Autoconhecimento

Benefícios de revisar a sua história de vida através do trabalho biográfico (Parte II)

Já falei anteriormente sobre alguns dos benefícios de olhar para a sua própria história de vida na maturidade.

Na parte I deste artigo, falei sobre como a autoconfiança é gerada na infância. Se você não desenvolveu naquela época, esta qualidade tem que vir da própria história de vida.

Através da revisão biográfica, você pode redescobrir forças que usou em momentos difíceis da vida, bem como suas singularidades, aquilo que você tem e que nenhuma outra pessoa pode oferecer para o mundo.

Continuo a compartilhar com vocês o impacto que o trabalho biográfico teve na minha própria vida na prática.

Não somos todos iguais (mas somos bem parecidos!)

As pessoas têm histórias de vida muito semelhantes, e isto nos aproxima como seres humanos.

Uma mulher sendo capturada por meio de uma fotografia.
geralt / pixabay

Para mim, entender que muita gente passou pelos mesmos problemas fez a vida parecer um pouco menos injusta.

Um exemplo de sofrimento compartilhado é o arquétipo da Cinderela, que se mostrou na minha vida — e na de tantas outras pessoas — da seguinte forma:

  • Pai inexistente: no conto original, escrito pelos Irmãos Grimm, o pai da Cinderela não está morto, mas simplesmente não faz nada para impedir o sofrimento da filha.
  • Abandono da mãe: no meu livro, conto apenas sobre um dos abusos que sofri na vida. O abuso está sempre relacionado ao abandono, pois ele só acontece quando não há a vigilância da autoridade amada.
  • Cuidadora que substitui a mãe corta o cabelo da filha: é um arquétipo bem comum sobre “podar” o poder do feminino (como no conto de Sansão, na Bíblia).

Tomada de decisões

Uma das coisas que fui orientada a fazer, foi uma linha do tempo com todas as importantes decisões que tomei na vida: pedir demissão de um trabalho, morar com o pai quando se separaram, voltar para o Brasil, quando já estava na Suíça, ou abandonar a faculdade de Direito pela metade.

Percebi que minha tomada de decisão tinha um cunho emocional muito grande, e um padrão: virar as costas e ir embora, ao invés de procurar o diálogo como solução.

Uma mulher correndo num gramado denso.
muhammad bahmudah de Getty Images / Canva

Com isto em mente, agora posso repensar melhor quando estou sentindo este mesmo ímpeto e ver se há outras maneiras mais adultas de solucionar o problema. Nos rompantes, me “descapitalizo”, e depois tenho que começar do zero. Já na pausa e reflexão, me energizo.

Relações fundamentalistas

No meu livro, conto a história de quais lições aprendi com os meus relacionamentos. Mas o que eu não tinha percebido antes do trabalho biográfico foi o quanto minhas relações foram fundamentalistas, nas quais o feminino não é valorizado.

Isto aconteceu muito por causa da religião em que eu fui criada, em que se ensina que “o homem é o cabeça da mulher” e, mesmo que tenha saído da religião cedo, isto, de alguma forma, ficou arraigado em mim.

Além disso, pela falta de autoridade amada, algo fundamental no setênio de 7-14, passei a reverenciar a autoridade errada na vida adulta, o que me levou a um relacionamento muito problemático por achar que ele era intelectualmente superior a mim.

Ciclos de 4 anos

Quando você revisa sua história, vai perceber que sua vida foi regida por ciclos: de 2, de 5, de 9, de 12 anos — é diferente para cada indivíduo.

No meu caso, o ciclo de 4 anos é bem marcado, o que muito provavelmente significam dois ciclos de dois anos, ou seja, ciclos marcianos.

Marte é o planeta da guerra — evolui no obstáculo, no confronto. Consigo ver esta disposição bem clara na minha vida: claro que para trabalhar num mundo patriarcal precisei me impor, por causa da minha raça, precisei “lutar” para chegar em algum lugar, porém, devo estar atenta para que isto não se torne um hábito e, de novo, ver a possibilidade através do diálogo.

Um homem e uma mulher sorridentes conversando.
SHOTPRIME / Canva

Ontem mesmo, quando vi o “fogo” marciano subindo, pensei numa frase dita por Jesus: “quando dois ou mais estiverem reunidos […], eis que estarei ali no meio deles”. Então, imaginei Jesus sentado em uma das cadeiras daquela sala de reuniões, e consegui refrear minha vontade de discutir.

É um exercício que terei de fazer até que eu consiga substituir as emoções e conexões cerebrais que me ensinaram que o sucesso se dá pela briga.

Para você começar

Em breve publicaremos a parte III deste assunto. Enquanto isto, se você quer começar a olhar para a sua história de vida, pode fazer isto de várias formas:

Indico o livro “Vamos Falar Sobre a Vida?”, da Edna Andrade, que foi minha aconselhadora biográfica. Nele, você vai encontrar as perguntas que vão te guiar a observar a vida sob um aspecto mais amplo e inquisitivo.

Você também pode gostar

Se quiser um apoio para fazer a revisão da sua biografia, acesse a minha bio, do lado esquerdo deste post.

Sobre o autor

Dulcineia Santos

Dulcinéia Santos é consultora de desenvolvimento para a maturidade, praticante certificada da ferramenta MBTI® de tipos psicológicos e coach. É também autora do livro “A Namorada do Dom”, em que conta as lições que aprendeu nos relacionamentos e na sua jornada até a Suíça.

Acredita que a vida é cheia de lições e que se não as aprendemos não passamos pro próximo nível do jogo. Saiu de casa cedo e foi morar no mundo – agora está na Suíça, onde estudou antroposofia por três anos. Gosta de tomar cerveja no boteco enquanto papeia, de aconselhar, da língua portuguesa, de cozinhar, de ficar só e de flexibilidade de horários. É esotérica, mas acha que estamos encarnados para viver as experiências terrenas com o pé no chão – de preferência dançando.

Formações:

Bacharel em línguas aplicadas

Brain Based Coaching Certification
NeuroLeadership Group – Londres

MBTI® – Myers-Briggs Type Indicator – Step I and Step II
Myers-Briggs Foundation – Florida, USA

Antroposofia
Goetheanum – Dornach, Suíça

Terapia Multidimensional
Genebra – Suíça

Contatos:
Site: dulcineiasantos.com

Facebook: Cura de Amor

Youtube: Canal Cura de Amor

Instagram: @ddulcineia.maturidade

Linkedin: Dulcineia Santos

E-mail: dulcineiasantos@hotmail.com