Convivendo

Ensaio sobre amor próprio

Mulher jovem sorridente fazendo selfie foto no parque.
Raisa Covre
Escrito por Raisa Covre



Amor-próprio. Duas palavrinhas fáceis de pronunciar. Muitas vezes, porém, trabalhosas de realmente assimilar. Para alguns mais, para outros menos. Uma aventura humana a ser desbravada, eu diria.
O que eu gostaria de compartilhar é muito mais uma tentativa de compreensão do que uma definição de fato. Confesso que sou nova nisso também. Imagino que seja assim:

Mulher branca, vestindo regata preta, encostada em uma parede bege, se abraçando.

Aquele momento em que você se encontra sozinho, reflexivo e feliz. Alegre com a própria companhia. Satisfeito ao perceber que o contentamento sentido neste segundo é fruto do seu esforço, planejamento e direcionamento, todos milimetricamente desenhados (ou nem sempre) para que fosse possível chegar a este agora. E isso com relação a qualquer coisa.

Nós compartilhamos de algumas realidades enquanto caminhamos por aqui. A profissional, a pessoal, a financeira, a espiritual, a mental… Coerência é quando você consegue ser simplesmente quem é em todas elas. Equilíbrio é quando cada uma delas convive em harmonia. Isso também é amor-próprio. Talvez uma das melhores doses desse líquido misterioso divinal.

Amor-próprio é uma construção. Demanda esforço, percepção e, mais do que isso, intenção. Humildade. É o foco em um propósito, muitas vezes, muito maior do que nós, que nos mostra uma jornada em direção ao que realmente importa.

O amor é tudo. E quando o ser aprende a se banhar com tais águas carinhosas, é capaz de expandir essa energia para tudo e todos. Cada ser ou situações são vistos sob os olhos de quem compreende que as coisas são o que são, tomam o rumo que é preciso tomar, trazem o aprendizado necessário ao nosso respectivo momento. E está dentro de nós a capacidade de abraçar esses fatos com tranquilidade e sabedoria. Basta se permitir (e querer se permitir).

mulher bonita, desfrutando de sua liberdade com os braços abertos no meio de um campo de vegetação.

Pedindo licença poética, vos digo: amai e vigiai. Simplesmente porque em alguns dias sabemos mais e em outros sabemos menos como abraçar e receber esse convidado tão ilustre. Aprender a se permitir talvez seja o primeiro passo. Você já se permitiu hoje?


Você também pode gostar de outros artigos da autora: O autoconhecimento pode mudar uma vida

Sobre o autor

Raisa Covre

Raisa Covre

Jornalista, pós-graduanda em Psicanálise, eterna curiosa sobre as questões da vida, apaixonada pela espiritualidade, filha de Umbanda.

Contato:

E-mail: [email protected]
Facebook: Raisa Covre