Doutrina Espírita Espiritualidade

Prece: Qual o objetivo da prece? O que estamos buscando nesses momentos

Maristela Santos
Escrito por Maristela Santos

“Seja o que for que peçais na prece, crede que o obtereis, e vos será concedido.”

(Marcos, XI:24)

– E, mesmo com todas as promessas de Jesus, ainda questionamos:

– Será que Deus atende mesmo a todas as orações?

– Seremos os filhos que acreditam em um Pai parcial, em que atende uns e não atende aos pedidos de outros?

– Mas… o que temos pedido ao Pai? Já aprendemos a pedir?

Será que estamos, no momento da prece, negociando com Deus e tentando modificar o curso daquilo que nos desagrada em nossa existência?

Muitas vezes, nos colocamos em prece na posição daquele que vai ensinar Deus a ser Deus. Muitas vezes ordenando o Pai ou fazendo ameaças de abandono ao seu coração caso não sejamos atendidos, assim como o filho pródigo, exigindo seu quinhão antes da hora certa, que somente o Pai conhece.

O que acontece é que ainda não aprendemos reconhecer que o Pai nos responde sempre, embora nem sempre da forma que desejamos, caprichosamente, mas sempre com o que há de melhor para o nosso bem.

É importante refletirmos bem na assertiva que o Mestre Jesus nos ensinou: “Pai, seja feita a vossa vontade”.

“A prece, em verdade, nada pode mudar às leis imutáveis; ela não poderia de maneira alguma, mudar os nossos destinos; seu papel é proporcionar-nos socorro e luzes que nos tornem mais fácil o cumprimento da nossa tarefa terrestre. A prece fervente abre de par em par, as portas da alma e, por essas aberturas, os raios de força, as irradiações do foco eterno nos penetram e nos vivificam.”

(O Grande Enigma – Léon Denis)

Existe um modelo de prece?

“Se eu não entender o que significam as palavras, serei bárbaro para aquele quem falo, e aquele que me fala será bárbaro para mim. Seu orar em uma língua que não entendo, meu coração ora, mas o meu entendimento fica sem fruto…”

(Paulo, Coríntios I, cap. XIV :11,14)

A prece não tem um modelo, como uma receita de bolo, mas, sim, qualidades. Uma qualidade essencial da prece, segundo São Paulo, é ser compreensível para que possa falar ao nosso coração. Portanto, precisamos buscar na prece o momento supremo em que nos colocamos para conversar humildemente com o nosso Pai, falando de nossas dificuldades, conflitos e frustrações e, para isso, precisamos saber organizar os nossos pensamentos, que muitas vezes se apresentam confusos, embaralhados pelas dúvidas e muitas vezes sem o mínimo de reflexão sobre o que realmente estamos buscando.

Como podemos ser atendidos e ajudados se nós mesmos não sabemos o que queremos? Precisamos refletir sobre o que realmente estamos querendo, sentindo e não apenas falando.

Qual o objetivo da prece?

“A prece é um ato de adoração. Orar a Deus é pensar nele; é aproximar-se dele; é pôr-se em comunicação com ele. A três coisas podemos propor-nos por meio da prece: louvar, pedir, agradecer. ”

L.E- Q: 659

A prece, portanto, não se constitui apenas de pedidos e mais pedidos. A prece também é louvor e agradecimentos, que quase sempre esquecemos. Não obstante, sabemos que na realidade temos bem mais a louvar e agradecer a Deus que a pedir.

A prece é, antes de tudo, o momento mais íntimo e sublime de um filho e seu Pai, Deus. É o extravasamento de todo o amor que lateja dentro de nós e de uma imensa saudade. Estar em prece é estar com o nosso pensamento direcionado para o Alto, comparado a uma flor estelar, com a mente receptiva às mais elevadas inspirações que nos chegam docemente, nos guiando e orientando sobre os nossos planos de vida eterna, rumo ao Pai.

Jesus nos ensinou que todas as vezes que solicitarmos na prece as bênçãos de Deus, a fim de compreendermos a sua vontade justa e sábia ao nosso respeito, receberemos pela oração os bens divinos do consolo e da paz.

É por isso que, quando o nosso coração está em prece, somos revigorados em nossas forças, energias e esperanças em dias melhores.

“Pai nosso… Seja feita a vossa vontade…”


Bibliografia:

Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. XXVII – Pedi e Obtereis. Allan Kardec
Livro dos Espíritos, perguntas 658 a 666. Allan Kardec
O Grande Enigma – Léon Denis

Sobre o autor

Maristela Santos

Maristela Santos

Maristela Santos é expositora da Doutrina Espírita. Em 1984, iniciou seus estudos e trabalhos no Centro Espírita Léon Denis (CELD). Atualmente, é vinculada ao Lar de Tereza, também no Rio de Janeiro. Em 2016, realizou palestras em 7 cidades japonesas a convite da ADE - JAPÃO.

Contatos:

E-mail: [email protected]
Youtube: Canal Maristela Santos
Facebook: Maristela Santos