Autoconhecimento

Bháva : transformando um dia comum em uma experiência fantástica

Mulher praticando yoga, vestindo roupas de ginástica, em um parque, próximo à um lago.
Juli F. Wisnievski
Escrito por Juli F. Wisnievski


Muitas pessoas acreditam que para viver a vida ao máximo é preciso de muito. Fomos condicionados a correlacionar a obtenção da felicidade e viver ao máximo com a conquista de bens materiais. A mídia reforça esta relação com maestria, ligando um produto a uma emoção, normalmente a um estado emocional de felicidade. Este caminho é duro, longo e geralmente nos leva a ciclos incansáveis de sofrimento.

Gosto de dizer que viver a vida ao máximo é como viver todos os dias como se fosse o último. Quando pensamos assim, o desapego por conquistas materiais desaparece e sobra uma vontade, uma emoção de se viver. E como manter esta energia viva no nosso dia a dia, transformando um dia comum em uma experiência fantástica?

Silhueta de pessoa em pé no meio de uma plantação de trigo, com os braços para cima, olhando na direção de um raio de luz branca que aparece no horizonte.

E a minha resposta é: Bháva, sentimento que sempre esteve latente e mim (e está em todos nós), que desenvolvi e passei a reconhecer com mais clareza a partir das minhas práticas de yoga. Bháva é uma palavra em sânscrito que não possui tradução literal, mas que está ligada à emoção, à intenção, à dedicação, a gerar uma energia de alegria e contentamento.

Colocar Bháva e desenvolver este sentimento de alegria contagiante a tudo que se faz tem o poder de transformar cada atividade do nosso dia a dia em algo precioso.
 Quando nos propomos a viver com Bháva, nos tornamos despertos para a vida, para a finitude que temos e cultivamos uma vida muito mais presente e intensa, pois colocamos energia, contentamento e alegria em tudo o que fazemos, o que nos passa a sensação de estar vivendo a vida ao máximo. Não precisa de muito, de coisas materiais e coisas exuberantes. Precisa de intenção, energia, alegria aplicada a cada simples ação do seu dia-a-dia.

Para iniciar, basta entender o conceito e começar aplicá-lo aos poucos. Começou e de repente notou que voltou ao piloto automático? Isso é normal, comece de novo, aos poucos você perceberá que conseguirá fazer mais e mais coisas com Bháva, o que te possibilitará viver de maneira plena, com significado e com resultados ainda por cima muito melhores.

Mão de pessoas preenchendo com um lápis vermelho uma folha branca com uma lista de coisas para fazer.

Fica aqui 4 dicas de ações do dia-a-dia para de começar a fazer com Bháva:

Bom dia: deixe de lado aquele “bom dia de elevador” e passe a expressar o seu ‘bom dia’ com verdadeira alegria e intenção, mesmo que seja no elevador. Você perceberá que as pessoas até mesmo se assustarão com tanta alegria e serão consequentemente muito mais receptivas, abertas e queridas. Só isso tem o poder de te deixar muito mais contente e feliz.

Cozinhar: momento propício para aplicar o Bháva é cozinhar um prato com atenção, alegria e amor. Note como seu prato ficará mais saboroso, diferente ou mais colorido. Perceba a reação das pessoas que a degustam. O processo todo passa de obrigação ou de chato para muitos a muito recompensador.

Mulher negra jovem e sorridente em uma cozinha branca cortando vegetais para fazer uma salada, cercada de utensílios e outras comidas e temperos.

Trabalhar: você ainda pensa que trabalha pelo dinheiro apenas? Comece a aplicar Bháva nas suas atividades e passe a experenciar a sensação de importância e contribuição que você faz. Seu resultado passará a ser ainda melhor e você passa a se preocupar com o todo e assim suas ações são mais direcionadas ao que é preciso fazer ao invés do que te dizem que é para fazer. Você passa a ser reconhecido e apreciado pelos seus gestores, pois demonstra interesse, vontade e alegria.

Estudar: não estude para ter boas notas, aplique Bháva e estude para obter conhecimento, sabedoria em algum aspecto da sua vida. Você notará que, se aplicar Bháva, terá um interesse genuíno pelo aprendizado, por mais simples que ele seja. Aprenderá mais rápido e guardará as informações com muito mais facilidade pois fez o processo todo com intenção e emoção.

Menino branco usando fones de ouvi azuis escrevendo em um caderno com um livro aberto do lado, como se estivesse estudando.

Essas são algumas dicas mas você pode começar por onde quiser, inclusive como desafio, por áreas que você está com dificuldade. Por exemplo, se você não gosta de pegar ônibus, ou dirigir, coloque-se o desafio de fazer isso com Bháva e assista a transformação do seu bem-estar. Você notará que nos momentos que utiliza Bháva, você mesmo cria uma experiência mais alegre e intensa o que tem o poder de te levar a uma sensação de significado, de pertencer, de estar fazendo a coisa correta e dando o melhor de si. Quando o Bháva permear grande parte das suas ações, você perceberá como consegue viver a vida ao máximo mesmo em uma rotina muito simples. E aí você pensará que, se hoje fosse o último dia da sua vida, estaria tudo certo.

Sobre o autor

Juli F. Wisnievski

Juli F. Wisnievski

Há algum tempo, uma vontade extrema de viver e explorar a vida batia no meu coração. Eu tinha tudo que uma vida convencional pedia, mas sentia que a vida me escapava.

Decidi me tornar a dona da minha própria vida. Troquei a carreira corporativa como Diretora de Marketing por uma aventura pelo mundo abordo de um veleiro com meu marido e dois filhos pequenos.

Quebrei paradigmas, senti muito medo, percorri um caminho longo de autoconhecimento, mas, finalmente, passei a viver a vida ao máximo. Renasci. Libertei o espírito vivo, nômade, explorador, viajante que sempre esteve em mim, e ainda passei a ter como missão inspirar e ajudar as pessoas a viverem a vida ao máximo.

Vem comigo despertar para uma vida cheia de significado, criar coragem para mudar e passar a viver a sua vida ao máximo.

Contato:

Email: [email protected]
Site: lifesomewhere.com.br
Ebook: Life Somewhere: Vivendo a vida ao máximo
Facebook: Lifesomewhere
Instagram: @life_somewhere
YouTube: Life Somewhere