Autoconhecimento

O que determina a nossa personalidade? Genética ou ambiente?

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Algumas questões são tão antigas quanto a existência do ser humano. Uma delas é a que determina a nossa personalidade. Filósofos, psiquiatras e pesquisadores de outras áreas tentam explicar o que define as características que formam o comportamento e os traços psicológicos de uma pessoa. Cada período da história trouxe teorias diferentes e hoje a ciência chegou a dois pontos principais que moldariam a personalidade: as questões internas (genética) e as questões externas (ambiente).

Nos séculos XVII e XVIII, dois filósofos levantaram a questão da influência do ambiente na construção da personalidade. John Locke defendia a ideia de que a mente nascia como uma folha em branco, e ia sendo moldada durante as circunstâncias da vida da pessoa. Jean Jacques Rousseau idealizou que o ser humano nascia puro, mas era corrompido pela sociedade.

Já no século XIX, o antropólogo Francis Galton defendeu a teoria de que a personalidade podia ser transmitida hereditariamente e, um século depois, essa teoria ganhou novos adeptos após a descoberta da estrutura do DNA. Desde então diversos estudos têm se aprofundado em como os genes e a hereditariedade influenciam nos traços psicológicos humanos.

O que muitos pesquisadores concordam, hoje, é que tanto a genética quanto o ambiente tem a sua parcela de influência na construção da personalidade da pessoa. Novos estudos surgem todos os anos para compreender cada vez mais essa dinâmica.

Em relação as nossas vidas práticas, como podemos usar essas teorias a nosso favor?

Se ambas podem estar certas, podemos utilizar esse conhecimento de forma a ajudar o nosso desenvolvimento pessoal. Quanto à genética, procure observar traços de comportamento comuns em sua família. Analise o que você pode ter herdado e como você pode lidar com essas características e como melhorá-las. Sempre tenha como objetivo a evolução. Quanto ao ambiente, você pode ter muito mais liberdade de procurar novos estímulos que o afetem positivamente e possam ajudá-lo a evoluir. Crie o hábito de ir a lugares novos e interaja com ambientes e pessoas diferentes e observe como isso afeta a sua forma de agir diante do mundo.

A reflexão final que deixo para você, não importa se a personalidade tiver uma carga maior de influência genética ou ambiental, pois você pode assumir uma postura na vida de que é possível melhorar as suas características psicológicas e comportamentais. Enquanto a ciência ainda não chega a uma conclusão sobre o assunto, saiba que a sua personalidade é única, e você pode e deve usar isso a seu favor, sempre buscando evoluir.


  • Texto escrito por Ricardo Sturk da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]