Autoconhecimento

Como identificar e resolver conflitos internos?

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Quando tentamos esconder partes de nós mesmos que não gostamos, ou nas quais nos sentimos culpados e envergonhados, os sentimentos negativos nos assombram a cada dia que passa.

Isso é resultado da nossa veracidade incompleta a respeito de nossos sentimentos, pois não estamos reconhecendo os nossos próprios sentimentos. Depois de um tempo você percebe, então, que nada fica escondido. Nossa própria consciência nos acusa. Este conflito ocorre entre sua alma eterna e seu corpo físico. Seu corpo é estranho à natureza de sua alma. Na verdade você não está acostumado a ele.

Nossa alma quer viver seus verdadeiros desejos. O nosso corpo, por outro lado, tem um conjunto fixo de crenças sobre o que os desejos são, com base na sua percepção de mundo exterior, que o ronda. Como a maioria das crianças, você provavelmente disse “não” centenas de vezes por dia enquanto estava crescendo, e que pode ter alguns grandes impactos em sua psique.

Como resultado deste conflito, muitas vezes, o sentimento de culpa e vergonha nos assombram, sendo naturais ou não. Alguma vez você já passou por isso?

Se sua resposta for sim, então pergunte a si mesmo “Isso está corrompendo minha alma e meu propósito maior?”.

shutterstock_189491516O conflito interno pode ser visto como uma maneira de expansão do nosso Self, da nossa realização e aceitação, e através da observação dos impactos sobre as energias a nossa volta. O conflito, também, pode nos mostrar que há uma parte de nós que não está sendo ouvida por completo, sendo renegada.

Seu subconsciente é como uma criança: se não dada atenção suficiente, vai chamar sua atenção a qualquer custo. Reprimir seus sentimentos e partes de seu Self pode manifestar o desejo de escape do seu próprio corpo, por conta desses sentimentos desconfortáveis.

Estamos sempre onde precisamos estar, o que significa que se você continuar persistindo no erro de não se autoconhecer, você não aprendeu o que deveria aprender nesta vida, e vai voltar para o início da sua jornada, jogando sua evolução fora. A vida é um ciclo. Mas, não tenha pena de suas ações e atitudes. Reconheça o padrão de comportamento que você está levando e mude. Aprenda com os seus erros.

Quando você entender que a ideia de “estar fazendo tudo errado” pode lhe trazer experiência suficiente para uma nova vida e novas atitudes, aí você terá aprendido a lição por completo! Se você causou algo ruim para alguém, tente tomar um cuidado especial daqui para frente. Concentre-se no problema afim de revertê-lo, e busque energias para isso. É hora de mudar e trabalhar ativamente na solução.

Observe os padrões de sua vida cotidiana. Para ajudar neste processo, faça uma lista dos seus comportamentos nas quais você julga errado ou desnecessário.

Você faz e diz coisas que realmente deseja? Você faz coisas e percebe que não está trazendo nenhum benefício para você?

Pergunte a si mesmo:

Por que essa escolha me fazer sentir mal?
Por que eu continuo escolhendo isso, mesmo que me faça mal?
Você fuma cigarros, mesmo sabendo que isso o mata?
Você faz coisas que o prejudica, mas este sentimento toma conta e você faz de qualquer maneira?


Examine onde estão as hastes destes impulsos.

Use seus erros como trampolins e saiba que todos cometem erros. Isso faz parte do crescimento.

Cometa os erros que você tem que cometer. Faça sabendo que pode aprender com eles. Não deixe que os sentimentos negativos o maltratem. Use erros para expandir sua alma e seu aprendizado. E lembre-se: você nunca está sozinho!


  • Texto traduzido e adaptado por Natalia Iannone da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]