Autoconhecimento

Brasil, um país de obesos?

Luis Lemos
Escrito por Luis Lemos
Este artigo não se limita apenas a constatar que o brasileiro está acima do peso, e sim apontar saídas para o problema da obesidade no país. Destaca o pensamento do filósofo grego Hipócrates que diz: “Deixe o alimento ser o seu remédio e o remédio seu alimento” e aponta a filosofia chinesa: “Quem controla a própria boca controla o universo” como meios para uma vida plena, saudável e feliz.

A obesidade é um problema de saúde pública.
E o brasileiro vem sofrendo cada vez mais dessa doença. Em 2017, o Ministério da Saúde divulgou uma pesquisa que revela que quase metade da população brasileira está acima do peso. O estudo mostra que, nos últimos 10 anos, a prevalência da obesidade no Brasil aumentou em 60%, passando de 11,8%, em 2015, para 18,9%, em 2017. O excesso de peso também subiu de 42,6% para 53,8% no período. Os dados foram coletados em 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal, o que apresenta um retrato fiel da realidade brasileira.

O país que até pouco tempo atrás lutava para combater a fome e a desnutrição, agora precisa conter a obesidade.

Balança de pesar branca.

Por que a balança virou?

Estudos apontam que o aumento da obesidade coincide com um período de crescimento do poder de compra dos brasileiros, incentivado por políticas econômicas e programas de distribuição de renda. Esse paradoxo trouxe problemas sérios, principalmente no tocante à saúde. Doenças como a hipertensão, o diabetes e o colesterol ruim dispararam na população brasileira nos últimos anos.

O que fazer diante de tão alarmantes índices? Que medidas devem ser tomadas para combater a obesidade? O doutor Bruno Valdigem, no site www.minhavida.com.br, aponta três passos cruciais para combater a doença:

1) Redução da entrada de energia (calorias) no organismo;

2) Aumento do gasto por meio de atividades físicas;

3) Reorganização de comportamento alimentar.

Casal asiático em um parque. A mulher está ao fundo correndo e o homem está a frente andando de bicicleta.

É importante avisar que essas medidas devem ser feitas de forma sustentável, isto é, que o cidadão não leve o seu corpo a exaustão, pois isso pode acarretar o aparecimento de novas doenças e a saúde piorar.

Corroborando com a ideia de qualidade de vida, saúde plena, vida feliz, o filósofo grego Hipócrates (460-370 a. C) ensinava: “Deixe o alimento ser o seu remédio e o remédio seu alimento”. Este pensamento atravessou os séculos e serviu como parâmetro para concluir que a alimentação adequada é a melhor aliada de quem quer ter uma boa saúde.

Atualmente os chineses, gozando de décadas de crescimento econômico, continuam com o mesmo biótipo de sempre. Um dia, um estudioso do assunto, perguntou a um médico chinês sobre a forma física do povo, o que ele respondeu prontamente: “O povo chinês vive o estante presente. É praticante da meditação e da filosofia que diz: ‘Quem controla a própria boca, controla o universo’”. 

De fato, estudos apontam que uma pessoa não precisa de muitas calorias para sobreviver. Ela deve ficar atenta apenas à quantidade de calorias que ingere e que perde. Esta é uma daquelas contas que quanto mais perda, melhor para você. Outra dica importante é saber que todos os alimentos contêm componentes essenciais a nossa saúde, denominados nutrientes, que podem ser vitaminas, minerais, enzimas, gorduras boas, etc. Portanto, o importante é sempre manter uma alimentação saudável e fazer exercícios físicos, sempre com acompanhamento médico.

Mulher fazendo yoga em uma praia.

Por fim, converse com o seu médico para saber qual é o melhor caminho a seguir e qual é o alimento que merece espaço na sua alimentação. Não basta fazer exercícios físicos, seguir dietas, deixar de come este ou aquele alimento, o certo é fazer um planejamento cuidadoso e ter conhecimento do seu próprio corpo.

No entanto, não se desespere se você fizer tudo isso e os resultados não saírem como você esperava. Lembre-se que a saúde é uma conquista diária, um investimento de longo prazo. O caminho os chineses já apontaram: “Quem controla a própria boca, controla o universo”. Deseje e lute que você conquistará o que para muitos é impossível! Faça isso e encontre a felicidade nas pequenas coisas, no seu dia-a-dia! Avante, você é capaz!


Você também pode gostar de outro artigo desse autor. Acesse: Ciência, educação e multiculturalismo em Richard Rorty

Sobre o autor

Luis Lemos

Luis Lemos

Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA); Graduado em Filosofia pela Universidade Católica de Brasília (UCB); Bacharelado em Filosofia pelo Centro do Comportamento Humano (CENESCH).

Professor de Ciências Naturais na Secretaria Municipal de Educação de Manaus (SEMED/AM). Professor de Filosofia da Educação, Ética e Filosofia Jurídica na Faculdade Martha Falcão/Devry Brasil.

Tem experiência na área de Filosofia da Ciência, com ênfase em História da Filosofia, atuando principalmente com os temas: Educação, Ensino de Ciências, Epistemologia, Ética e Ética Profissional.

Autor dos livros: O primeiro olhar – A filosofia em contos amazônicos (2010); O segundo olhar – A filosofia em temas amazônicos (2012); O terceiro olhar – A filosofia em lendas amazônicas (2014); O homem religioso - A jornada do ser humano em busca de Deus (2016).