Autoconhecimento Comportamento Psicoterapia Setembro Amarelo

Setembro Amarelo: suicídio e a dependência química

Na quase totalidade dos casos de tentativa de suicídio, há como base alguma doença mental no indivíduo, mesmo que ele não saiba, e dentre elas a Depressão é um denominador comum. Exceto nos casos de Dependência Química.

  • 40% dos pacientes que procuram tratamento para Dependência Química relatam casos de tentativas de suicídio.
  • 56% das vítimas de suicídio, em um estudo de autópsia psicológica nos EUA, apresentavam Dependência Química.

Das pessoas que fazem uso abusivo de substâncias e que chegam a procurar ajuda médica por estados depressivos, não o fazem por esse motivo, e muitas vezes não ligam seu sofrimento a este fator fortemente associado. Se o médico não perguntar se ele faz uso de substâncias, muitas vezes o paciente nem comenta…

O abuso de álcool e drogas somam risco aos pacientes com outras patologias e pode ser fator facilitador da tomada de decisão de cometer o suicídio.

O álcool muitas vezes libera a agressividade da pessoa, e quando essa a possui como grande tendência, fica exposta a mais riscos, já que o nosso Superego, nosso sensor interno, é solúvel em álcool. Ela se utiliza da intoxicação aguda de álcool para desinibir e fica ainda mais alterada se houver medicação misturada.

Em mulheres, o abuso de álcool também está associado ao maior número de violência sexual.

Hoje se fala também nas Dependências Comportamentais, como o uso abusivo de internet e os jogadores compulsivos, e tais comportamentos chegam a ser comparados ao uso de cocaína.

Quanto mais internet, mais tristeza, mais isolamento, mais inabilidade social… E a vida da pessoa passa a ser a internet, ela praticamente vive na internet.

Sabemos que existe todo tipo de informação na rede, boas e ruins e não há filtro, inclusive chats que estimulam o suicídio. Então, fica bem delicado para uma pessoa depressiva e isolada com facilidade a esse tipo de informação fácil e fria.

Dos Jogadores Patológicos, 20% tentarão o suicídio.

Em se tratando de Adolescentes, e seus cérebros que só amadurecem por volta dos 25 anos, a situação complica também. A fase onde eles mais fazem uso de drogas é dos 18 aos 25, aliás é a época onde eles mais fazem de tudo!

Seu córtex pré-frontal em formação é praticamente sequestrado pelo uso de drogas e o jovem não conseguira decidir tudo o que precisa de forma correta e saudável.

Então, é bastante delicado quando ouvimos discursos diminuindo a importância dos efeitos do uso de drogas, principalmente na adolescência. Não é simples e tem consequências sim!

O sistema de recompensa fica liberando Dopamina o tempo todo e nada mais na vida consegue dar prazer ao dependente da mesma forma, apesar de parecer contraditório, isso tira todo o prazer dele e pode ser um caminho para o suicídio.

O termo Dependente Químico é muito estigmatizado, ninguém se encaixa nele, mas vamos ver como isso pode estar mais perto do que imaginamos?

O álcool causa mais danos e sofrimento do que todas as demais drogas juntas. Sim, é assustador! 95% dos nossos jovens iniciam no álcool por volta de 14 anos e isso é aceito. São vítimas primárias de uma situação de ignorância social. Nesse caso, quem é culpado? O usuário ou a sociedade?

Legalização da maconha, drogas sintéticas explodindo, facilidades em festas e baladas, jovens usando ácidos em pequenos comprimidos e até pingando nos olhos. A Dependência Química é uma Doença Crônica, não é apenas uma vibe ruim…

Droga é toda Substância Psicoativa que tem o poder de ser abusada e que altera a Consciência. Podem ser Estimulantes, como a cocaína e anfetaminas, que aceleram o metabolismo; Depressivas, como o álcool, calmantes, diazepínicos, ópio e entorpecentes, que analgesia o usuário e Alucinógenas ou Perturbadoras, como a maconha, que atua na qualidade da cognição, alterando o espaço/tempo.

Droga é toda Substância Psicoativa que tem o poder de ser abusada e que altera a Consciência.

