Setembro Amarelo

Suicídio: uma calamidade mundial

Homem segurando flores amarelas mortas
Riz Mooney/Unsplash
Luiz Guimaraes
Escrito por Luiz Guimaraes

O Setembro Amarelo foi instituído pela Organização Mundial de Saúde (OMS), no dia 10 de setembro de 2003, como data de campanha de prevenção contra o suicídio em todo o mundo, por causa dessa calamidade que assola a humanidade de forma alarmante. A cada ano identifica-se pelas estatísticas o aumento dessas ocorrências, que se tornaram um problema de saúde pública.

As causas são as mais diversas, sendo a depressão uma das mais importantes neste contexto. Dificuldades financeiras, doenças, drogas lícitas ou não, desenganos da vida e também a ausência de religiosidade do ser humano fazem com que essa incidência se torne cada vez mais preocupante. O suicida não quer deixar de viver, ele quer “se livrar” daquilo que o aflige.

A fragilidade humana decorrente dos sentimentos e emoções mal vivenciados oportuniza esse ato de desespero, e para quem acredita que a vida não se resume do berço ao túmulo sabe que aumentamos em grau elevadíssimo nossas aflições do amanhã, ou seja, o Espírito segue além-túmulo com tudo que aqui construiu de bom ou não. Lembremo-nos sempre de que a vida é um ciclo de desafios, que são provas para o nosso processo evolutivo.

Homem sentado no sofá da sala com as mãos unidas
Kelly Sikkema/Unsplash

Abreviar a vida é a maior transgressão do ser humano às Leis de Deus, segundo a questão 944, do “Livro dos Espíritos”: “Tem o homem o direito de dispor da sua vida?” – Não, só a Deus assiste esse direito. O suicídio voluntário importa numa transgressão dessa lei.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) definiu, em 22 de janeiro de 1998, que “saúde é um estado dinâmico de completo bem-estar físico, mental, espiritual e social, e não meramente a ausência de doença ou enfermidade”, e o Ministério da Saúde apoia o Centro de Valorização da Vida (CVV). Em 2017, 2 milhões de pessoas ligaram de maneira gratuita para o número 188, que oferece apoio emocional e de prevenção do suicídio. Imaginemos quantas vidas foram poupadas desse desatino…

Os números continuam crescentes e sabe-se que a cada 40 segundos alguém comete suicídio no mundo. No Brasil, a cada 42 minutos isso acontece. Chega-se a um total de 800 mil casos por ano em todo o mundo. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estabeleceu a meta de reduzir em 10% os casos de mortes por suicídio até 2020. Não será fácil, visto que a pandemia do Covid-19 contribuiu fortemente para o crescimento dos processos depressivos.

Quando cremos no Criador e que somente nele poderemos ter o amparo necessário para as nossas vicissitudes, além obviamente da nossa vontade, sentimo-nos fortalecidos e a fé, aliada à perseverança e à resignação, leva-nos ao caminho de uma dor menor, enquanto a revolta é a porta do sofrimento. Revoltar-se é agravar tudo que já nos incomoda e sabemos que essa postura nada resolve.

Mulher ao lado de uma janela segurando uma xícara
Foundry/Pixabay

Enquanto o ser humano não buscar no seu interior as virtudes do bem, como o amor, a caridade, a fraternidade, dentre tantas outras, não sairá desse labirinto de Dédalo que o eterniza encarcerado no desespero. Esse reencontro com o seu “eu” constitui-se na chave do tesouro adormecido e a que somente cada um de nós tem acesso.

Você também pode gostar

Tenhamos consciência de que as nossas lutas externas são fugazes, mas aquelas contidas em nosso íntimo são as difíceis, pois é imperioso que renunciemos aos fatores impeditivos do nosso progresso moral, como o egoísmo, o orgulho e outros sentimentos inferiores que trazemos de vidas pretéritas.

Sobre o autor

Luiz Guimaraes

Luiz Guimaraes

Sou médico diplomado no ano de 1972, pela Faculdade de Ciências Médicas de Pernambuco. Já era funcionário do Banco do Brasil e em 1977 assumi o cargo de médico no serviço da Instituição. Em 1988, assumi a chefia daquele serviço e em 1996 aposentei-me. Escrevo para o Jornal do Commercio e Diário de Pernambuco (ambos em Recife) sobre a Doutrina Espírita e também sobre nossa conjuntura política. Sou membro efetivo da Academia Pernambucana de Música desde 1998.

Contato:

Telefones: (81) 9 9973 6363 | (81) 9 9290 7030

E-mails: [email protected] | [email protected] | [email protected] | [email protected]