Saúde Integral

Vacinação: tema (que não deveria ser) polêmico

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

A história da humanidade é repleta de doenças que dizimaram grande parte das populações. Quando há uma enfermidade que se espalha em grandes proporções, médicos e cientistas precisam agir rapidamente para, primeiramente, evitar o contágio e eliminar a epidemia. A principal forma conhecida nos tempos modernos para se eliminar uma doença é preveni-la, ou seja, agir antes que ela traga os sintomas e contamine as pessoas. E a vacinação tem um papel fundamental nesse sentido.

Embora a função da vacina seja bastante clara, nem todos entendem a lógica de aplicar uma pequena dose da doença na pessoa para que o sistema imunológico conheça a enfermidade e tenha maiores chances de superá-la quando o indivíduo sofrer o contágio. Com uma mescla de desinformação da sociedade e truculência do governo, a conhecida Revolta da Vacina em 1904 foi causada justamente porque a população não entendia ainda o processo de imunização e não quis receber a vacina.

Doctor pediatrician injecting vaccine to cute african girl

Pensar que os questionamentos à vacinação estão restritos no passado é um grande engano. Nos tempos atuais, ativistas protestam contra essa maneira de imunização, inclusive grandes e conhecidos nomes da mídia internacional, como o ator e comediante canadense Jim Carrey, famoso por filmes como Débi e Lóide, O Máscara, O Mentiroso e etc.

Além de disponibilizar as vacinas na rede pública, é muito importante que o governo se atenha também a parte da comunicação e transparência do processo de imunização. Quando há um desconhecimento da população, um processo simples e com fins de preservar a vida humana gera questionamentos não esclarecidos e, portanto, prejudicando toda a sociedade. Se um grande número de pessoas não são vacinadas, o risco de epidemia vai continuar.

Quando as campanhas de vacinação são lançadas, a participação de chefes do Executivo eleitos democraticamente é muito importante para divulgar a imunização e, principalmente, trazer mais credibilidade ao processo.

Outro ponto importante para que um maior número de pessoas sejam imunizadas é fazer com que as vacinas estejam disponíveis em todas as unidades de saúde. Se o indivíduo não encontra a vacina próxima de sua residência, a chance de se dirigir a outro hospital distante é pequena. Tudo o que é visto como prevenção é tradicionalmente desvalorizado pelo brasileiro, portanto, todas as facilidades devem ser disponibilizadas, sem falar que a divulgação e popularização da medicina preventiva precisa ser mais bem trabalhada pelos governos.


Escrito por Diego Rennan da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]