Convivendo Sustentabilidade

Dia Nacional da Economia Solidária

Money growing conceptBusiness success concept Tree growing on pile of coins money
Tereza Gurgel
Escrito por Tereza Gurgel
No dia 15 de dezembro, comemora-se o Dia Nacional da Economia Solidária. Em 2003, foi criado o Fórum Brasileiro de Economia Solidária. A data tem o objetivo de incentivar a defesa do trabalho associado e voluntário, a partir do desenvolvimento sustentável e do respeito à vida, com justiça social.

De acordo com a Wikipédia, “a economia solidária é uma alternativa inovadora na geração de trabalho e na inclusão social, na forma de uma corrente do bem que integra quem produz, quem vende, quem troca e quem compra. Seus princípios são autogestão, democracia, solidariedade, cooperação, respeito à natureza, comércio justo e consumo solidário.”

Podemos entender a economia solidária como uma forma inovadora de produzir, trocar, e comprar tudo o que é necessário vender. Isto é, uma nova maneira de se comercializar produtos e até serviços, de um modo totalmente inovador e cooperativista. O lucro deixa de ser a principal e única meta de qualquer transação comercial – não que o lucro deixe de existir. Aqui, o que passa a ser valorizado é o próprio crescimento e fortalecimento do grupo que produz, sem que a Natureza seja prejudicada. As técnicas de produção garantem o bem-estar dos trabalhadores e a preservação do meio ambiente. Além disso, as organizações são autogestionárias, ou seja, são administradas pelos trabalhadores e empregados participantes, em regime de democracia direta – não há a figura do patrão.

Dia Nacional da Economia Solidária

Isso é o oposto do que ocorre no sistema capitalista, que tem como fundamento a economia de mercado competitiva: pessoas, empresas, produtos, marcas e serviços disputam ferozmente entre si pela primazia no mercado consumidor. Vence aquele que dispõe de mais recursos ou ferramentas disponíveis. Vale dizer, porém, que o consumidor – aquele que tem o poder de compra – pode, teoricamente, ter mais opções para escolher, pois os produtores se esforçam por apresentar seus produtos de maneira sedutora. Mas o bem-estar dos consumidores só interessa na medida em que gera mais lucro. E os produtores que não conseguem se impor no mercado ficam à margem deste – muitas vezes perdem todo crédito para recomeçar.

Na economia solidária, a inclusão social é promovida. A força de trabalho e os recursos naturais passam a ser utilizados em harmonia com o crescimento econômico. Isso promove o desenvolvimento sustentável: a Natureza passa a contar com proteção contra a exploração sem limites. Tudo que dela for retirado terá que ser reposto – ou explorado inteligentemente para não se esgotarem os recursos. Como utiliza e preserva os recursos regionais, cada local pode desenvolver uma atividade mais próxima à sua realidade.

“Podemos entender a economia solidária como uma forma inovadora de produzir, trocar, e comprar tudo o que é necessário vender”

Dia Nacional da Economia Solidária

Você também pode gostar:

A produção ocorre por meio de organizações coletivas: cooperativas, associações, grupos de produção e clubes de troca – não há lugar para as grandes empresas e corporações competitivas. As atividades das organizações coletivas são permanentes e nelas têm sua razão de existir. Quem exerce a gestão das atividades são os próprios trabalhadores (urbanos ou rurais), de maneira coletiva. Os resultados também são divididos entre todos. A população mais desfavorecida e carente pode, por meio da economia solidária, sair da desigualdade e do anonimato social em que vivem e existirem como comunidades geradoras de renda, aprendizado e desenvolvimento.

As atividades podem ser de produção de bens, prestação de serviços, finanças solidárias (como os bancos comunitários), educação, agricultura, turismo, trocas, transportes, comércio, artesanato, reciclagem e consumo solidário etc.

Esta data foi escolhida como uma homenagem ao grande ambientalista brasileiro Chico Mendes, assassinado em 1988 por sua luta em defesa dos povos da Amazônia. Seu nome é reconhecido internacionalmente. Seu principal legado são as reservas extrativistas, conciliando a proteção do meio ambiente à justiça social.

Referências
– Fórum Brasileiro de Economia Solidária – https://cirandas.net/fbes/o-que-e-economia-solidaria
– Economia solidária promove inclusão social – http://www.brasil.gov.br/cidadania-e-justica/2009/11/economia-solidaria-promove-inclusao-social
– O que é economia solidária – http://www.revolucaointerior.com.br/sociedade/o-que-e-economia-solidaria/
– Dia nacional da Economia Solidária – https://www.calendarr.com/brasil/dia-nacional-da-economia-solidaria/

Sobre o autor

Tereza Gurgel

Tereza Gurgel

Formada em Psicologia (F.F.C.L. São Marcos - SP). Filiada à ABRATH (Associação Brasileira dos Terapeutas Holísticos) sob o número CRTH-BR 0271. Atua na área Holística com Reiki, Terapia de Regressão e Florais de Bach. Mestrado em Reiki Essencial Metafísico e Bioenergético Usui Reiki Ryoho, Shiki, Tibetano e Celtic Reiki. Ministra cursos de Reiki e atende em São Paulo (SP).

E-mail: [email protected]
Telefone: 11 987728173
Site: mtgurgel.wixsite.com/mundoholistico
Skype: tk.gurgel