Música Relacionamentos

A relação entre as decepções amorosas e ouvir músicas sobre sofrimento

Envolver-se com alguém num relacionamento amoroso é um ato de enorme entrega. Quando estamos com uma pessoa, empenhamo-nos à beça, abrimos mão de diversas coisas para nutrir a nossa conexão com ela e mudamos a estrutura de nossas vidas para integrá-la como parte. Por esses e por outros motivos, o término de um relacionamento talvez seja uma das situações mais difíceis pelas quais temos que passar.

Términos são complexos, demandam uma carga emocional enorme e, com certeza, sempre movimentam muito a vida de quem passa por isso. Por melhor resolvida que uma pessoa possa ser consigo mesma e com a elaboração de seus próprios sentimentos, é praticamente impossível que alguém saia ileso de um rompimento amoroso.

O processo de superar alguém e/ou um relacionamento romântico é denso, demora e exige boas estratégias que envolvam nossas mentes e corações. Ao terminarmos, geralmente procuramos ajuda em tudo que é possível: terapia, amigos, trabalho, nossos hobbies, festas. Ajudas de qualquer natureza são bem-vindas quando o assunto é esse.

Um robô vermelho de papelão segurando um coração de papel partido.
burak kotask / Pexels

A respeito disso, um recurso muito procurado pelos corações partidos durante esses momentos difíceis é a música. Não é à toa que músicas sobre sofrimento amoroso, traições e decepções são sempre as mais ouvidas e requisitadas pelo público geral; esses tipos musicais nos geram um forte sentimento de identificação. Ao escutá-los, podemos olhar para a obra, voltar a nós mesmos e dizer: “Eu também me sinto ou já me senti assim”. É o que acontece quando ouvimos artistas como Adele, Taylor Swift e Jão. Continue lendo e reflita sobre a vida amorosa e a obra desses gênios da música romântica!

A cantora Adele e sua discografia

O álbum que apresentou Adele ao mundo e fez a cantora bombar internacionalmente foi “21”, obra cujas faixas todas versam sobre o tema amoroso. O segundo álbum de estúdio da cantora britânica é o mais vendido do século XXI e a inspiração para essa criação maravilhosa foi o término de Adele com seu namorado da época, de quando ela tinha a idade que dá nome à obra (21).

Não apenas pelo vocal singular da artista e pelo arranjo dramático das canções se dá o sucesso de Adele, mas também pela forte carga emocional e expressiva que ela deposita nas suas músicas. Quem nunca chorou ouvindo “Rolling in the Deep”, “Someone Like You” ou “Set Fire to the Rain”? Músicas como essas mexem com as nossas sensações mais íntimas e nos geram muita identificação, pedindo sempre pelo “repeat”.

A cantora Adele num show em 2016.
Kristopher Harris from Charlotte, NC, CC BY 2.0 / Wikimedia Commons / Canva / Eu Sem Fronteiras

O processo de criação de “21” foi tão visceral que a cantora confessou tê-lo composto fora de si. “Eu posso ver isso de uma perspectiva externa: eu nunca escreveria músicas tão boas quanto as de ’21’. Eu estava completamente fora de mim escrevendo esse disco: bem bêbada, para ser honesta. Bebia duas garrafas de vinho, e fumava, depois compunha. No dia seguinte, via e pensava ‘isso é bom’. Depois achava a melodia”, disse Adele para a revista Vanity Fair em 2016.

Com a maturidade e a experiência de um recente divórcio conjugal nas costas, Adele lançou recentemente seu álbum “30” e afirma que é esse o seu favorito. Ela revelou também que, nessa obra, mostra um lado mais vulnerável de si e aborda assuntos não explorados anteriormente a respeito de sua vida. Relacionamentos tóxicos, infância e problemas com o pai estão presentes em “30” e, como são temas que geram bastante identificação nos seus ouvintes, já garantem o sucesso dessa nova peça.

Taylor Swift e sua autobiografia

Para além de sua premiada obra artística, a cantora country-pop Taylor Swift é muito conhecida pelos seus diversos namoros e relações românticas. Isso porque o tema “amor” é protagonista no trabalho de Taylor, e diversas canções de sua discografia fazem referências a relacionamentos passados da artista, como “Dear John”, sobre seu relacionamento com John Mayer, e “Back to December”, sobre Taylor Lautner.

