Convivendo

Permacultura: como é possível fazer no dia a dia?

Spring garden concept. Gardener is doing garden work in herb garden. Sage leaves
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Os avanços da indústria, o crescimento das cidades e a modernização fez surgirem novos conceitos que se debruçassem para uma nova cultura que respeitasse a natureza e movesse um equilíbrio na biodiversidade. Um desses movimentos é o da permacultura. Bill Mollison o defende como sendo “um sistema de design para a criação de ambientes humanos sustentáveis e produtivos em equilíbrio e harmonia com a natureza”.

Entre os princípios da permacultura estão: o cuidado com o planeta, cuidados com as pessoas, compartilhar excedentes (inclusive conhecimento) e limites no consumo. E entre alguns princípios de praticar a permacultura estão: observar a energia, obter e armazenar energia, obter rendimento, aplicar autorregulamentação e aceitar feedback, usar e valorizar recursos renováveis, produzir sem desperdício, usar soluções pequenas e lentas.

Como utilizar o conceito no dia a dia?

Engane-se quem acha que, para colocar em prática a permacultura, seja difícil e impossível até para quem mora nos centros urbanos. Um dos princípios da permacultura, cuidar do outro, pode ser posto em prática todo dia. Por mais que seu conceito seja visto como difícil, ou muitos ainda acreditem que somente seja possível quando se mora num espaço isolado, na realidade não é.

A permacultura pode ser expressa como um círculo que tem vários pilares. Por exemplo, em relação à saúde e ao bem-estar, você pode estar aberto à saúde preventiva, uma medicina holística, prática de ioga, parto e aleitamento em casa… e já estará colocando em prática a permacultura.

Em relação à economia e às finanças, aquele que faz compras coletivas, compra do local e paga um valor justo, apoia a agricultura na comunidade, está pondo em prática a permacultura. O mesmo vale para o espaço construído. Quem faz reuso de resíduos, faz captação ou armazenamento de água, cuida com o manejo da terra e natureza, os que plantam verduras em casa, têm sua horticultura, têm bancos de sementes está colocando em prática a permacultura. Perceberam que não é tão difícil assim?

Lares tóxicos

O grau de industrialização das coisas em nossa sociedade é imenso. Lavar roupas é um processo difícil, todos sabem. Por mais que isso facilite a nossa vida, não refletimos sobre as consequências dos produtos químicos utilizados para deixar as roupas limpas e cheirosas e sequer pensamos se é possível fazer um produto mais saudável. E claro que é possível!

O preparo de nossas refeições deixamos para terceiros. Quantos pais e mães não compram alimentos prontos e enlatados para os seus filhos? Claro que é um processo que facilita, mas sequer leem as composições que constam nestes alimentos.

E, quando se trata de beleza, a imensidão de produtos que pode dar conta da beleza do ser humano é incrível. Por isso, compramos inúmeros produtos e estocamos em nossos armários. Ao fim, você poderá perceber que vivemos em lares tóxicos… Onde basta apertar um botão e as coisas funcionam. Tudo são materiais mortos e, o que é vivo e tem vida, sua casa não tem.

Mas não se culpe por isso. A permacultura está aí para o auxiliar. Comece deixando a sua casa mais viva com plantas. Faça sua hortinha, trate bem as pessoas que encontrar no caminho. Visite e cuide do parque próximo a você. Cuide de suas relações para que elas também não se tornem tóxicas. Permacultura é isso: é o bom relacionamento com a natureza e com aqueles que vivem nela!


  • Texto escrito por Angélica Fabiane Weise da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]