Autoconhecimento

Continuando a conhecer a biografia humana

Bruna Rei Freitas
Escrito por Bruna Rei Freitas

Como havia prometido no último artigo, agora falaremos dos outros setênios considerados pela Biografia Humana.

Após o desenvolvimento da razão e da índole ocorre o desenvolvimento do período da consciência.
35 – 42 anos

Tudo o que foi construído para si, vibra interiormente trazendo sentido daquilo que se tornou. A certeza interior de concretização e realização cresce neste setênio.

42 – 49 anos

Após a realização e as concretizações do setênio anterior, é nesta fase que ocorre o desafio de sair do concreto (do que foi realizado) e do material para desenvolver a  “Alma Imaginativa”, ou seja, desenvolver uma percepção mais sutil de si mesmo, que auxiliará no desenvolvimento espiritual das fases que estão por vir.

A utilização de fábulas para representar arquetipicamente as vivencias desta fase será uma grande ferramenta neste processo criativo.

49 – 56 anos

É neste setênio que se inicia a profunda inspiração.
Aprender a ouvir o questionamento do próximo e ter a capacidade de inspirá–lo para auxiliar no processo da resposta, será muito importante. Conduzir o outro a encontrar o próprio processo de crescimento através da inspiração e não da indução permite que o mesmo se desenvolva através de seu próprio processo curativo sem interferência.

A partir dos 56 anos

Nesta fase o indivíduo já percebe o futuro e poderá agir no presente para que as ações tomadas no presente atuem no futuro que ele almeja. É através da capacidade intuitiva que daqui para frente as ações se comandam, permitindo em seu auge o encontro consigo mesmo.

shutterstock_126318380 (1)

Esta fase pode ser comparada a um eremita, onde acontecem as vivências espirituais para o aprimoramento individual, físico, mental e emocional. O mergulho em si mesmo em busca dessas vivencias afloram a própria criatividade.

No aspecto do autodesenvolvimento, é uma boa hora para aprender a ter paciência consigo mesmo e com os outros. Nesta fase se inicia a reflexão acerca da morte. O aprendizado da abnegação será muito importante, para que o entendimento do que levamos desta vida será apenas o que cultivamos em nós e o que conseguimos plantar no próximo e não bens materiais antes importantes nos setênios anteriores.

Existem inúmeros trabalhos que permeiam o estudo do Biográfico Humano, este artigo apresentou apenas uma semente para o processo do desenvolvimento, mostrando que todos nós a temos e que podemos ser tudo aquilo que queremos se tivermos a oportunidade de acessar informações para desenvolver todo nosso potencial.

Sobre o autor

Bruna Rei Freitas

Bruna Rei Freitas

Com uma vasta experiência na área da saúde, é formada desde 2009 pela Universidade Anhembi Morumbi em Naturologia e graduação modulada em Fitoterapia. Possui pós graduação em Medicina Ayurvédica pelo Instituto Naradeva Shala, curso de extensão universitária em Avaliação e Tratamento Interdisciplinar em Dor pela USP, além de cursos de extensão universitária em Iridologia, Terapia Floral e Antroposofia.

E-mail: [email protected]
Telefone: 11 98307-0834
Site: www.espaconaturezahumana.com.br