Autoconhecimento

Sobre maternidade e paternidade III

Mulher grávida e homem abraçados, ambos vestidos com camisetas brancas.
Juliana Meyer Luzio
Escrito por Juliana Meyer Luzio
Já ouvi a professora do meu filho falar, em algumas reuniões, que ser pai e mãe é vivenciar uma autoeducação diária, mas levei algum tempo para de fato escutar o ela dizia quando falava isso. Sim, porque ouvir ouvimos muitas coisas diariamente, de muitas pessoas e em muitos lugares diferentes. Mas escutar é outra história. Escutar é ouvir além do automatismo, é permitir que o que está sendo dito te afete e te transforme.

E foi isso o que aconteceu em nossa última reunião, a Miti disse e eu escutei. Escutei que ser pai e mãe é uma nova chance de aprender, de perceber e ver a vida. É a possibilidade de escolher se queremos continuar iguaizinhos e ensinar nossos filhos a olharem o mundo com nossos óculos já viciados num certo horizonte e nas certezas que nos aterram a cada dia na mesmice de pensamentos e atos. Ou a possibilidade de trocar as lentes!

A possibilidade de nos tornamos aprendizes observadores de nós mesmos e dos nossos rebentos. De termos coragem de questionarmos a nós mesmos diante de acontecimentos e situações rotineiras e novas. De repensarmos a sociedade e cultura em que estamos inseridos e que nos guiam ditando o que é certo ou errado, bonito ou feio, bem ou mal.

maternidade e paternidade

Ser pai ou mãe é uma chance que temos de reescrever nossa história porque já te asseguro com toda certeza do mundo – é impossível não reviver traumas e medos, é impossível não repetir histórias dos nossos antepassados (mesmo sem conhecê-los) é impossível não sermos como nossos pais. Pelo menos por um tempo e/ou em algumas situações. E isso se tornará recorrente ou não, intenso ou não, desastroso ou não dependendo de como você encara sua história e do quanto está disposto e mexer e remexer no baú das memórias.

Pare e repare, como você fala com seu filho? Que coisas ensina pra ele? Que comidas faz pra ele? O que fazem aos fins de semana e nos momentos de lazer? Que princípios ensina que são fundamentais para se tornar uma boa pessoa? Eu aposto e grito TRUCO bem alto de que pelo menos em algumas dessas situações você repassa automaticamente o que te ensinaram.

Ser mãe ou pai é uma autoeducação diária porque a maneira como nos relacionamos com nossos filhos será um reflexo de como percebemos o Outro em nossas vidas.
Que tom de voz você usa pra ensinar e pra responder a perguntas? Que olhar você lança ao ser questionado ou desafiado? Que gestos você usa pra demonstrar afeto ou desagrado? Seus amigos e familiares são confiáveis ou não? Você é confiável ou não? Você é paciente, amoroso, bem humorado, amargurado, injustiçado, uma vítima ou uma guerreira na vida? Seja lá quem você for ou achar que é, será um exemplo seguido, porque nossos filhos nos imitam e é durante essa imitação que vão construindo as bases do que serão no futuro. Nossos filhos são espelhos, nossos espelhos! E então fica a pergunta – você tem gostado do que tem visto seus filhos fazerem e se tornarem?

Você pode argumentar agora que cada um é cada um e que todos fazemos escolhas sobre o que acreditar e como agir, e eu acredito nisso, aceito seu argumento. Mas, ainda sim, a força da imitação durante a aprendizagem e formação não é algo ser desconsiderado.

maternidade e paternidade

Autoeducar-se diariamente então é um pouco de tudo isso que escrevi acima, é estar disponível para percebermos o quanto temos verdades enraizadas que precisam ser repensadas, o quanto a impaciência, a falta de atenção e convívio social são (des)vividos e transmitidos por nós. É praticar a cada fala e gesto a educação, o reconhecimento e o respeito pelo outro.

É deixarmos de ver a vida pela perspectiva do nosso umbigo e tentar vê-la pela perspectiva do outro, porque ser pai e mãe é reconhecer e aceitar que cada filho, assim como cada pessoa tem seu ritmo, suas (im)perfeições, suas limitações e sucessos. É olhar pro nossos filhos com amor, respeito e paciência, mesmo quando crescemos sem isso.

É descobrirmos em nós um potencial de transformação que transmitirá aos nossos filhos a importância de ser livre pra aprender e reaprender continuamente sobre todas as coisas. Pois, em cada país, em cada cultura, em cada ser há verdades que precisam ser respeitadas e compreendidas e que verdades absolutas se existirem são bem poucas.

Que nos permitamos essa autoeducação diária e que sigamos como mestres e aprendizes pela nossa história.


Você também pode gostar de outros artigos da autora: Como escolher uma escola para o seu filho?

Sobre o autor

Juliana Meyer Luzio

Juliana Meyer Luzio

Terapeuta que constrói sua clínica através de um espaço que integra fala, consciência corporal e quietude, tornando possível uma reconexão com o que há de belo, delicado e muito forte em nós - nossa saúde.

Formada em Psicologia, Psicanálise, Terapia de Integração Craniossacral, Transmutation Therapy, entre outros, está sempre em busca de conhecimentos que agreguem, em seu dia-a-dia maneiras, diferentes de olhar a vida.

Atualmente, além de sua clínica, lançou a Îandé, onde tem se dedicado à arte de criar e costurar produtos exclusivos e cheios de carinho.

DADOS DE CONTATO

Facebook: julianaterapeutaintegrativa | iandeprodutosartesanais
Instagram: @iandeprodutosartesanais
Skype: juliana luzio
Email: [email protected]
WhatsApp: (11) 98709-6916