Nutrição

Creatina: além dos benefícios esportivos

Carla Trevisan
Escrito por Carla Trevisan
A creatina é um suplemento esportivo bem conhecido para o sistema musculoesquelético, gerando o aumento da reserva energética no músculo.

Ela é um nutriente com uma considerável lista de benefícios para a saúde em geral. Naturalmente produzida pelo organismo a partir dos aminoácidos L-arginina, glicina e L-metionina (primariamente, nos rins e fígado), a creatina é metabolizada em fosfocreatina (PCr), sendo utilizada pelo cérebro, coração e músculos esqueléticos.

Pesquisadores em Nebraska (EUA) conduziram uma revisão da literatura sobre os benefícios da suplementação de creatina no controle de doenças e ação neuroprotetora e imunomoduladora.

Os resultados foram publicados em International Immunopharmacology. Citaram diversos estudos que usaram modelo animal e observaram que a suplementação oral de creatina promoveu efeitos neuroprotetivos em várias condições neurológicas, incluindo lesões cerebrais traumáticas, doenças de Huntington e Parkinson. Dentre outras condições neurológicas analisadas extensivamente, o estudo de revisão analisou as propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes da creatina, bem como os seus possíveis benefícios para o sistema imune.

A creatina tem um preço bem mais acessível em comparação com a maioria dos agentes neuroprotetores e imunomoduladores. A maioria dos estudos foram realizados em roedores, com efeitos muito positivos para controle e melhora de doenças neurológicas, mas ainda faltam estudos em humanos que avaliem a ação da creatina.

Destaques do estudo de revisão:

A creatina aumenta a hiperresponsividade das vias aéreas em camundongos;

A produção de mediadores solúveis, tais como: IL-4, IL-5 e IL-6 (marcadores inflamatórios), é alterada pela suplementação de creatina.

Estudo de revisão: Riesberga LA, et al. Beyond muscles: The untapped potential of creatine. International Immunopharmacology, 2016. Doi:10.1016/j.intimp.2015.12.034


Você também pode gostar de outros artigos da autora. Acesse: Como deixar de usar medicamentos para hipertensão?

Sobre o autor

Carla Trevisan

Carla Trevisan

Nutricionista formada em 2010 pela Universidade de Ribeirao Preto (UNAERP)
Pós graduada em Nutrição clinica e Fundamentos Metabólicos pela Gama Filho
Pós graduada em Fitoterapia Funcional pela VP
Pós graduada em Nutrição clinica Funcional pela VP

A nutrição funcional consegue tratar diversas patologias ajustando as deficiências de vitaminas e minerais, otimizando os processos metabólicos e tendo assim melhores resultados.

A fitoterapia me dá suporte para minhas prescrições sendo uma ferramenta importante nos diversos tratamentos.

Condições que podemos tratar:

- Obesidade
- Gastrite/refluxo
- Síndrome do intestino irritável
- Câncer
- Depressão/ansiedade
- Colesterol alto
- Hipotireoidismo
- Menopausa
- TPM
- Enxaqueca
- Prisão de ventre
- Gestante, nutriz
- Artrite/artrose
- Diabetes
- Alzheimer
- Ganho de massa muscular
- Osteopenia/osteoporose
- Intoxicações por metais pesados
- Alergia alimentar
- Rinite/sinusite
- Celulite, edema, queda de cabelo
- Acne, foliculite
- Hipertensão
- Distúrbios alimentares (anorexia, bulimia, compulsão alimentar)
- Introdução alimentar no bebê
- Insônia
- Anemia
- Infertilidade
- Fadiga crônica
- Psoríase
- Aumento de imunidade
- Fibromialgia