Saúde Mental

O último mês de 2020

Calendário de Dezembro de 2020
Ma-no / Getty Images
Andrea Pavlo
Escrito por Andrea Pavlo

Finalmente! Chegamos ao último e derradeiro mês desse fatídico ano. Se alguém, lá em janeiro, tivesse me dito que o ano seria assim, eu teria rido uma hora na cara da pessoa, mas não, não teve riso quando uma pandemia foi declarada; ninguém riu vendo o número de mortos e o lockdown mundial. Não houve nenhum som quando todas as bolsas do mundo baixaram. Foi simplesmente terrível.

Todo mundo surtou! To-do-mun-do! E se você está falando agora “eu não surtei”, acredite, você está no pior surto de todos: a negação. Foi o ano em que vimos todos os mecanismos de defesa em ação. O ano que vimos a porca torcer o rabo. O ano mais macabro da história!

Muitos mortos e muitas vítimas, muito medo, pânico e terror. Muito de algo que evitamos a qualquer custo. Evitamos a diversão em bares, já que estavam fechados, evitamos sair para fazer compras. Todas as nossas fugas foram trocadas pelo fato de assistirmos a filmes e lermos livros, como se todo o mundo tivesse voltado ao ano de 1888, quando sair de casa era um evento, uma mistura de filme de zumbi, Jack o Estripador e Sai de Baixo. Uma zona!

Não, ainda não estamos seguros, mas já sabemos o que aconteceu e como. Já sabemos como evitar e a morte iminente não é mais tão certa quanto parecia no começo. Não estamos seguros, mas nunca estivemos mesmo. A proximidade do desconhecido causou caos, mas também aprendizados. Entendemos coisas que levaríamos séculos para entender. Mudamos nossas rotinas e mandamos às favas a burocracia ou o que parecia certo. Responsabilizamo-nos ainda mais por nossos filhos, voltamos a lavar a louça e a fazer bolo e, mesmo com todos esses contrapontos, sonhamos com o futuro.

E vai voltar. Tudo vai voltar. Teremos novamente linhas aéreas ganhando trilhões e pessoas atravessando o mundo para fazer uma reunião, mas faremos isso diferentemente, com uma saudade estranha de nossa casa. A Europa, enquanto escrevo esse texto, volta a fechar e talvez você esteja lendo este artigo enquanto prepara seu Natal em casa, porque fechou também por aqui. Não podemos, no entanto, negar que o que aprendemos neste ano como coletividade dificilmente será superado por qualquer outra coisa.

Você também pode gostar

Sendo assim, feliz último mês do pior ano da história. Tenha um feliz ano novo, em que continuaremos a tentar compreender tudo e sobreviver como sempre fizemos, com a certeza de que não temos controle sobre nada, que nada é para sempre e que o melhor é sempre viver o presente. Afinal, ele é isto: um grande presente! Feliz ano realmente novo!

Sobre o autor

Andrea Pavlo

Andrea Pavlo

Psicoterapeuta holística, taróloga e numeróloga, comecei minhas explorações sobre espiritualidade e autoconhecimento aos 11 anos. Estudei psicologia, publicidade, artes, coaching e outros assuntos de várias outras áreas que passam pelo desenvolvimento humano, usando várias técnicas para ajudar as mulheres a se amarem e alcançarem uma vida de deusa. Mãe da Nina, de quatro patas, gosto de viajar, ler e sempre continuar estudando.

E-mail: [email protected]