Comportamento Espiritualidade

Olimpíadas 2020: Conheça a espiritualidade do Japão

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Tóquio, capital do Japão, irá receber as atenções de todo o mundo em 2020. O país sediará o maior evento esportivo do mundo, as Olimpíadas, que ocorrerá do dia 24 de julho ao dia 9 de agosto. Estima-se que 4,5 milhões de pessoas estarão na capital japonesa para competir em uma ampla variedade de esportes e para torcer por seus países.

Além disso, um fator que diferencia o Japão de outros países que já sediaram o evento é a espiritualidade japonesa, que transparece na arquitetura da cidade, na forma de consumo dos produtos, no comportamento dos nativos e no preparo dos(as) atletas. Os japoneses que são espiritualizados buscam a convivência pacífica e prezam o respeito à tradição.

Diferentemente de como funciona a religião no Brasil, por exemplo, no Japão não é preciso frequentar locais sagrados semanalmente para fazer parte de uma religião. A maioria da sociedade incorpora a busca pela paz e pelo respeito no momento de interagir com as pessoas, de celebrar rituais ou até de se alimentar.

Uma marca da espiritualidade japonesa é compreender o processo por trás de cada produto final e respeitar todo o percurso que um alimento, uma roupa etc. faz até chegar a uma pessoa. Isso significa que, ao comer uma salada de frutas, é preciso pensar que o alimento foi cultivado, tratado e transportado, para só então ser transformado em uma sobremesa.

Ainda que o exemplo seja simples, o respeito pelo processo de produção é o que faz com que os japoneses valorizem muito tudo aquilo que não podemos ver quando um produto já está na loja.

Lindo Santuário Japonês construído por grandes pedras. Na frente da escada do santuário temos quatro torres que simbolizam a santidade japonesa. Ao final da escada que dá acesso ao santuário, uma grande luz ilumina o espaço.
Imagem de Kohji Asakawa por Pixabay

Essa questão também se manifesta na limpeza dos locais sagrados e dos pontos turísticos. Para manter o equilíbrio das energias de um lugar, é preciso que ele seja muito bem preservado. Mesmo nos locais mais afastados dos centros é possível encontrar uma equipe de limpeza fazendo a manutenção dos espaços mais ou menos visitados.

Nas Olimpíadas de 2020, um detalhe importante e brilhante, pelo qual as equipes lutam, traduz a atenção e o cuidado que os japoneses empregam naquilo que produzem. Parte das medalhas serão produzidas com lixo eletrônico coletado a partir de celulares, pilhas e equipamentos eletrônicos sem utilidade. Além de serem sustentáveis, as medalhas contarão uma história.

A espiritualidade no Japão ainda vai além da compreensão dos processos e das estratégias de limpeza e de sustentabilidade. A seguir você vai entender quais são as religiões mais comuns no país e como elas são incorporadas pela sociedade.

Imagem do caminho que dá acesso ao santuário japonês denominado INARI. O caminho é todo feito de madeira nas cores vermelho e preto, fechando o teto e nas laterais.
Imagem de Free-Photos por Pixabay

Religiões mais comuns no Japão

Xintoísmo é o nome da religião que melhor traduz a espiritualidade tradicional japonesa. A palavra varia da expressão “shinto” (“caminho dos deuses”) para falar sobre uma religião que estuda os deuses. As primeiras manifestações xintoístas aconteceram nos séculos VII e VIII e eram consideradas espiritualizadas por incorporarem o culto à natureza, à pureza espiritual e à existência de divindades que controlavam elementos naturais.

Ainda que a religião tenha dado os primeiros indícios de forma precoce, ela ainda não representava uma crença estruturada e unificada. Aos poucos, o xintoísmo passou a ser definido pela crença em deuses e em espíritos, pela busca pelo equilíbrio energético e pela defesa de que as famílias imperiais estruturam a sociedade japonesa.

Outra característica marcante do xintoísmo é a crença de que as pessoas são naturalmente boas e puras. O ideal seria manter a bondade, a pureza e o equilíbrio para toda a vida. A justiça e o bom caráter são características que uma pessoa xintoísta deve ter, tomando como exemplo seus ancestrais espirituais.