Farei um outro artigo sobre a maconha, pois me incomoda muito os discursos de que se trata de droga recreativa, sem consequências futuras.

Enfim, as drogas causam dependência, porque liberam prazer, óbvio, e isso ativa o nosso sistema de recompensa cerebral.

A dor emocional é subjetiva, e o dependente químico foge para dentro de si mesmo, não precisa de mais nada, e a substância modula suas emoções. Ele foge para seu próprio mundo diante de relações frágeis e dificuldades afetivas.

Na adolescência, são fatores de risco tanto pais ausentes, como pais rígidos demais, e o caminho do meio sempre é o mais indicado. Estar integrado a um grupo também é muito importante para eles. Pulso firme e limites são importantes e necessários.

A Dependência Química é considerada um Transtorno Mental diagnosticado desde 1970.

Como critério para diagnóstico, pode-se avaliar se o indivíduo está na Compulsão, quando ele sente vontade e não consegue se segurar, ou se já está com Perda de Controle, que é quando sai para tomar uma com os amigos e não consegue ficar nisso, quando vê já tomou 3, 4, 5…

No início da Dependência Química, ninguém vê prejuízos, eles vêm sem aviso, a doença começa sem dar sinais, o amortecedor químico se adapta no Sistema Nervoso Central, fígado e células. A Dependência Química é considerada um Transtorno Mental diagnosticado desde 1970.

Amor e não julgamento são as ferramentas necessárias aos familiares, mas a ajuda profissional é imprescindível.


CONTINUE A LER A SÉRIE “SETEMBRO AMARELO”

Prevenção ao Suicídio | Suicídio na Adolescência | Impulsividade e Suicídio | Posvenção do Suicídio | Suicídio e Gravidez | Suicídio e Idosos | CVV – Centro de Valorização da Vida


 

Sobre o autor

Monica Marchese Damini

Monica Marchese Damini

Psicanalista Clínica e Editora do Eu Sem Fronteiras

Em certa altura da vida, senti o chamado para descobrir o que havia além da rotina, da vida material, do físico. Foram muitos os caminhos trilhados, muito estudo, muitas vivências e descobertas, muitos desafios, vários mestres. Gratidão a cada um deles.

Autoconhecimento, espiritualidade, física quântica, o universo, yoga, budismo, doutrinas, meditação, retiros, silêncio, corpo, mente, alma, o Ser, o Amor Maior.

Ser livre do mundo externo, do sofrimento de Maya, a ilusão.

Torna-se co-criador da própria realidade.

Colocar em prática o Dharma, o dom e recursos recebidos em prol da sociedade, privilegiar o Todo, trabalhar, estudar, compartilhar, amar, evoluir, sem apego ou aversão.

Despertar para o Divino em cada um de nós. Aprender a enxergar o Ego e deixar que ele apenas trabalhe a favor dos propósitos do Todo, aprender a praticar o desapego e a aceitação… tem que buscar, tem que querer, e eu quero!

Assim como eu, muitos estão nessa jornada, e com este propósito de nos juntar, criamos o Eu Sem Fronteiras, projeto amoroso de compartilhamento e ponte entre quem quer dar e quem busca receber todo tipo de informação e conhecimento, livre de dogmas, julgamentos e crenças, para que cada leitor aproveite o que desejar em cada momento de sua vida.

Transformar conhecimento em sabedoria.

Trabalhoso, mas tem muita gente vibrando na mesma sintonia e disposta a compartilhar o que sabe, e nessa nova era onde o coletivo impera sobre o individual, conseguimos uma equipe linda de profissionais em sinergia com nosso projeto para juntar todo o bem e todo o bom aqui neste portal.

Aprender a perdoar, se perdoar, nos libertar de sentimentos negativos, mágoas, culpas e tudo que gera padrão negativo. Há muitas formas e ferramentas, mas precisa trabalho e enfrentamento.

Quanto maior a massa crítica vibrando positivamente no amor universal, mais rápida a transformação deste planeta.

Queremos participar!

Contato:
E-mail: [email protected]
Facebook: Monica Damini
Instagram: @monicadamini