Convivendo Saúde Integral

O que é gordofobia, como lidar ao ser vítima dela e como apoiar o movimento body positive

Nos últimos anos, o Big Brother Brasil se tornou um programa que fomenta debates sobre assuntos sociais. Eles são comentados por alguns dos participantes e, em seguida, o público tem a oportunidade de pensar mais acerca de determinado tema. E foi isso que aconteceu no BBB 22, depois que Tiago Abravanel, ator e apresentador, falou sobre gordofobia.

Embora esse tipo de preconceito já seja debatido por muitos influenciadores, como Alexandra Gurgel, Thaís Carla e Caio Revela, nem sempre a gordofobia é comentada em programas televisivos de grande audiência, que atingem um público mais amplo. Se você ouviu falar nisso pela primeira vez com o BBB, o conteúdo que preparamos vai te ajudar a entender cada detalhe sobre o tema. Confira!

O que é gordofobia?

Gordofobia é o preconceito com pessoas gordas. Quando uma pessoa tem um corpo que não se encaixa no padrão da magreza, ela tem mais dificuldade para comprar roupas, para ocupar lugares públicos (como poltronas de avião), para se envolver romanticamente com alguém e até para conseguir um emprego, além de sofrer várias outras agressões, ouvindo xingamentos.

No Brasil, o termo “gordofobia” começou a ser utilizado com mais intensidade a partir de 2009, quando a personagem de uma novela global precisava emagrecer para ter a primeira relação íntima com o homem de quem gostava. Mais de 10 anos depois, porém, a sociedade ainda está longe de ter vencido essa forma de preconceito.

Até os dias de hoje, muitas pessoas tentam justificar a gordofobia alegando que estão preocupadas com a saúde de quem estaria acima do suposto peso ideal. No entanto a verdade é que esse tipo de discriminação está mais relacionada com a ideia de que uma pessoa só é bonita, competente e saudável se for magra, o que não é verdade.

Apenas profissionais da saúde podem avaliar a saúde física e mental de um indivíduo, a partir de exames elaborados. Então guarde os seus pensamentos sobre o corpo de outra pessoa para si, porque provavelmente eles não são uma “crítica construtiva” e não trarão qualquer efeito positivo para quem está ouvindo.

Gordofobia é crime

Considerando que a gordofobia é um tipo de preconceito que exclui indivíduos da sociedade e que compromete a saúde mental deles, é compreensível que muitos acreditem que essa forma de discriminação é crime. Porém ainda não existe uma lei específica para o crime de gordofobia.

Apesar disso, a prática pode ser enquadrada no crime de injúria e danos morais, como aconteceu com o humorista Leonardo Lins, que ofendeu a bailarina Thaís Carla por causa do peso corporal dela e foi punido por isso. Portanto, se você for vítima de gordofobia, procure orientação jurídica. A pessoa que te ofendeu por causa do seu peso deve responder judicialmente por essa ação.

Você também pode gostar:

Influenciadores que lutam contra a gordofobia

Na internet, existem vários influenciadores que lutam contra a gordofobia, mostrando que uma pessoa gorda também pode ser saudável e que devemos amar os nossos corpos, independentemente do peso que temos.

Esse processo de aceitar o próprio corpo, combatendo a pressão estética, é chamado de “body positive”. A tradução literal do termo para o português seria “corpo positivo”, e ele surgiu em 1970, com o movimento feminista. A ideia da expressão é garantir que as pessoas que têm um corpo fora do padrão sejam capazes de ver si mesmas de forma positiva.

Nesse sentido, é importante conhecer influenciadores e influenciadoras que inspiram cada indivíduo a reconhecer a beleza e a importância dos próprios corpos. Veja quem são alguns deles:

  1. Agnes Arruda — @tamanhoggrande
  2. Caio Revela — @caiorevela
  3. Andréa Gouveia — @gordeia_
  4. Bielo Pereira — @hellobielo
  5. Carol Zacarias — @carolzacaa
  6. Dani Lima — @lima.dani
  7. Elaine Quinderé — @elainequindere
  8. Ellen Valias — @atleta_de_peso
  9. Flávia Durante — @flaviadurante
  10. Gabi Menezes — @gabimenezes

Sou uma pessoa gordofóbica?

Depois de aprender o que é gordofobia, é possível que você esteja refletindo sobre as vezes em que você pode ter disseminado esse tipo de preconceito. No entanto você pode deixar de ser uma pessoa gordofóbica a qualquer momento. Confira as nossas dicas para fazer isso:

  • 1) Nunca comente sobre o corpo de outra pessoa: é impossível saber como uma pessoa realmente se sente sobre o corpo dela ou os motivos que a levaram a emagrecer ou a engordar. Para evitar qualquer constrangimento sobre a aparência de alguém que você ama ou que você não conhece, nunca comente sobre o corpo de outras pessoas, mesmo que você acredite que está fazendo um elogio.
  • 2) Consuma o conteúdo de pessoas gordas: a informação é a principal forma de combater o preconceito. Então, se você quer vencer a gordofobia, deve identificar como ela se manifesta na sociedade e quais são os efeitos que ela causa em cada pessoa. Para isso, você deve consumir o conteúdo produzido por pessoas gordas, que falam com propriedade sobre o assunto.
  • 3) Assuma seus erros e peça desculpas: se você fez um comentário sobre o corpo de outra pessoa e ela não gostou, assuma que você errou e peça desculpas por isso. Afinal, se alguém se sentiu ofendido com a sua fala, não importa qual foi a sua intenção. O que você pode fazer é tentar aliviar a sensação negativa que causou demonstrando arrependimento.

A partir do conteúdo que apresentamos, conclui-se que a gordofobia é uma forma de discriminar as pessoas gordas, excluindo-as da sociedade. Felizmente, existem maneiras de combater esse mal. Quanto mais indivíduos se comprometerem com essa tarefa, mais provável que toda a sociedade se sinta bem com o corpo que tem.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br