Autoconhecimento

Aprenda a soltar

Silhueta de um homem com as mãos levantadas com por do sol e céu com nuvens ao fundo
Paulo Tavarez
Escrito por Paulo Tavarez

Não faça nada, não queira nada, não espere nada e não cobre nada. Abandone todos os desejos e você estará livre. Isso mesmo, tudo que te aprisiona está relacionado àquilo que você valoriza e deseja. Reveja os seus valores e perceba o tamanho da armadilha em que se meteu. É preciso que você se desinteresse por tudo, que renuncie os próprios sonhos, que desenvolva um profundo desapego, só assim você estará livre. É preciso parar de fazer o que você sempre fez, não é esse o caminho, se você continuar desse jeito apenas continuará na mesma condição em que se encontra agora, ou talvez fique pior.

Não se preocupe com aquilo que acontece, deixe acontecer, pois não haverá liberdade enquanto você estiver na dependência de acontecimentos ou enquanto sua mente estiver projetada no futuro criando anseios e preocupações. Saia do controle, solte aquilo que você insiste em agarrar, deixe ir, não tente conduzir nada, apenas assista. Você é uma testemunha, nada mais.

Como ensina Nisargadatta Maharaj, o filme é projetado em você, como se você fosse uma tela. Você já existia antes e continuará existindo depois do final dessa trama. O roteiro do filme pouco importa, pode ter incêndio acontecendo, não importa, a tela não irá queimar-se; pode ter naufrágio, mas a tela não também não irá molhar-se. Você é a tela, você nunca foi o filme, nunca foi protagonista ou coadjuvante de nenhuma trama, esse nunca foi você, apenas um personagem com o qual você acabou criando uma identificação.

Homem em beira de rio com braços abertos e céu azul ao fundo

Você é o espectador, seu lugar é na poltrona, você nunca foi um ator. A verdadeira ação é a não-ação, ou seja, a aceitação. “Ah, mas isso é comodismo!”. Pense como você quiser e continue sofrendo, o Universo não está nem um pouco preocupado com as suas ‘certezas’.

Não brigue com o roteiro, não fuja do campo de batalhas em que estás sendo compelido a estar, enfrente tudo, com fé e humildade, esteja certo, a vitória será sua. Deixa a vida no comando, deixa a sua sombra falar, ouça todos os protestos que vêm de dentro do seu próprio ser e entregue-se, você não pode vencer essa batalha, o verdadeiro poder está na rendição. Não seja tolo como Dom Quixote que lutava contra moinhos de vento, saia desse campo de batalhas, solte as armas, morra! Isso mesmo, você precisa morrer.

“Quem tentar preservar sua vida perdê-la-á; mas quem perder a sua vida na realidade a manterá” Lc 17:33.

Mulher em janela de carro com cabelos ao vento e estrada ao fundo
Você também pode gostar

É a essa vida ilusória que estou me referindo. Não vá cometer nenhum suicídio, tente entender a profundidade dessas palavras primeiro. Existe um falso eu, inflado de importância, como um Zaqueu que tentou elevar-se e foi constrangido à descer. Esse personagem não deve continuar existindo.

Seu Eu Verdadeiro é belo, alegre e pacífico. Não quer nada, não faz nada, não controla nada e todo o Universo se prostra de joelhos diante dele.

Acredite, nada é mais importante e poderoso do que você.

Sobre o autor

Paulo Tavarez

Paulo Tavarez

Instrutor de yoga, pedagogo, escritor, palestrante, terapeuta holístico e compositor. Toda a minha vida tem sido dedicada à construção de um mundo melhor.

Celular: (11) 94074-1972
E-mail: [email protected]
Facebook: /paulo.hanuman
Instagram: @paulo.tavarez
Site: paulotavarez.com