Espiritualidade

Mitologia Japonesa: Namazu, o causador de terremotos

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

A mitologia sempre esteve ligada aos fenômenos da natureza e buscava explicar com lendas o que acontecia no planeta. Não só a natureza em harmonia, mas também os desastres naturais eram associados à ação de deuses e demônios. No Japão, um dos países que mais sofre com terremotos, esse fenômeno foi associado a uma criatura mitológica: o Namazu.

De acordo com a mitologia japonesa, Namazu era um bagre gigante que vivia no mundo subterrâneo. Era considerado um yo-kai, que significa “monstro” ou “criatura sobrenatural”. Ao balançar sua cauda, o bagre gigante causa tremores e terremotos.

O único deus capaz de parar Namazu é Kashima. Esse deus utiliza a “kaname-ishi”, que significa “pedra fundamental”, para golpear e prender o monstro para que ele não possa se mexer. Porém, quando Kashima se distrai, Namazu consegue se mover e causar novos terremotos.

Desde o século XVII, Namazu teve sua imagem associada a malefícios ou benefícios. No começo de sua aparição nas lendas, ele era temido por ser associado à causa dos terremotos. Mas, com o passar dos séculos, foi se tornando um símbolo de alarme para quando uma catástrofe está para acontecer. Atualmente, pode-se encontrar até mesmo o desenho dele em informativos sobre catástrofes naturais.

A história de Namazu se perpetuou através das xilogravuras. Esses desenhos representavam o bagre em diversas situações curiosas. Em algumas delas, era colocado como divisor entre as pessoas que se beneficiavam com um terremoto e as que se prejudicavam pelo ocorrido. Dessa forma, ele pode até aparecer em amuletos de proteção contra terremotos. Em outras gravuras, aparece sendo bom e resgatando pessoas dos destroços de um terremoto. E ainda em outras, aparece satirizando os nobres da época.

Sob um olhar de interpretação simbólica, se utilizarmos alguns símbolos para entender Namazu, ele está relacionado ao elemento água, ou seja, às emoções. Dessa forma podemos interpretar e aprender uma lição com esse mito: quando desequilíbrios emocionais presos no inconsciente (submundo onde Namazu mora) vêm à tona, muito do que está solidificado em nossas vidas (cidades construídas) podem ruir. Por isso, devemos ficar atentos a nossa saúde emocional e tomar cuidado para não mandar para o inconsciente monstros que possam voltar e destruir o que conquistamos durante anos de trabalho.


  • Texto escrito por Ricardo Sturk da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]