Convivendo

Coronavírus: Entenda por que a doença é tão perigosa

Grupo de pessoas com roupa de proteção e máscaras, enquanto a pessoa mais a frente segura um tablet com a imagem de um vírus com um ponto de interrogação no centro, e a palavra "corona" no topo da tela.
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

O coronavírus é uma família de diversos vírus que foi identificada inicialmente na década de 1960. No decorrer da vida humana, a maioria das pessoas se infecta em algum momento com os coronavírus comuns – eles são causas comuns das infecções respiratórias pouco intensas e também das moderadas, que têm curta duração, como gripes e resfriados. Mas, ao mesmo tempo, existem alguns vírus dessa família que causam doenças mais preocupantes, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave, conhecida também como SARS, que foi identificada na China em 2002, infectando inúmeras pessoas nos anos de 2003 e 2004. Aproximadamente 10% dos infectados pela doença SARS vieram a óbito.

Comprimidos dourados escrevem "COVID-19" enquanto seringas e cartelas de comprimidos dourados estão espalhados na parte de baixo da imagem.
Pixabay/Miguel Á. Padriñán

Dez anos depois desse ocorrido, em 2012, uma nova variante do coronavírus foi registrada na Arábia Saudita: a Síndrome Respiratória do Oriente Médio, conhecida também como MERS. O paciente infectado por MERS, além de apresentar problemas respiratórios considerados comuns, também desenvolveu complicações renais e pneumonia. Seis anos depois desse registro, em 2018, 2.144 casos de MERS foram registrados em 27 países, com cerca de 750 mortes ligadas à doença.

O surgimento de um novo coronavírus na China

No dia 31 de dezembro de 2019, houve um alerta na Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre diversos casos de pneumonia, principalmente na cidade de Wuhan, que fica na província de Hubei, na China. Inicialmente, foi informado que as pneumonias não tinham como causa algum vírus conhecido, o que gerou grande preocupação, pois, a partir do momento em que uma doença é causada por um vírus desconhecido, não se sabe de forma clara como ele afetará as pessoas.

No dia 7 de janeiro de 2020, exatamente uma semana depois, algumas autoridades chinesas confirmaram e notificaram que o vírus desconhecido foi identificado como um dos vírus da família coronavírus; o vírus foi nomeado inicialmente apenas como nCoV e, posteriormente, como SARS-CoV-2. Segundo um boletim publicado pela OMS no dia 26 de janeiro de 2020, foram relatados 2.014 casos até aquela data, com 56 óbitos. Mas de um dia para o outro foram confirmados 694 novos casos e, dessa forma, concluiu-se que o vírus se espalhava de forma incrivelmente rápida. Até a primeira semana de março de 2020, foram confirmados mais de 110 mil casos de coronavírus no mundo todo.

Você também pode gostar

Características gerais da família coronavírus

Os coronavírus podem ser transmitidos tanto de animais para pessoas quanto de pessoas para pessoas. Algumas investigações comprovam que o SARS foi transmitido de gatos para seres humanos, enquanto o MERS, de camelos para humanos. Saiba que existem muitos coronavírus ainda desconhecidos que circulam nos animais e que ainda não infectaram os seres humanos.

Como já dito anteriormente, grande parte da população se infecta com os coronavírus ao longo de suas vidas. Os vírus mais comuns que infectam os seres humanos, principalmente as crianças, que têm maior propensão às infecções, são o 229E, o NL63, o alpha coronavírus e os beta coronavírus OC43 e HKU1.

Os sinais dessas infecções são geralmente febre, falta de ar, tosse e problemas respiratórios. Nos casos mais preocupantes e graves, que são causados por coronavírus específicos, a infecção pode provocar pneumonias graves, a síndrome respiratória aguda grave, problemas renais e até a morte.

Imagem microscópica em 3D do novo coronavírus: uma bola vermelha, com pequenos espinhos saindo por todos os lados.
123rf/Petro Kuprynenko

Como impedir a propagação do vírus?

  • Lave bem as mãos regularmente;
  • Ao espirrar ou tossir, cubra a sua boca e nariz;
  • Cozinhe bem ovos e carnes. Evite o “malpassado”;
  • Mantenha distância de pessoas que apresentem sintomas de doenças respiratórias;
  • Evite multidões se estiver doente;
  • Crie o hábito de passar álcool em gel nas mãos;
  • Evite o contato dos dedos com o nariz, os olhos e a boca;
  • Mantenha os ambientes bem ventilados;
  • Não compartilhe objetos pessoais.

Como diferenciar o novo coronavírus de uma simples gripe?

Os principais sintomas de SARS-Cov2 são: tosse, dificuldade para respirar e febre. Alguns pacientes também apresentam dor de garganta e coriza. Mas é claro que uma pessoa que está gripada pode apresentar exatamente os mesmos sintomas, o que torna o diagnóstico causado pelo novo coronavírus praticamente impossível se for baseado apenas nos sintomas.

Por enquanto, o que ajuda a descobrir se a infecção do paciente foi causada ou não por um coronavírus é saber se essa pessoa esteve em regiões onde a transmissão da doença é intensa no máximo 14 dias antes dos seus sintomas ficarem evidentes. Além disso, é válido saber se esse indivíduo teve algum contato com algum caso confirmado ou suspeito da doença.

Como ocorre a transmissão?

A transmissão desse vírus pode ocorrer a partir de:

  • Tosse ou espirro;
  • Contatos pessoais próximos, como aperto de mão ou qualquer tipo de toque;
  • Contato com superfícies ou objetos contaminados, seguido de contato com nariz, olhos ou boca.

Como o Brasil está se preparando diante dessa possível epidemia?

A OMS declarou, no dia 30 de janeiro de 2020, emergência de saúde global. No Brasil, o Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública (COE) elaborou um plano de política econômica de intervenção governamental composto por três grandes níveis de alerta, que foram baseados na avaliação do impacto que o vírus tem no país. No dia 3 de fevereiro, foi declarado o nível máximo da Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional. O primeiro caso do novo coronavírus foi confirmado no país no dia 26 de fevereiro, em um homem de 61 anos que fez uma viagem para a Itália.

Homem e mulher separados por divisória plástica transparente. A mulher está a frente, olhando para o lado, enquanto o homem está atrás do plástico, usando uma máscara de proteção e segurando uma placa escrito "coronavírus"
Pexels/cottonbro

O sequenciamento recorde feito por mulheres brasileiras

O novo coronavírus foi sequenciado por duas cientistas mulheres em tempo recorde: em apenas 48 horas, enquanto nos outros países a média de tempo de sequenciamento é de 15 dias. Ester Sabino e Jaqueline Goes de Jesus coordenaram uma equipe composta por cinco mulheres que sequenciou o vírus após dois dias do diagnóstico confirmado de um paciente de São Paulo.

Essa conquista não é somente um grande marco do empoderamento feminino no ramo da ciência, mas também uma enorme contribuição para o mundo inteiro. Desde que o novo coronavírus foi conhecido, no dia 31 de dezembro de 2019, nem todos os países fizeram o sequenciamento das amostras do vírus, o que acaba por dificultar o acompanhamento de todo o problema.

A partir dessa descoberta em tempo recorde, é possível descobrir de forma mais rápida as informações hereditárias do vírus que ficam codificadas no seu DNA, o que torna mais fácil o registro de mutações, pontos fortes e fracos do coronavírus.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]