Para que uma pessoa seja considerada xintoísta não há necessidade de praticar a religião com frequência. Conhecer os ensinamentos dela ou realizar algum ritual xintoísta já tornam uma pessoa pertencente à religião. Por esse motivo, cerca de 52% da população do Japão é xintoísta.

Existe uma crença popular que diz que uma pessoa japonesa nasce xintoísta e morre budista. Em geral, uma criança é batizada de acordo com os princípios xintoístas, mas cresce incorporando o budismo às práticas da primeira religião.

Imagem de um monge budista fazendo uma sessão de meditação. Ele esta sentado sobre uma montanha de pedras e veste uma túnica amarela.
Imagem de Sasin Tipchai por Pixabay

Cerca de 35% da população japonesa é budista. O budismo é uma religião indiana que foi adotada pelos japoneses para solucionar problemas como o que fazer quando uma pessoa morre e o que acontece com o espírito dela depois disso. O xintoísmo recusa qualquer ligação com a morte e com a violência, deixando de apresentar conceitos como esses.

Além de fornecer uma explicação para o fim da vida, o budismo traz conceitos que se relacionam com o equilíbrio, com o respeito e com a paz do xintoísmo. A compreensão e a misericórdia são incorporados pelos japoneses a partir da religião budista, que também prega a existência de quatro verdades.

Esse conceito das quatro verdades é verificado em um ciclo. A dor faz parte da humanidade (1) e é causada pelos desejos que temos (2). É preciso buscar a libertação dos desejos (3) por meio de uma vida virtuosa, que respeite o caminho óctuplo (4).

O caminho óctuplo baseia-se em um conjunto de regras para lidar com diferentes situações da vida, sejam elas boas ou ruins. As oito virtudes a serem seguidas, dessa forma, são: compreensão correta, pensamento correto, fala correta, ação correta, meio de vida correto, esforço correto, atenção correta e concentração correta.

Seguindo as quatro verdades seria possível alcançar o verdadeiro prazer, que não é obtido a partir da realização dos desejos. A comunidade japonesa, em geral, busca incorporar esses conceitos vivendo de forma minimalista e respeitosa. Quanto menos bens materiais uma pessoa tiver, mais próxima ela estará da pureza e de uma vida sem desejos.

Imagem das lindas montanhas do Tibet cobertas de gelo.
Imagem de Eknbg por Pixabay

Visite o Japão nas Olimpíadas 2020

Se você se interessou pela espiritualidade japonesa e quer conhecê-la de perto, separamos algumas dicas para você aproveitar as Olimpíadas de 2020 para visitar o Japão!

O primeiro passo para garantir uma viagem sem complicações é tirar o visto japonês. O processo é simples e essencial para que você entre no país. Depois compre as passagens de avião, que giram em torno de 6 mil reais, saindo de São Paulo. O voo será exaustivo e o preço das passagens é alto, então certifique-se de que todos os outros passos serão seguidos corretamente!

Para uma viagem sem perrengues, é importante que você providencie uma hospedagem que caiba no seu orçamento. É possível encontrar apartamentos ou hostels em uma faixa de preço que vai de 290 a 800 reais. Os hotéis, por contarem com alimentação e serviço de quarto, podem ultrapassar os 1000 reais.

Imagem de um lindo jardim japonês localizado no centro da cidade. Temos muitas árvores com folhagens na cor vermelha sobre um lindo lago.
Imagem de Adam Derewecki por Pixabay

Se você optar por uma acomodação que não oferece refeições, poderá comprar comidas congeladas em mercados ou escolher algum restaurante. Uma dica essencial: no Japão, todos os produtos frescos (vegetais, frutas e peixes) precisam ser vendidos em um dia. A partir das oito da noite, os preços caem pela metade, para que não haja desperdício.

Para assistir aos jogos você vai precisar de transporte público e de ingressos. Para andar de trem e metrô, dependendo do percurso que você fará, será preciso desembolsar de 10 a 40 reais. No caso dos ingressos, os valores vão de 87 a 4550 reais, dependendo do esporte e do estádio.

Você também pode gostar

É importante deixar um dinheiro de reserva para a sua viagem, para que você ainda possa conhecer pontos turísticos espiritualizados, como a Floresta de Bambus, em Sagano, e o Templo Fushimi Inari-taisha ou para fazer a Rota de Nakasendo, ideal para quem quer se reconectar com o próprio espírito.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]