Psicologia

Lei na psicologia pode desvendar que quem fala em racismo pode ser racista

Grupo de pessoas ao fundo rindo de homem negro em foco
123RF | Aleksandr Davydov
Fabiano de Abreu
Escrito por Fabiano de Abreu

Jamais se pode generalizar, isso não é uma afirmação definida para todo caso, mas está relacionado a um fato que é cabível de raciocínio.

Já vi relatos de preconceito de branco com negro, negro com branco, negro com negro, branco com branco, assim como de asiáticos e de outras etnias. Baseado nisso, fiz uma observação para chegar a essa conclusão.

Uma das observações é que as pessoas que não demonstram ter preconceito não falam sobre o tema. Cognitivamente não demonstram ter preconceito e esse tema não faz parte do vocabulário, já que quando não se vê diferença não chama a atenção para comentários.

Mulher negra e mulher branca se olhando com expressões sérias
Foto de Anna Shvets no Pexels

Há quem defenda causas por ter sofrido uma injustiça ou por seguir uma onda que o introduz culturalmente nesse objetivo. Mas muitos dos que seguem uma ideologia podem tornar-se fanáticos por ela e acabar por introduzir o preconceito na própria cultura.

Na psicologia, a lei do espelho estabelece que o nosso inconsciente nos faz pensar que o defeito ou desagrado que percebemos nos outros existe somente “lá fora”, não em nós mesmos. A projeção psicológica é um mecanismo de defesa por meio do qual atribuímos a outras pessoas os nossos sentimentos, pensamentos, crenças ou até mesmo ações próprias que são inaceitáveis para nós.

Essa projeção psicológica acontece, pois a nossa mente entende a ameaça física e emocional à integridade mediante a nossa personalidade social, e emite assim um sinal de rejeição para o meio externo, projetando no outro essas características que não a nós mesmos, e assim retirando a ameaça de nós próprios.

Você também pode gostar

O preconceito é algo do passado, na realidade no passado distante havia menos preconceito. Mas enfatizar o tema preconceito é uma forma de ligar o alerta nas mentes perversas, chamando a atenção sobre ele, que passam a ver diferenças onde não existem. Quando falamos em preconceito, falamos de problemas que pessoas têm sobre a diferença, fazendo com que mentes perversas analisem a diferença, externando assim seu lado obscuro, o preconceito.

Sobre o autor

Fabiano de Abreu

Fabiano de Abreu

Fabiano de Abreu Rodrigues é um jornalista, psicanalista, neuropsicanalista, empresário, escritor, filósofo, poeta e especialista em neurociência cognitiva e comportamental, neuroplasticidade, psicopedagogia e psicologia positiva.

Proprietário da agência de comunicação e mídia social MF Press Global, é também um correspondente e colaborador de várias revistas, sites de notícias e jornais de grande repercussão nacional e internacional.

Atualmente detém o prêmio do jornalista que mais criou personagens na história da imprensa brasileira e internacional, reconhecido por grandes nomes do jornalismo em diversos países. Como filósofo, criou um novo conceito que chamou de poemas-filosóficos para escolas do governo de Minas Gerais no Brasil.

Lançou os livros “Viver Pode Não Ser Tão Ruim”, “Como Se Tornar Uma Celebridade”, “7 Pecados Capitais Que a Filosofia Explica” no Brasil, Angola, Paraguai e Portugal. Membro da Mensa, associação de pessoas mais inteligentes do mundo, Fabiano foi constatado com o QI percentil 99, sendo considerado um dos maiores do mundo.

Contatos:

Email: [email protected]
Site: deabreu.pt
Site: pressmf.global/
Facebook: FabianodeAbreuOficial
Instagram: @fabianodeabreuoficial
Twitter: @Filosofofabiano
Youtube: Filósofo e jornalista Fabiano de Abreu
Linkedin: Fabiano de Abreu