Autoconhecimento Comportamento

5 coisas estúpidas que a sociedade cobra de você

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Recentemente, escrevi um artigo que repercutiu muito, o assunto em questão era o quanto a sociedade que vivemos é doente e porque não aceitar o que ela nos oferece como normal é, na verdade, algo saudável a se fazer, embora isso possa nos estigmatizar socialmente e até nos fazer parecer loucos perante aos outros seres humanos.

É claro, em última análise, a sociedade nada mais é do que fruto da nossa própria criação — uma manifestação da nossa mente coletiva. A sociedade, portanto, pode ser mudada no momento em que tomarmos essa decisão, mas antes que possamos fazê-lo, primeiro precisamos mudar nós mesmos.

A melhor maneira para mudarmos é questionando as crenças que nutrimos por tradição e começar a pensar por nós mesmos a fim de descobrirmos uma forma de viver que realmente contribua para o nosso bem-estar. Por esse motivo, eu gostaria de te apresentar 5 coisas estúpidas e muito prejudiciais que a sociedade tem te ensinado e cobrado, juntamente com os motivos pelos quais você não deveria acreditar e nem segui-las:

1) “Você precisa obedecer às autoridades”

Desde muito cedo, a sociedade nos influenciou a não acreditarmos em nós mesmos, a não escutar a nossa voz interior e nem usar o nosso pensamento crítico. Se ousássemos fazer o contrário, estávamos destinados a nos meter em problemas.

Consequentemente, ao invés de criarmos e caminhar pelo nosso próprio caminho, nós seguimos um caminho predeterminado por outros, quer gostemos ou não.

A melhor maneira para mudarmos é começar a pensar por nós mesmos.

Nós temos aceitado como normal a cegueira de acreditar no que as autoridades nos dizem e a obedecer todas as regras que nos são impostas, sem parar para questionar essas crenças a fim de encontrar a verdade para que possamos viver da maneira que queremos e não da forma que a sociedade espera.

Não é surpresa que a maioria das pessoas não consiga pensar por si só e nem acatar a responsabilidade que tem pela própria vida, o que resulta em ser vítima das decisões que os outros tomam por ela.

2) “Você precisa se casar”

O amor é um pássaro livre e na maior parte dos casos, o casamento é uma prisão. A sociedade tem nos levado a acreditar que para ser um casal feliz e amável é preciso se casar. A realidade, no entanto, não poderia ser mais distante e isso é óbvio pelo fato de que metade dos casais casados acabam no divórcio.

O casamento é uma forma das pessoas possuírem a outra, de torná-la seu objeto e controlá-la a fim de se sentirem seguros com a ideia de que ela estará ali para sempre.

Mas como alguém pode saber o quanto esse amor durará?

O amor vem e vai, mas às vezes ele se vai rápido demais. Então, forçar esse tipo de relação com alguém que você não sabe se amará no futuro é algo estúpido e imaturo.

3) “Você precisa comprar várias coisas para ser feliz”

Muitos de nós acreditam que para ser feliz é preciso comprar várias coisas, especialmente as mais caras.

A publicidade nos enganou ao nos fazer acreditar que a felicidade é encontrada nos objetos materiais e a não ser que tenhamos um monte deles, não somos capazes de nos divertir.

Mas não importa quantas posses tenhamos, nos sentimos sedentos a ter mais, porque adquirir objetos materiais simplesmente não pode satisfazer as nossas necessidades emocionais.

O que nós realmente precisamos para sermos felizes é aprender a nos relacionar com os outros, a perseguir as nossas paixões, a desenvolver uma atitude plena e a sermos gratos pelas dádivas que a vida nos oferece — e dinheiro nenhum no mundo pode comprar isso!

4) “Você precisa ser rico para alcançar o sucesso”

No nosso sistema econômico baseado em dívidas, todos precisamos de dinheiro para cobrir as nossas necessidades básicas e ter tempo e recurso para adquirir aquelas coisas que nos dão satisfação.

