Espiritualidade

Prolongando o sofrimento

Homem em frente ao mar olhando para o lado
Lukas Rychvalsky/Pexels
Escrito por Nilton C. Moreira

É normal sem querer prolongarmos o sofrimento do doente que está agonizando, pois ao vermos a piora dele passamos a lastimar veementemente a separação que se aproxima, chorando, nos desesperando, rogando a Deus que não o leve, pedindo ao médico que se empenhe em salvá-lo, fazendo correntes de pensamento pela cura, e isso faz com que forneçamos ao natural um pouco de nossa energia para o moribundo. É semelhante a termos uma pilha fraca e colocarmos uma nova junto dessa para ligar uma lanterna, e no caso a lanterna significa o organismo da pessoa, havendo portanto uma diferença de potencial, e a pilha que estava fraca recebe uma injeção, ficando com a carga equilibrada com a que fora colocada nova, e o espírito/alma que está prestes a abandonar o corpo material permanece ainda mais um pouco em razão desse tônus fornecido pelos familiares e amigos que se acercam ou se sintonizam mentalmente com o doente.

Mas os Benfeitores espirituais quando notam que chegou mesmo o momento de tal pessoa que está agonizante de ir adicionam uma determinada quantidade de tônus vital nela, possibilitando assim uma reação momentânea. Com isso, os familiares notando a melhora resolvem se afastar do local, o que possibilita que logo a seguir seja pelos mentores cortado o elo que ligava o corpo material ao espiritual, e a morte física acontece. É a chamada “melhora para morrer”.

Homem olhando através da janela
Demeter Attila/Pexels

Por isso que as preces são importantes nos casos em que ainda não chegou a hora do desencarne, pois nunca sabemos quando determinada moléstia será a causadora da morte física, e sendo assim as orações se tornam energias que manipuladas pelos Benfeitores são canalizadas ao doente como tônus vital, agindo no organismo debilitado.

É certo que nas situações em que de fato está programado o passamento de determinada pessoa em razão de ferimento recebido ou moléstia contraída as preces só servirão para que haja uma mobilização pelos Mensageiros de Jesus no sentido de assistir e ajudar na minimização das dores físicas do doente e do sofrimento mental das pessoas que o querem bem.

Pessoas dotadas de vidência conseguem ver perfeitamente com os olhos da alma toda a atividade dos Benfeitores no atendimento aos doentes, seja em sua residência, seja em hospitais.

Na literatura encontramos explicações vastas a respeito de doentes que estão em fase terminal e que por ocasião de estarem dormindo ou sedados são levados à beira-mar para receberem energias reconfortantes ou orientações a respeito do desencarne que

Você também pode gostar

se aproxima. Alguns vão até visitar o hospital no plano espiritual, para onde irão após o passamento, isto para que tenham um desencarne sem traumas, ou seja, uma “morte serena”, como muitos dizem.

Tenhamos a certeza de que nos acompanham sempre Benfeitores no momento do passamento. Ninguém está só.

Sobre o autor

Nilton C. Moreira

Policial Civil, natural de Pelotas, nascido em 20 de maio de 1952, com formação em Eletrônica, residente em Redentora (RS), religião Espírita, casado.
Email: cristaldafonte@gmail.com
Facebook: /Nilton-C-Moreira