Compositora de todas as suas faixas, Taylor é o tipo de artista que transmite todos os seus sentimentos para o papel e para os instrumentos que toca. Expectativas não alcançadas, traição, triângulo amoroso e falta de reciprocidade são assuntos presentes nos álbuns de Taylor Swift e que, por serem recorrentes no âmbito das relações românticas e por estarem articulados com tanta propriedade pela cantora, geram identificação súbita com quem escuta.

Uma fotografia da cantora Taylor Swift, durante sua turnê intitulada Red.
jazills, CC BY 2.0 / Wikimedia Commons / Canva / Eu Sem Fronteiras

Quem nunca teve um relacionamento “iô-iô”, aquele que vai e volta o tempo todo e nunca muda de verdade? Na música “We Are Never Ever Getting Back Together”, um casal desse tipo é retratado de maneira divertida e mexe com aqueles que já passaram por isso. “Nós terminamos de novo noite passada, mas desta vez eu estou te dizendo, eu estou te dizendo: nós nunca, nunca, nunca voltaremos a ficar juntos!” (Tradução da letra da música “We Are Never Ever Getting Back Together”, de Taylor Swift) — bem o tipo de promessa que fazemos quando não conseguimos nos desvincular de alguém, não é mesmo?!

Já na icônica “You Belong With Me”, a artista lamenta um amor idealizado por uma pessoa comprometida e, com certeza, quebra corações dos apaixonados platônicos até hoje com a canção. “Se você visse que sou eu quem entende você… Estive aqui o tempo todo, então por que você não vê? O seu lugar é comigo.” (Tradução da letra da música “You Belong With Me”, de Taylor Swift).

Jão e seus desabafos de amor

Em toda a sua discografia, o artista Jão deposita suas próprias experiências amorosas, compondo uma obra sempre densa de emoções e vivências românticas. Desde o seu primeiro álbum “LOBOS” e até hoje nos seus recentes lançamentos (como as faixas do álbum “PIRATA”), os desabafos de amor de Jão tocam fundo o coração dos seus fãs, que se identificam tanto com o trabalho do artista que procuram por isso em cada verso das músicas.

O sentimento de identificação dos ouvintes com a sua obra não é coincidência. Em entrevista para o Tracklist no ano de 2018, Jão afirma ter concebido seu primeiro álbum já com essa intenção: “Apesar de ‘LOBOS’ ser pessoal, ele não é um álbum só do Jão. Ele é um álbum em terceira pessoa: poderia também ser o álbum do Pedro ou o álbum do Tiago…”. E, na mesma ocasião, completa: “‘LOBOS’, para mim, é um símbolo de liberdade. É um álbum que eu quero que as pessoas abracem, e se identifiquem, e se entreguem. Dá para se divertir e chorar”.

Uma foto do cantor Jão.
Teca Lamboglia, CC BY-SA 2.0 / Wikimedia Commons / Eu Sem Fronteiras

Quem quer curtir um momento de lamento sobre a própria vida amorosa e o sentimento de solidão pode dar o play certeiro em “Vou Morrer Sozinho”. Na música, o artista canta “Ai, meu Deus, eu vou morrer sozinho se eu continuar nesse caminho de não deixar ninguém me amar”.

Já em “Me Beija com Raiva”, Jão mexe com os corações de quem já viveu aquele famoso tipo de amor que não dá certo por nada, mas que o motivo disso não é a falta de vontade dos amantes. Tesão, romance e raiva se confundem em versos como “Joga tua verdade toda na minha cara, mas antes de ir embora, eu te impeço, para! E me beija com raiva, me beija com raiva”.

Portanto, seja com Adele, Taylor Swift, Jão ou qualquer outro artista que fale sobre o amor, recorrer ao universo musical pode trazer muito conforto para quem encara o término de um relacionamento. Isso porque, quando ouvimos que outras pessoas já passaram por situações semelhantes às nossas, inclusive com tanta intensidade e entrega, sentimo-nos melhores, já que vemos que não estamos sozinhos nessa.

Você também pode gostar

Além disso, um dos passos mais importantes para passar pelo fim de um relacionamento e superar um amor passado é aceitar a dor e saber senti-la. Então, quando estiver enfrentando algo assim, permita-se sofrer! Ouça músicas tristes, ouça muitos álbuns falando de amor, chore e cante junto com cada letra; porque, quando você perceber, a dor já vai ter passado. Confie! Com certeza, isso vai passar.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br