Comportamento

Como superar um término? Seguir em frente é necessário

Mulher sozinha
Mayk Souza
Escrito por Mayk Souza


Nós nunca estamos acostumados com a sensação do fim. Achamos que as coisas são eternas, e quando terminamos uma relação ou somos demitidos de um emprego, afundamos em um sentimento de frustração e não conseguimos seguir em frente. Como superar um término? Existe um lado positivo nisso?

A frustração é normal, afinal, sempre investimos tempo e objetivos na realização de um projeto, de um amor ou mesmo em uma equipe com quem convivemos diariamente.

Por não observar os sinais que avisam que a situação não está normal, acabamos surpreendidos com a decisão do rompimento, mas ela nunca acontece de uma hora para outra, e nos questionamos:

  • mas eu não era imprescindível?
  • como vão continuar sem o meu trabalho?
  • quem conseguirá o mesmo desempenho que eu?

Quando o rompimento é no amor, também surgem diversas indefinições:

  • mas ele/ ela vai encontrar alguém melhor do que eu?
  • ele/ ela já tem outra pessoa?
  • ele/ ela me traiu?
  • onde eu errei?

Todos estes questionamentos lançam dúvidas sobre a nossa capacidade e costumam nos colocar para baixo.

Sim, é verdade que temos boa parcela de culpa neste término. Temos culpa por não observar o momento em que as fissuras ficaram evidentes, temos culpa por não consertar os pequenos problemas, temos culpa por não ter colocado um ponto final quando foi necessário.

Mas agora que o término chegou, você precisa fazer uma série de avaliações, respeitar o luto e replanejar sua vida.

Com a experiência de rompimento em diversos relacionamentos, nos quais alguns foram culpas minhas, outras apenas fui um telespectador, e também por ter encerrado diversos ciclos profissionais, sugiro abaixo quatro atividades que vão te ajudar a restabelecer a autoestima e encontrar razões para seguir em frente. Vamos lá?!

Aprenda como superar um término

Cada pessoa tem o seu processo e o tempo de reação. Isso precisa ser respeitado, já que não somos uma máquina. Sabendo disso, aos poucos, você precisa ocupar o seu cérebro para que o coração não “sangre”.

Mulher meditando em cima de uma pedra com floresta ao fundo

É muito comum, em um relacionamento amoroso ou profissional, abrirmos mão das coisas que gostamos para atingir algum objetivo. Este é um dos caminhos mais perigosos, já que passamos a perder as nossas características e nos deixamos vulneráveis. O que você vai fazer é justamente recuperar esse caminho.

Atividade esportiva 

Certamente, quando você era adolescente ou ainda na infância, tinha um esporte favorito. Seja vôlei, basquete, futebol, skate, corrida ou qualquer outra atividade física.

Vale também caminhada, meditação, ioga ou caminhada.

A intenção aqui não é cuidar da sua parte física, ficar marombado, mas sim trazer a sensação de satisfação e também fazer com que o seu cérebro “apague” a experiência negativa recente e substitua por lembranças de quando você foi feliz.

Experimente a dança

 No passado eu era muito tímido. Logo, sempre que tinha uma experiência negativa, eu me fechava no meu mundo até que o coração estivesse forte o suficiente para que eu pudesse buscar uma nova oportunidade profissional ou conhecer novas pessoas.

Em 2010 eu fiz aulas de sertanejo universitário e samba-rock, adorei. Mas trabalhando em um novo local e em um relacionamento conturbado, deixei de lado a dança.

Anos depois, já em 2014, após o término de um novo relacionamento, parei para refletir sobre os tempos em que “eu era feliz”. Foi ali que recordei dos tempos da dança e voltei a fazer aulas.

Foram apenas três meses de aula intensa de forró, sertanejo, bolero e samba-rock. Conheci novas pessoas, fizemos várias festas, viajei com uma turma de amigos para um estado distante, me diverti muito e lá conheci novas pessoas, inclusive minha esposa.

A dança te coloca em situações jamais vividas, ativa sentidos como tato, visão, audição. Você também aprende a prestar atenção e se importar com o parceiro (a).

É uma boa experiência para que o coração viva novas sensações e reconecte o seu cérebro, para que ele entenda que estes são os sentimentos de felicidade que você quer para a sua vida.

Outra coisa, mesmo que você se ache desengonçado, tímido ou qualquer outro sentimento frustrante, deixe tudo isso de lado. Eu não sabia fazer dois pra lá, dois para cá.

Depois de alguns pisões no pé, bailes noturnos, diários, em 2018 fiz uma apresentação com a minha turma no teatro do Shopping Eldorado para mais de 500 pessoas. Foi incrível, sensacional. Teve frio na barriga, tensão, muitos erros no ensaio, mas fizemos o melhor espetáculo que podíamos.

Faça uma viagem inédita 

É fácil você querer mudar a vida, mas continuar visitando locais em que terá contato com antigos colegas de trabalho ou amigos em comum daquela pessoa especial. Só que sem saber você está se boicotando.

Ao retornar para casa, sempre fica aquele pensamento sobre os tempos antigos e novamente o sentimento de frustração.

Olhe o mapa e lembre um local que sempre sonhou em conhecer, mas que sempre foi adiado. Seja uma praia, um parque, um sítio ou mesmo uma viagem internacional.

Você terá contato com outras pessoas, novas paisagens em sua mente e novamente um recondicionamento da sua forma de entender a felicidade.

Aprenda algo novo

É bem comum achar que somos incompetentes após a demissão de uma empresa. Também sentimos que não somos a pessoa ideal para aquele parceiro (a) e que ele/ ela merece alguém melhor. Esta sensação de incapacidade toma conta do nosso cérebro e não damos conta do nosso potencial.

Todas essas afirmações acima podem sim ser verdadeiras, mas não definitivas.

Com a facilidade da internet, você pode avaliar quais são os cursos em alta no mercado, quais são as inovações e também testar diversas opções que existem.

Quem sabe você não tenha habilidade para ser um novo youtuber, ser um cozinheiro maravilhoso ou ainda um incrível ator não descoberto. Só saberá ao se desafiar a sair da zona de conforto.

Os cursos online permitem testar novas atividades com um custo baixo, muitas vezes até gratuitos.

Ao desenvolver uma nova atividade profissional, principalmente se ela te der prazer, você irá conhecer novas pessoas, participará de novos eventos e terá uma renovação no seu ciclo social.

Tudo isso te ajudará a ter contato com outras pessoas e também perceber que o mundo continua existindo e que aquele término não é o fim da sua vida, mas sim a oportunidade de construir uma nova história.

Você aceita esse desafio?


Você também pode gostar de outros artigos desse autor. Acesse: Vida de jovem

Sobre o autor

Mayk Souza

Mayk Souza

Sou formado pela Anhembi Morumbi, já atuei em redação de conteúdos esportivos, culturais e autoajuda.

Contato
Email: [email protected]