Comunicação Não-Violenta

Comunicação Empática

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras
Muitas pessoas podem definir empatia como a habilidade de se colocar no lugar de outra pessoa e entender como ela se sente. Na verdade, empatia não se trata de assumir o local de alguém e imaginar como essa pessoa se sente, porque isso ainda seria impreciso.

Imagine que uma pessoa está com bolhas nos pés depois de usar um sapato novo durante dois meses. Se outra pessoa colocar esse mesmo sapato e usá-lo pelos mesmos dois meses, não necessariamente terá as mesmas bolhas. Se ela sequer usar os sapatos, só imaginar como seria, ela não será capaz de mensurar essa dor.

Sendo assim, a empatia não é se colocar no lugar do outro, mas compreender que existem múltiplas realidades e que todas elas são válidas. Uma comunicação empática deve ser pautada no conceito de que cada pessoa vive um universo próprio, intraduzível e indizível.

Ainda que a premissa da comunicação empática seja simples, a aplicação desse conceito pode esbarrar em algumas questões que sempre nos são ensinadas como regras de comunicação. A ideia de competitividade entre as pessoas, por exemplo, manifesta-se durante a comunicação, quando, por exemplo, um quer falar mais e mais alto que outro.

Alguns dos desafios para a comunicação empática envolvem as diferentes formas de criação de cada pessoa. Pode ser que uma pessoa tenha aprendido que é certo interromper outra para falar alguma coisa ou que a opinião dela sempre será a mais relevante sobre um assunto. No entanto é preciso compreender que cada pessoa tem um papel fundamental no mundo e que todas as vozes devem ser igualmente ouvidas.

Comunicação empática

Essa mesma definição se estende para a questão das desigualdades racial, de classe, de gênero e de sexualidade. Em uma comunicação empática, as pessoas devem compreender que cada uma tem uma dificuldade e uma opressão a serem enfrentadas, então não existe uma competição para entender qual realidade é mais difícil.

Existem alguns métodos para que a comunicação empática prevaleça sobre o preconceito e sobre o que muitos consideram como grosseira (interromper outra pessoa enquanto ela fala, por exemplo). A seguir, é possível aprender a se comunicar colocando em prática a empatia que você nutre por outras pessoas:

1) Compreendendo as diferenças

Comunicação empática

Nenhuma pessoa é igual à outra. Cada uma pode estar enfrentando problemas de vida distintos, pode ter uma crença diferente da sua ou pode ter vivido experiências que você nunca poderia imaginar. Em uma comunicação empática, antes de julgá-la por uma atitude ou por uma frase que soa inadequada, lembre-se de que essa pessoa, assim como você, também está aprendendo. Ser diferente de você é o que torna você e essa outra pessoa seres únicos.

2) Aprendendo a ouvir

Comunicação empática

Durante uma conversa, é comum que uma pessoa fale algo que nos lembra outra coisa ou que ela fale algo com o qual não concordamos. Em vez de interrompê-la ou de se recusar a ouvir o que ela tem a dizer, exercite a sua comunicação empática. Faça o esforço de permanecer em silêncio e compreender que ela está compartilhando a própria individualidade com você. Ouça o que outras pessoas podem te dizer e aprenda com elas sobre as mais diferentes realidades.

3) Prestando atenção

Comunicação empática

Em uma comunicação empática, é essencial que você exercite a faculdade da atenção. Não basta estar em silêncio ouvindo o que uma pessoa tem a dizer. É preciso ouvir atentamente e demonstrar que você está presente na conversa, mesmo que esteja em silêncio. Há uma linha tênue entre prestar atenção na conversa e querer monopolizá-la. Para uma pessoa saber que você a está ouvindo, você não precisa fazer perguntas sobre cada frase que ela diz.

Você também pode gostar:

4) Compartilhando experiências e informações

Comunicação empática

Uma comunicação empática não depende somente do exercício de escuta, mas também da forma como você comunica as suas ideias e as suas experiências. Ao compartilhar uma notícia, um texto ou uma foto que traz uma mensagem específica, atente-se para o seu texto. Será que ele ofende uma pessoa que não teve as mesmas oportunidades que você teve ao longo da vida? Será que alguma pessoa vai se sentir mal ao ler isso? Lembre de compartilhar com o mundo mensagens que informam, que motivam ou que alertam. Não compartilhe conteúdo que pode prejudicar física ou mentalmente outras pessoas.

5) Entendendo a possibilidade de discordar

Comunicação empática

Quando discordamos de uma pessoa que tem uma opinião muito diferente da nossa, podemos nos exaltar na hora de apresentar a forma como pensamos. Em uma comunicação empática, no entanto, é a possibilidade de discordar sem represálias que nutre uma conversa. Quanto mais pontos de vista existirem em uma conversa, melhor e mais abrangente ela será. Abra-se para a diferença e aprenda com ela!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]