Nutrição

Como evitar a autopunição com a comida?

Você se alimenta ao menos 3 vezes por dia, correto? Você provavelmente tem alimentos preferidos e talvez alguns que coma apenas porque o preparo deles é mais fácil ou então por causa dos nutrientes que eles possuem. É capaz de que coma muito fora de casa, por praticidade, ou então que goste bastante de cozinhar e até tenha o costume de convidar amigos para desfrutarem dos quitutes que você prepara na sua casa.

Você faz compras uma vez por semana e sempre visita o mercado para repor o que está no fim ou então é daquelas pessoas que faz estoques intermináveis de comida semipronta. Percebeu quanta coisa pode envolver o simples ato de se alimentar? Será que você já se deu conta de qual é o seu tipo de relação com a comida?

Faço estes questionamentos porque a alimentação vai muito além do simples ato de saciar a fome. Ela pode ser um ritual, uma forma de aproximar os amigos e a família, um ato de prazer e também uma forma de autopunição. A compulsão alimentar é uma das formas mais frequentes de relação desequilibrada.

Muita gente tem uma relação totalmente desequilibrada com a comida e passa anos sem se dar conta disso. A compulsão alimentar é uma das formas mais frequentes de relação desequilibrada.

Sabe aqueles dias em que você tem vontade de comer alguma coisa, mas não sabe muito bem o que é, então resolve tentar diversos alimentos diferentes? E aquele dia em que parece que nada é capaz de te saciar; você come um doce e quer um salgado, depois que come o salgado, sente vontade de comer doce novamente?

Pois saiba que dias assim são normais, afinal, a comida é uma forma de prazer fácil e pouco condenável. O problema acontece quando estes dias passam a ser rotineiros e se transformam em estilo de vida.

distúrbio alimentar

Dificilmente alguém cria compulsão em comer alface. Normalmente, come-se compulsivamente doces hipercalóricos ou comidas industrializadas. No fundo, tudo isso tem uma explicação física, química e também mental.

Este tipo de comida tem, além do açúcar, alguns ingredientes (como o glutamato monossódico) que têm como principal função viciar e desenvolver a vontade de comer ainda mais. No entanto, nenhuma substância é forte o suficiente para tomar decisões por você e é aí que entra a necessidade de ter um controle ainda maior.

Muitas vezes podemos descontar na comida problemas muito maiores, pois a comida é fácil, necessária e, como já descrito anteriormente, pouco condenável. Logo partimos para um prazer imediato para conseguir empurrar para debaixo do tapete o verdadeiro problema.

Por exemplo: se você teve um dia difícil no trabalho e resolve parar na padaria antes de ir para casa, para comprar um monte de doces, isso é uma forma de desviar sua frustração e ter um prazer imediato, que dá uma sensação de conforto e te faz esquecer momentaneamente o verdadeiro problema. Outra forma de relação desequilibrada com a comida é a autopunição.

Outra forma de relação desequilibrada com a comida é a autopunição. Algumas pessoas transformam a alimentação, que é um momento de prazer, numa forma de se punir. Isso acontece quando não estão satisfeitas com algum aspecto de suas vidas ou de suas personalidades, então passam a descontar na alimentação esse descontentamento, causando desequilíbrio no peso e outros problemas de saúde. No fundo, essas pessoas acham que esses males são merecidos.

Você também pode gostar

Caso você tenha se identificado com algum destes quadros, procure ajuda imediatamente, pois sua relação com a comida está longe de ser saudável. Cuide da sua mente, das suas emoções e identifique os verdadeiros problemas que te incomodam. A comida deve ser usada para alimentar-se e até mesmo para pequenas doses de prazer, mas nada o que é feito em excesso faz bem.

Escrito por Roberta Lopes da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br