, perto, longe…

Só isso.

Basta.

Sobre o autor

Andrea Ralize

Andrea Ralize

Escorpiana, professora de filosofia, revisora de textos, mãe de três seres de luz, praticante de yoga, estudante de Vedanta e, nas horas vagas, escritora de fragmentos da vida.

Contatos:
Facebook: Andréa Ralize
E-mail: [email protected]