Autoconhecimento

A importância de um ombro amigo

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

As desilusões e frustrações da vida são inevitáveis. Serão muitas as vezes em que planos não se concretizarão e problemas atrasarão as coisas boas que prezamos. Da mesma forma que coisas ruins nos atingem, o que há de bom também chega até nós, porém nem sempre a nossa percepção está atenta em proporções iguais para os efeitos positivos e negativos da nossa existência. Apesar das dificuldades serem distintas entre as pessoas, onde algumas são menos graves do que outras, uma coisa é fato para todos nós: ter um ombro amigo nos para consolar nesses momentos é fundamental para nos reerguermos e superar qualquer adversidade.

A questão é que, apesar de termos conosco alguém de confiança no qual tenhamos plena convicção de prezar pelo nosso bem, o problema é que nem todos sabem consolar corretamente, portanto, muitas vezes acabam atrapalhando e levam a pessoa a um estado emocional ainda pior do que estavam, mesmo que as intenções tenham sido as melhores.

O primeiro erro fundamental de quem consola de maneira incorreta é julgar a pessoa a quem se está tentando ajudar. “Você não devia ter feito isso”, “Por que não tentou desse jeito?” e a pior de todas: “Bem que eu te disse”. Pode ter certeza de que a pessoa impactada por uma frustração certamente já está se doendo pelas opções que poderiam ter sido adotadas para evitar a decepção, logo não há necessidade de você escancarar isso a ela, pois só vai causar lesões ainda maiores em quem já está debilitado.

Por mais que nem todos percebam, o ato de consolar está muito mais ligado ao emocional do que ao pensamento racional. Analisar os porquês e as alternativas para um novo caminho é tarefa posterior ao consolo. O ombro amigo é muito mais uma sinalização de que você está presente nesse momento difícil e fará tudo o que for possível para ajudar. Se você não souber o que dizer para consolar alguém, saiba que não é um problema. Muitas vezes, a melhor forma de prestar auxílio a alguém que precisa de apoio é simplesmente ouvir. A pessoa decepcionada tem algo preso dentro dela e que precisa colocar para fora de alguma maneira. Sua presença física e espiritual é mais importante do que suas palavras nesse momento. Caso você tenha algo inspirador a dizer, certamente será bem-vindo, porém não é o fundamental para que uma pessoa querida seja consolada. Afinal, a verdadeira presença ocorre com gestos e ações, não com palavras.


Texto escrito por Diego Rennan da Equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]