Autoconhecimento

Seu filho é livre para brincar?

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
A arte livre de brincar

Brincar. Pegar na terra ou até comer, correr livre, subir em árvores, conviver com animais de estimação desde pequenos, parece que cada vez mais as crianças estão brincando menos.

E os motivos podem ser muitos: brinquedos prontos, hoje a criança não é capaz de criar o seu próprio brinquedo, isso porque elas são bombardeadas desde pequenas por filmes e desenhos que “vendem” seus produtos e os pais, claro, os compram.

A tecnologia interfere fortemente no brincar, crianças conectadas e que não brincam. Pais ocupados que não dão muita atenção e por isso preferem comprar um brinquedo pronto, do que sentar, criar e montar um. Muitos projetam o próprio medo nos filhos e passam a limitar o brincar nas crianças, impedindo que elas se sujem, caiam, e até se machuquem.

[block]0[/block]As lembranças do brincar

Ora, as cicatrizes que muitos de nós adultos temos hoje, foram formadas a partir de brincadeiras feitas na infância, desde um tombo de bicicleta ou até o galho que se quebrou enquanto se apanhava algumas frutas.

O brincar é muito importante para o desenvolvimento pedagógico das crianças. Precisamos que os pais deixem seus filhos brincarem, que parem de impor e interferindo em suas brincadeiras. É nesse momento que se constrói uma personalidade, pintando, sujando e até quebrando e por que não? As experiências os farão aprender, o que dá certo e o que não dá.

Por que essa necessidade de criar as crianças como semi-adultos? Sim, é a pura verdade. Meninas de 5 ou 6 anos não brincam de boneca, elas brincam de ser mulher. Andam vestidas como semi-mulheres inspiradas nos looks de suas mães. E será que isso é o correto?

O brincar saudável

Não existe uma fórmula que é ensinada aos pais de como as crianças devem brincar. Mas talvez uma interessante seja as deixarem um pouco livres, atinar a imaginação, sujar mais a casa, ou até estragar o tapete. Sim, não estamos aqui dizendo que a criança deva estragar a casa, onde uma conversa explicando no que a brincadeira consiste é o primeiro passo.

Mas parece que esse primeiro passo não existe. Ele é comprado em um shopping onde muitos pais pagam um valor considerável (caro) e é dado para crianças brincarem. Muitos sequer sentam no chão para explicar como um brinquedo funciona e quem dirá, fazê-lo.

Mas afinal, o que esta faltando?

Pais que tiveram poucos brinquedos e sonharam com os brinquedos que viram na TV ou imaginavam. Pais que agora tem condições de comprar o melhor presente da loja. Pais que se sentem frustrados frente há tantas horas que ficam longe dos seus filhos que tanto sonharam. Talvez esteja aí alguma das respostas que esteja interferindo no brincar de hoje das crianças.

O que precisa ser feito? Talvez um caminho longo e demorado. Enquanto existir uma mídia que vende e pais que compram, vai acabar existindo menos infância. Deixe as crianças brincarem, sorrirem, se sujarem, correrem. Deixe-as em contato direto com a natureza, pratique meditação, Yoga, dê atenção, olhe nos olhos. Pequenas mudanças que podem fazer uma enorme diferença no seu dia a dia e no brincar das crianças que é tão importante.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]