Convivendo

​Enfim, nós dois!​

“Entre tantos anos
Entre tantos outros
Que sorte a nossa, hein?
Entre tantas paixões…”
(Ainda bem – Vanessa da Mata)

 

É incrível como uma situação, por mínima que seja, pode mudar o rumo de alguma ideia em mente que tínhamos já determinada e estabelecida como sendo de primeira necessidade…

Por que digo isso?

Vamos lá… Esta pequena aqui tinha um assunto a ser tratado e já havia esboçado as minhas primeiras e delirantes elucubrações, mas, porém, contudo e todavia… O acaso, sei lá como chamar essa, digamos, inspiração inesperada, me pegou! E aqui estou eu, para escrever sobre finais felizes… Ou começos felizes… Como quiser… Olha, nem eu mais me entendo! rs.

Eu estava em uma fila aguardando a minha vez em ser chamada, era algo simples, normal e não estava aborrecida, nem nada. Senti a presença de duas pessoas, um homem e uma mulher, chegando ao recinto, no caso uma loja, e muito simpáticos eles comentavam sobre o livro que tinham adquirido fazia pouco tempo, eu cheguei a comentar também que já havia lido o tal livro e discutimos ali mesmo sobre a visão do autor. Até que eles me contaram que estavam acabando de chegar da igreja, onde estavam finalizando os últimos arremates para o “casório”, e aí eu fui à loucura: parei tudo, me posicionei mais à frente deles e já quis saber de tudo, tudinho: quanto tempo estavam juntos, porque a decisão de se casar e toda aquela curiosidade exagerada de alguém que definitivamente é uma observadora e repórter nata da vida real! 

Esse mundo do “eu te amo” com mil curtidas nas redes sociais, a exposição desnecessária da vida em casal e da intimidade, tudo tão gratuito.

Mas para a minha surpresa, esses pontos em nada foram importantes nos minutos preciosos em que conversamos: eles, conectados de uma maneira tão bonita e pura, me falaram da decisão do casamento, não a decisão do “viver junto”, mas a de firmar o compromisso, a de estabelecerem uma união além dos preceitos religiosos, já que eram muito religiosos… Eles me falaram tantas “coisas” bonitas… Eu já estou até pensando em casamento… Quer dizer, já estou imaginando que bênção será este casamento, pois eles encaravam tudo com tanta dignidade e verdade, sabendo dos prós e contras, o medo e o receio, mas ao mesmo tempo a gana de estar lado a lado, que eu só pude agradecer aos dois pela baita força positiva que me deram, o presente que foi aquela conversa, sabe? Os dois ali, felizes, realizados, juntos no mesmo propósito e munidos de amor, tudo tão positivo, harmônico e uma simplicidade ao falar das relações que se levam hoje, quando o que se vê e o que se tem passa a ser mais importante do que aquilo que “se é”.

E aí me veio à mente que a união de um casal não se dá quando eles atravessam um momento difícil, como se fosse uma prova, não é? Não, é além disso: é quando, lá no início, já foi estabelecido que tudo é para valer, que tudo pode acontecer e que tudo passará, porque eles seguirão juntos e sem medo!

A esse casal, aos outros que já se formaram e aos que se formarão: viva!

Você também pode gostar de outros artigos da autora. Acesse: Contigo aprendi que existem novas e melhores emoções

Sobre o autor

Claudia Jana Sinibaldi Bento

Claudia Jana Sinibaldi Bento

Olá, sou a Claudia Jana Sinibaldi Bento, metade brasileira, sendo a outra metade encontrada na Espanha… rs... e aqui compartilho o que aprendi ao longo desta trajetória, seja estudando, traduzindo, escrevendo, lendo ou conversando… ah, melhor ainda: conhecendo pessoas que me acrescentaram o que carrego como sendo meu tesouro mais precioso: conhecimento. São anos aqui e ali, onde me chamam ou aonde eu simplesmente vou, para aprender, ajudar, sentir… e assim sigo esta estrada rumo ao autoconhecimento, evolução e simplicidade! Vem comigo aprender! Ah, também quero aprender com você!

Email: [email protected]