Energia em Equilíbrio

Praticar consciência plena

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Reuniões, compromissos, datas, cobranças, são tantos os fatores que nos colocam cada vez mais distantes de nós mesmos que esquecemos de entender e cuidar desta máquina produtora que nos tornamos.

Nossa atitudes são exteriorizadas para fins distantes de nossa realização interior e a consciência de si se perde neste caminho.

Mas será possível conhecer melhor si mesmo? Ter consciência daquilo que que se diz e age compreendendo as reações de seu próprio corpo? Sim! Alguns passos específicos e concentração podem nos levar a um estado de consciência plena, em que a relação do corpo e da mente com o comportamento humano se mostra mais intensa e explorada por seu elemento líder: você.

Como chegar à consciência plena

Nem sempre é possível atingir o que se chama de total consciência ou conhecimento de si, porém pequenos passos são capazes de nos fazer viver a vida não só funcionalmente mas também de forma emocional, intensa e prazerosa.

shutterstock_309879674

Viva a experiência

O que os filósofos classificam como o “saber da experiência” consiste em viver as etapas da vida de forma a tirar delas algum conhecimento sem simplesmente passar pelos acontecimentos como capítulos de uma novela que se assiste.

Quando se vive na superfície, torna-se impossível aproveitar todas as sensações que a vida dispõe. Isso significa entender o que se passa, desde as pequenas atitudes até os pequenos resultados.

Por exemplo, trabalhamos e trabalhamos sem pensar, apenas a estabilidade futura importa, os resultados, as obrigações, o dinheiro. E o agora? O que traz? Busque “experenciar” o momento, buscar no presente todos os seus aprendizados e sensações, vá fundo no que parece simples e descobrirá muitos outros caminhos e prazeres.

Enxergue o mundo interior

A mente humana é um imensidão. É imensurável o número de possibilidades que ela pode trazer, a criatividade é capaz de criar objetos, momentos, sensações e pensamentos que, se não captados por momentos de interiorização, passam desapercebidos e nunca mais voltarão.

Uma ótima maneira de captar estas diferentes sensações é fechar os olhos e aproveitar as oportunidades que naturalmente sua cabeça irá gerar. Terá, assim, um conhecimento maior sobre caminhos que nunca trilhou fisicamente mas que pode trilhar mentalmente.

Entenda seu corpo e os sinais que ele dá

Cada piscar, salivar, tremer, arrepiar, cada mover de nosso corpo tem um significado. Buscar entendê-los melhor consequentemente nos faz dominá-los melhor.

Fique atento às manifestações que expressa e atenda suas necessidades. Sempre com equilíbrio, responda de forma positiva. A fome, o sono, o cansaço, são como pedidos e compreender tais pedidos para supri-los da melhor forma faz parte da consciência plena.

Aceite-se

Não adianta negar certas circunstâncias a fim de se encaixar em padrões ou cobranças externas. Um dos primeiros passos para se conhecer é se aceitar.

Não permita que fatores externos te diminuam ou te façam sentir-se menor. Conheça seus defeitos e qualidades a aprenda a trabalhar com eles de forma inteligente.

Seja realista

Impor planos e metas mirabolantes pode parecer interessante e desafiador, entretanto é necessário pensar em suas consequências. A não realização de tarefas pela presença de pedras muito grandes no caminho pode ser muito decepcionante e trazer desmotivação. Uma boa alternativa é optar por caminhos mais realistas, mais simples e conscientes que te prestigiem com resultados menores, porém mais frequentes e satisfatórios.

Dentre outras simples mudanças, escutar e contribuir com o que seu corpo manifesta é capaz de trazer uma vida de sensações mais plenas e bem aproveitadas.


  • Escrito por Julia Zayas da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]