No entanto, muitas pessoas confundem a acumulação financeira com uma vida de sucesso. Elas pensam que para ser feliz é necessário ter uma conta bancária bastante recheada.

O sucesso não vem do dinheiro, mas sim de aprender a viver em harmonia.

É claro, elas não são responsáveis por isso. Desde que estávamos no primário nos levaram a acreditar que ter dinheiro é o maior objetivo da vida — sem ele, a vida é sem significado e sem propósito e se falhamos em obtê-lo, então falhamos com nós mesmos.

Desse modo, vemos quase todo mundo se matando para ganhar mais e não importa o quanto ganhem, ainda assim, eles se sentem tristes e apáticos porque não entendem que o sucesso não vem do dinheiro, mas sim de aprender a viver em harmonia com nós mesmos e com os outros.

5) “Você precisa ser religioso para ser uma boa pessoa”

Outra coisa estúpida que a sociedade te cobra é ser “religioso”. Muitas pessoas têm sido ensinadas por seus pais, escola e igreja que para ter uma boa moral e agir de boa fé com seus semelhantes é preciso acreditar cegamente em uma religião e seguir seus dogmas sem o direito de dúvidas.

Mas eu te digo uma coisa: isso é um absurdo!

Ser religiosamente doutrinado é algo que te suprime de várias maneiras. Isso acontece porque seguir os dogmas de uma religião significa que você agirá de determinadas formas porque uma escritura ou uma figura de poder te instruiu, e não porque você realmente quis e isso é extremamente negativo tanto para você quanto para o bem-estar do mundo todo.

Primeiramente, suprimir-se enche sua psique de “ódio próprio” porque quando você não se sente completo, amado e aceito por ser quem você é, como você pode se amar? Você só consegue se odiar. E como uma pessoa que se odeia é capaz de amar os outros? Não dá, amar a si mesmo é o primeiro passo para amar o próximo.

Além do mais, fazer certas coisas só porque sua religião diz que são boas pode ser algo realmente prejudicial tanto para você quanto para as pessoas ao seu redor, ainda que você tenha as melhores das intenções. Não é à toa, que algumas das piores atrocidades da humanidade tenham sido feitas em nome da religião.

Por último, mas não menos importante, quando você acredita que a sua religião é a única verdadeira, você passa a ver as outras crenças e seus seguidores como seus inimigos. Assim, a religião organizada gera ódio e conflito entre as pessoas.

Tendo dito tudo isso, a maioria das principais religiões do mundo tem importantes lições para ensinar, então estude-as e aprenda o que puder delas, mas certifique-se de descartar o que você sentir que não é certo ou útil. E acima de tudo, não aliene-se a nenhuma ideologia, seja ela religiosa ou não.

***

Sendo profundamente seres sociais com uma imensa necessidade de nos conectarmos e sermos amados pelos outros, muitos de nós vivem a fim de receber a aprovação social, com medo de que se agirem de outra forma serão abandonados e terão que enfrentar a solidão.

Porém, dessa forma só nos reprimimos e sacrificamos o nosso bem-estar. Obviamente, forçar-se a agir de determinada forma só porque te mandaram não é a decisão mais sábia e saudável a se tomar.

É claro, rebelar-se contra a sociedade é algo difícil, mas absolutamente necessário para que você possa trazer paz, felicidade e liberdade para sua vida e também para criar um mundo mais bonito para todo mundo.

Portanto, se você deseja viver melhor, você precisa deixar de lado suas crenças tóxicas que lhe foram impostas e arranjar coragem para dizer NÃO às estúpidas expectativas da sociedade, não importa quais obstáculos tenha que enfrentar na sua jornada.


Escrito por Amanda Prieto da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sua opinião é bem-vinda, sempre que colocada com a educação e o respeito que todos merecem. Os comentários deixados neste artigo são de exclusiva responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]