Doutrina Espírita

Nosso lar: um laboratório de evolução

Mulher de costas olhando o mar com sol reluzindo
Luiz Guimaraes
Escrito por Luiz Guimaraes

Ao nascermos em determinado lar somos recebidos por aqueles que “escolhemos” e “necessitamos” conviver. No processo reencarnatório nossos anseios são atendidos de acordo com os merecimentos e capacidade de enfrentamento dos desafios que encontraremos.

No Livro dos Espíritos, questão 258, temos:

“Quando na erraticidade, antes de começar nova existência corporal, tem o Espírito consciência e previsão do que lhe sucederá no curso da vida terrena”? R. “Ele próprio escolhe o gênero de provas por que há de passar e nisso consiste o seu livre-arbítrio”. Parafraseando Guimarães Rosa, temos: “Quem elegeu a busca não pode recusar a travessia”.

É naquele ambiente que “renascem” os relacionamentos muitas vezes questionados, por ignorarmos que é ali que precisamos viver, conviver e progredir. A nossa parentela pode ser de pessoas com as quais temos uma grande afinidade pela comunhão de ideias ou desafetos de vidas preterias que servirão de provas.

O Orbe terrestre é uma escola que nos exige a cada dia provas.
São experiências que testam a nossa paciência, indulgência entre outras virtudes que necessitamos para alicerçar as nossas estradas rumo à evolução.

Por outro lado, também é um hospital que nos acolhe para o tratamento das enfermidades da alma que se constituem nas mazelas do corpo físico. Permite-nos Deus por sua Excelsa Benevolência que nos submetamos aos processos reencarnatórios, cuja Magnanimidade oportuniza esses encontros para os devidos ajustes das arestas que criamos entre nós.

Mulher sendo iluminada pelo sol com plantas e flores ao fundo olhando para cima

Destarte, jamais deveremos admitir a existência de um Deus vingativo que castiga e pune

Todos nós passamos por essa transformação a cada reencarnação, para galgarmos os degraus da ascensão espiritual de acordo como os nossos esforços.

As oportunidades são infinitas e indistintas não havendo privilégios, visto que a Justiça Divina é soberana e inquestionável. Contudo tenhamos em mente que não existe destino. Qualquer um de nós poderá mudar o rumo da vida, desde que tenhamos perseverança na busca do caminho do bem. Vale ressaltar que é no pensamento o nascedouro das nossas atitudes!

Menina de costas sentada em ponte de madeira com lago e pôr-do-sol de fundo

Esse é o dever de casa que precisamos realizar. O progresso será tão mais rápido quanto maior seja o esforço que façamos para nos livrarmos do egoísmo e do orgulho, redutos de tantas outras imperfeições que nos assolam.

É uma luta árdua, contínua e podemos afirmar que essa é a maior batalha que o ser humano trava em suas existências. São conflitos interiores sem adversários externos. Entretanto, se ouvirmos a voz silenciosa de nossas consciências, certamente seremos exitosos nessa peleja diária ao encontro da redenção. (Pense no bem, pratique o bem, que a vida vai bem)


Você pode se interessar por outros artigos do mesmo autor. Acesse: A doutrina consoladora

Sobre o autor

Luiz Guimaraes

Luiz Guimaraes

Sou médico diplomado no ano de 1972, pela Faculdade de Ciências Médicas de Pernambuco. Já era funcionário do Banco do Brasil e em 1977 assumi o cargo de médico no serviço da Instituição. Em 1988, assumi a chefia daquele serviço e em 1996 aposentei-me. Escrevo para o Jornal do Commercio e Diário de Pernambuco (ambos em Recife) sobre a Doutrina Espírita e também sobre nossa conjuntura política. Sou membro efetivo da Academia Pernambucana de Música desde 1998.

Contato:

Telefones: (81) 9 9973 6363 | (81) 9 9290 7030

E-mails: [email protected] | [email protected] | [email protected] | [email protected]