Atividades Físicas Saúde Integral

A importância do esporte para a pessoa com deficiência

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Praticar esportes é bom para todo mundo, isso é certo. Mas, para algumas pessoas, pode ter um efeito além do esperado. Pessoas com deficiência podem se beneficiar ainda mais da prática de algum esporte. Além dos benefícios para a saúde, alguns outros fatores contribuem para isso.

Um dos problemas que as pessoas com deficiência podem ter é o da exclusão social e o da falta de autoestima. Sabemos que nem todos os lugares possuem acessibilidade adequada para diversos tipos de deficiência e também muitos empregos acabam tendo barreiras para que possam ser executados por todos e isso causa uma frustração que pode afastar cada vez mais os portadores de necessidades especiais de uma vida social saudável, dando espaço para o desânimo quando se trata da realização pessoal. Por isso, a prática de esportes tem um papel importante nesses aspectos.

Se por um lado alguns lugares excluem, o esporte inclui.
Existem modalidades que podem ser praticadas independentemente da deficiência e outras que são facilmente adaptadas para que todos possam participar. Ao escolher um esporte, a vida social é estimulada e a autoestima melhora consideravelmente. Fazer parte de um grupo é muito mais benéfico do que apenas se exercitar. Quando estamos cercados de pessoas com interesses semelhantes, é como se tivéssemos uma segunda família que nos faz ter ainda mais motivação para se envolver cada vez mais com o esporte.

Dependendo do tipo de deficiência, alguns esportes podem ser mais recomendados do que outros, mas o mais importante é que a escolha seja feita com vontade, para que a motivação continue sempre forte. Veja algumas modalidades recomendadas:

Para quem possui alguma deficiência física: basquete com cadeira de rodas, atletismo, futebol para amputados, esgrima em cadeira de rodas, tênis de mesa, voleibol sentado, arco e flecha, entre outros.

Para quem possui deficiência auditiva: futebol, handebol, natação, atletismo, voleibol e muitas outras, pois a deficiência auditiva não limita tanto a quantidade de modalidades a serem praticadas.

Para quem possui deficiência visual: ciclismo, judô, jiu-jitsu, atletismo, halterofilismo, entre outros.


Escrito por Ricardo Sturk da equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]