Espiritualidade Mitologia grega

Atena – Tudo sobre a deusa!

Imagem colorida da estátua da deusa Atena.
Foto por Sedmak no 123RF
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Mitologia grega é o nome atribuído ao conjunto de narrativas desenvolvidas na Grécia Antiga, que exploram elementos da natureza e comportamentos humanos. Você já deve ter se deparado com essas histórias quando assistiu a filmes como Percy Jackson, Fúria de Titãs, ou quando ouviu alguém falar em deusas e deuses gregos.

Nesse conjunto de narrativas, encontramos personagens divinos que representam virtudes e que podem se relacionar a diferentes fenômenos naturais. Além disso, há parentescos entre eles que precisam ser estudados com muita atenção, porque as famílias são grandes!

Uma das deusas que mais chama a atenção é Atena. Conhecida como deusa da civilização, da sabedoria, da estratégia em batalha, das artes, da justiça e da habilidade, ela é uma figura poderosa. Em algumas versões, ela pode ser encontrada com o nome de Palas Atena, e os romanos a chamavam de Minerva.

A deusa foi adorada na Grécia Antiga e em todos os lugares que os gregos ocuparam, como Ásia Menor, Península Ibérica, norte da África e regiões do Mediterrâneo, sendo que cada um desses lugares trouxe novas interpretações para essa figura emblemática.

A seguir, desvende cada detalhe sobre Atena e entenda por que ela é considerada uma das doze divindades principais da mitologia grega!

Origem de Atena

A origem de Atena ainda é motivo de controvérsias entre pesquisadores. Há duas versões para o surgimento da deusa. Na primeira delas, Atena é filha de Zeus e Métis, a primeira esposa do deus. Quando ela engravidou, Zeus foi avisado de que sua filha seria mais poderosa que ele. Temendo perder seu poder, criou uma brincadeira com Métis.

No jogo, Zeus e Métis deveriam se transformar em animais. Métis, infelizmente, transformou-se em uma mosca, sendo engolida por Zeus. Em vez de ir para o estômago dele, no entanto, dirigiu-se para a cabeça. Anos depois, ao sentir muita dor nessa região, Zeus pediu que Hefesto quebrasse seu crânio.

Quando a cabeça de Zeus foi aberta, Atena saiu de lá armada e crescida, pronta para reinar ao lado do pai, sem tentar destroná-lo. Em outra versão, Atena seria uma filha bastarda de Zeus, descoberta quando ele se casou com Hera. Irritada, a esposa de Zeus lhe deu um filho bastardo, Hefesto.

O mito de Atena

Atena é uma figura que simboliza força, coragem e inteligência. Por ser uma ótima estrategista em batalhas, ficou conhecida por ser uma defensora das cidades gregas. Inclusive, a cidade de Atenas recebeu esse nome em homenagem a ela.

Imagem em preto e branco do busto da Deus Atena.
Foto por Ruslan Gilmanshin no 123RF

Sendo assim, Atena está presente em inúmeros mitos que envolvem batalhas e conflitos, como a competição que travou com Poseidon pelo controle de uma cidade. Segundo o mito, ambos queriam governar o mesmo local. Ficou definido que quem desse o melhor presente para a cidade poderia protegê-la.

Enquanto Poseidon trouxe água do mar e um cavalo para a cidade, Atena domou e domesticou o cavalo e deu uma oliveira para a cidade, provendo alimento e madeira. Como o presente de Atena trouxe prosperidade para a cidade, ela venceu a batalha.

O culto à deusa

Como Atena é uma figura que representa a proteção das cidades a partir das melhores estratégias de batalha, a deusa foi muito cultuada na Grécia Antiga e nas colônias gregas. O principal centro de culto foi a cidade de Atenas, mas as homenagens e as festividades marcaram inúmeras regiões.

As Panateneias, festas destinadas a cultuar Atena, eram as mais importantes do período. Artistas demonstravam seus trabalhos, cantos eram repetidos para homenagear a deusa e estátuas e objetos de ouro eram separados para a divindade.

Embora a celebração da agricultura fosse o foco das festividades para Atena, também reproduziam jogos que remetiam às batalhas nas quais a deusa se envolveu. Era preciso cantar, dançar, repetir rituais. A pessoa que tivesse um melhor desempenho ganharia cabeças de gado e ânforas com óleo da oliveira que Atena deu para a cidade.

Imagem colorida da estátua da deusa da mitologia grega Atena. A estátua está localizada na Áustria.
Foto por Andrej Privizer no 123RF

Na arquitetura, Atena também foi homenageada. Muitos templos foram criados para a deusa, mas o mais importante foi o templo Partenon de Atenas, construído depois que os persas invadiram a cidade de Atenas, em um esforço de resgatar a identidade e a força daquele povo.

O que Atena representa na sociedade?

Ao longo de toda a sua vida, Atena escolheu não ter filhos e não se envolver com outros deuses. Ela defendia, na verdade, que os deuses não deveriam manter relações entre si, para que pudessem se concentrar em suas funções e atividades.

Por esses motivos, Atena é um símbolo de pureza, no sentido sexual. Apesar disso, essa não é uma característica enaltecida na deusa. Ela é reconhecida por sua inteligência, por sua força, por sua coragem e por sua estratégia em batalhas.

Você também pode gostar

Analisando a construção da imagem de Atena na sociedade moderna, poderíamos dizer que ela rompe os padrões de feminilidade e de sexualidade, porque escolheu não ter um parceiro ou uma parceira e se dedicou integralmente ao seu trabalho, sua verdadeira paixão.

Atena é uma inspiração para as mulheres que querem ser mais do que mães e esposas. Elas podem ser guerreiras, vitoriosas, protetoras e exemplos de sabedoria para aqueles que as cercam, assim como Atena foi.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]