Autoconhecimento

Dependência emocional: como dizer sim à liberdade?

conflict and emotional stress in young people couple relationship outdoors
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Uma relação deve ser sempre repleta de amor, carinho, amizade e, acima de tudo, respeito. Afinal, o relacionamento existe porque o amor e todo o companheirismo que foi construído entre duas pessoas as fazem ter vontade de ficarem juntas e, por isso, ficam. Mas, a liberdade também é primordial para que cada um continue sendo quem sempre foi.

Uma relação amorosa não pode ser uma prisão, onde medo e angústia são sentimentos comuns – aliás, eles nem ao menos devem existir. O medo de agir de forma que o companheiro (ou a companheira) não goste faz com que a pessoa se transforme em alguém que ela não é.

Ela passa a ser dependente da relação. Com o tempo, isso se torna destrutivo. Porque você deixa de fazer o que quer e de ser quem é e se torna marionete da outra pessoa. É como se você sentisse que precisa daquele amor e daquela relação para ser feliz e, por causa dessa dependência, é capaz até de se esquecer de si mesmo.

Porém, o verdadeiro amor nos faz evoluir e crescer, de acordo com o que nós queremos verdadeiramente.

Lembre-se que, em um relacionamento, sua autoestima deve estar sempre alta, você deve estar feliz, seguro de si, com vontade de superar seus limites e conquistar sonhos.

Estar com alguém que te faça sentir que ser você não é suficiente e que te coloca para baixo não é saudável. Você deve se lembrar (e seu parceiro também precisa te lembrar) que é uma pessoa ótima, capaz de conquistar tudo e ser quem quiser.

Estar com alguém que te faça esquecer de si próprio, que tenha ciúmes exagerado e que tente controlar cada passo que você dá é horrível e, inclusive, perigoso. Um relacionamento amoroso não significa que um é dono do outro. Cada um é dono de si próprio, a diferença é que existe alguém para partilhar (e não decidir quais serão) os momentos bons e ruins da vida.

Você não precisa agradar o outro em todos os momentos. Aliás, isso é impossível! Assim como ele fará coisas que você não vai gostar, mas que são importantes para ele e você precisa respeitar, ele precisa fazer o mesmo por você. Não por obrigação, mas sim porque um relacionamento é sempre uma troca.

Troca de experiências, de diálogo, de aceitação e, inclusive, de certos “sacrifícios”, vindos de forma igual dos dois lados. Lembre-se que o equilíbrio deve ser base de qualquer relacionamento – seja ele amoroso, familiar, de amizade, ou o que for.  

O equilíbrio deve ser lembrado, inclusive, nos momentos sociais.

Em uma relação, um não é dono do outro. A necessidade exagerada de afeto, assim como o aprisionamento social (ou seja, você precisa estar junto quando ele for sair ou vice-versa) faz com que a pessoa sinta que sua privacidade foi invadida e, com isso, sente que está sufocada.

Entretanto, a dependência emocional faz com que aceite esse comportamento. Mesmo sufocada, você acha que precisa da outra pessoa para ser feliz. E justamente o medo de perder seu parceiro faz com que aceite qualquer atitude.

Se existe medo de ser abandonado, então o amor está enfraquecido. Tenha segurança de si, do amor que vocês sentem um pelo outro, e seja feliz da forma que você é. Lembre-se: se existe amor, existe respeito e compreensão. Você pode (e deve) dizer o que pensa e o que quer.

Muitas vezes, o comportamento dominador do seu parceiro está sendo estimulado por você. Atenção: isso não significa que a culpa é sua. Significa que, ao ficar calada, você permite que ele continue. Deixe claro o que está acontecendo.  

Existem alguns sinais que mostram que a relação está abusiva por algum dos lados. São eles: ciúme excessivo, sentimento de posse, tentar controlar as atitudes do outro, os lugares que ele frequenta e a forma como ele se porta, tentar ser superior ao outro na relação, desrespeito e agressões (física, verbal ou psicológica).

Se existe um ou mais de um dos fatores descritos acima em sua relação, você está vivendo um relacionamento abusivo. E se aceita esse tipo de comportamento, está se tornando ou já é dependente emocional do seu parceiro ou parceira.  

Assim como existem fatores para identificar a dependência, existem outros para ser menos dependente. O primeiro é ter consciência que você é dependente emocional. Este é o mais importante. Afinal, sair de uma relação de dependência não significa que não entrará em outra, certo? É preciso que seja consciente que isso está em você e que é necessário tratar esse aspecto para superá-lo.

O segundo fator é trabalhar sua autoestima, reconhecer seu valor e realmente acreditar que pode ser feliz sozinho – somente acreditando que é possível ser feliz sozinho você conseguirá ser feliz ao lado de outra pessoa de forma saudável e equilibrada.

Depois, lembre-se que você toma suas próprias decisões. Não tenha medo de dizer isso e de aplicar esse passo em sua vida. Escute e aceite a opinião do seu parceiro. Afinal, é importante conversar e tentar entender os dois lados e o porquê de cada opinião. Mas, lembre-se: você decide por si mesmo.  

E, por último, procure ajuda. Vale a pena conversar com um profissional a respeito e escutar o que ele tem a te dizer. De repente, a sua dependência é um pouco mais severa e precisa de um tratamento personalizado. Acredite, isso apenas te fará bem.


  • Texto escrito por Giovanna Frugis da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]