Autoconhecimento

Ciúme é normal?

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Nas novelas é muito comum vermos casos de ciúmes de todos os tipos. Mas você sabe o que é esse sentimento e os tipos de ciúmes que existem?

Segundo os psicólogos israelenses Elliot Aronson e Ayala Pines, o ciúme é uma reação totalmente complexa diante de uma ameaça perceptível a uma relação que possua valor ou qualidade. Em suma, envolve ao menos três indivíduos, sendo eles: o sujeito ativo, aquele que sente o ciúme, o sujeito analítico, a pessoa de quem se sente o ciúme e o terceiro envolvido, que é o motivo deste sentimento.

O ciúme em geral é um sentimento natural e totalmente instintivo, que também é marcado pela presença do medo, seja ele irreal ou real, por perder o amor e o carinho da pessoa que se ama. Ele está diretamente ligado com a falta de autoestima e de confiança, seja no outro ou em si mesmo. Quando esse sentimento se torna exagerado, acaba se transformando em uma obsessão.

Em relacionamentos, é comum observamos casos de parceiros que sofrem com o ciúme exacerbado do outro. No entanto, eles acreditam que este tipo de comportamento faz parte do jeito de ser da pessoa e, por consequência, não caracterizam tal incômodo como uma doença, não tratando o problema da maneira correta.

Há ainda os indivíduos que encaram o ciúmes como uma espécie de prova de amor, de valorização do outro ou de zelo.

É preciso esclarecer que o ciúmes é sim um sentimento normal.
Tanto os homens quanto as mulheres sentem ciúmes, a diferença neste caso se encontra nas atribuições e nos motivos que levam o parceiro a se sentir ameaçado.

É uma espécie de evolução. O ciúmes é uma arma muito poderosa, que pode ser utilizada como um sensor de perigo, a fim de conservar o bom andamento do relacionamento. No entanto, a ausência deste sentimento pode acabar prejudicando esta relação, já que o parceiro pode ter a sensação de não estar sendo retribuído da mesma maneira no amor, ou seja, não está sendo amado o suficiente.

Apesar de não ser caracterizado como uma doença, o ciúme excessivo é um problema que deve ser tratado como tal. Além disso, esse sentimento pode causar alguns transtornos como, por exemplo, demência, transtorno obsessivo compulsivo, esquizofrenia e alcoolismo.

shutterstock_295799981
O ciúme doentio

O ciúme excessivo, que também é chamado de ciúme patológico, é caracterizado por não ter uma causa aparente. Por isso, o indivíduo sente-se inconscientemente ameaçado por um rival, despertando uma obsessão por um maior controle sobre os comportamentos e os sentimentos do outro.

O indivíduo acaba supervalorizando os fatos e ideias e vai até onde for preciso para verificar o fundamento delas. Checar as ligações e as mensagens recebidas, verificar e-mails, redes sociais, querer saber com quem o parceiro falou durante o dia, onde está e a que horas retornará, com quem está, quem são os amigos, achar que o parceiro está se arrumando para encontrar com um(a) amante são sinais comuns de ciúmes patológico.

Lembre-se: o espaço do outro deve sempre ser respeitado. Se você está em um relacionamento, procure confiar no seu parceiro.
 

O que não se deve fazer

Em caso de ciúmes patológico, não se deve alimentar as inseguranças do parceiro. Isso significa dizer que quem sofre com as crises do outro acaba alimentando mesmo que sem querer os desejos do parceiro. Por exemplo: quando um indivíduo é questionado a respeito de uma mensagem recebida no celular, e acaba cedendo e dando satisfações ao parceiro, faz com que ele se sinta no direito de fazê-lo sempre.

Assim, o clima de tensão e as brigas tornam-se cada vez mais comuns, já que qualquer coisa pequena será motivo para reascender a chama do ciúmes.

Aquele que convive com o ciumento deve aprender a estabelecer certos limites na relação. Não se deve nunca se deixar de lado, deixar de fazer as coisas que gosta ou parar de falar e conviver com os amigos só porque o parceiro assim deseja. À primeira vista, ceder a esse tipo de pressão parece o caminho mais fácil, já que evita confusões, discussões e brigas desnecessárias. Mas o resultado final pode ser catastrófico, pois um dia acabará percebendo que se submeteu às vontades e desejos do outro e anulou-se por inteiro. O pior, é que o ciumento patológico passará a exigir cada vez mais, já que permanecerá sempre a sensação da dúvida.

Como lidar com o ciúmes

O ciumento deve procurar, em caso de ciúmes excessivo ou obsessão, ajuda medicamentosa e psicoterapêutica, já que o tratamento une o lado físico e emocional. Já a pessoa que sofre com o parceiro ciumento deve fazer um tratamento para tentar entender a si mesmo, por que ele aceita abrir mão de sua liberdade em razão do outro, por alguém que o domina por completo?

É preciso aprender novamente a se relacionar com o parceiro, sem que exerça o controle sobre o outro, libertando-se assim das dúvidas que o cercam para poder aproveitar um relacionamento mais saudável, onde ambos possam compartilhar momentos felizes e tranquilos, sem ter que abrir mão de sua individualidade.

Quando procurar ajuda?

A hora certa de procurar ajuda é quando o ciúmes está totalmente fora de controle, trazendo sofrimento a si mesmo ou ao outro e, assim, prejudicando o relacionamento. 


Texto escrito por Flávia Faria da Equipe Eu Sem Fronteiras.

 

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]