Autoconhecimento

Psicopimenta: O tempero terapêutico que arde um pouco, mas é bom demais!

Enjoying her fresh coffee. Beautiful young woman drinking coffee and looking through window while sitting at windowsill at home

Esta semana comemoro os 35 anos de separação de meus pais. Ah, vamos incluir nas festividades os 8 anos da falência de minha loja, que carrego comigo a cada manhã em que abro os olhos.

O quê? Você não acha um bom motivo para se comemorar?

Sentiu certo ar de rancor ou de sarcasmo?

Veja bem, entra ano e sai ano, entra uma nova terapia e sai a tal terapia, entra curso e sai curso e eu ainda carrego um monte de lembranças de situações que me geram mágoa, raiva e um lote de outros sentimentos angustiantes em meu peito.

É verdade que tais angústias diminuíram ao longo do tempo, mas volta e meia ressurgem para me assombrar. E haja assombração dentro de mim!

Mas tudo isto veio à tona graças a uma percepção que quero compartilhar hoje com você.

Conversando com uma amiga no auge de seus 65 anos de idade, ela lembrou-se de quando passou no vestibular da USP, em meados dos anos de 1960.

Me contou como seus pais nunca a valorizavam (eu sei, eu sei, tudo é culpa dos pais…) e somente quando ela entrou na faculdade é que eles ficaram felizes e quiseram dar uma festa para comemorar.

“NÃO!” bradou a colega, com tanta ênfase enquanto narrava sua história que todos os que estavam à nossa volta no café voltaram seus olhos em nossa direção, imaginando qual deveria ser o grau de indecência que eu havia proposto a ela.

“Agora eu não quero festa nenhuma!” orgulhou-se ao recordar. Mas foi aí que algo mágico aconteceu. Pude ver claramente a energia da raiva e do ressentimento estampadas em seu rosto e em suas palavras.

E isto foi há 50 anos! Já podemos comemorar as BODAS DE OURO desta raiva! Uau!

Esta festa eu não posso perder! E você, querido amigo enraivecido?

Quais são suas raivas? Nenhuma! Ora, lembre-se de algum fato antigo e veja como se sente.

Calma, não quero que eu ou você venhamos a virar monges tibetanos com controle total e absoluto das emoções. Podemos nos lembrar de fatos desagradáveis e ficarmos incomodados, é claro, porém, quando nos lembramos de algo ruim e damos uma boa risada disso, é sinal de que a energia ruim já se dissipou.

Ouvir a história dela e ver a insanidade de tudo isto me fez despertar para o fato de que eu também estou levando em minha bagagem de vida muita tranqueira e pesos inúteis que, por vezes, me fazem parar na vida ou querer largar coisas boas que me aparecem.

O que importa não é o fato em si, mas sim a historinha com a qual nos identificamos.

Portanto, minha proposta desta semana é o seguinte exercício de percepção:

O que você leva dentro de si que dá para comemorarmos ainda nos dias de hoje?

Woman Working Laptop Technology Writing Workplace Concept

E o mais importante: o que você acha que não precisa mais levar consigo, que não mereça tanta festa ou atenção assim?

Perceber isto já é o primeiro passo para largar o passado, seja ele qual for.

Este é um exercício de desapego.

Desapego das histórias que justificam o presente e as dores às quais levamos. Exercitar isto é sair da zona de conforto, que volta e meia nos é tão desconfortável, à medida que revivemos as histórias que acreditamos serem ruins e que tanto nos angustiam.

Fico por aqui e quem sabe podemos dar adeus a tantas e tantas bodas que ainda estão para serem celebradas!

Um grande beijo no coração.

Sobre o autor

Dinâmica do Ser - Luis Cesar Pereira

Dinâmica do Ser - Luis Cesar Pereira

Luis Cesar Pereira, palestrante, fundador do Espaço Dinâmica do Ser, Terapia & Desenvolvimento Pessoal e autor de livros pela Editora Vida & Consciência (pelo pseudônimo literário de André Ariel). No ano de 2.006, após um período de 18 anos consecutivos na posição de paciente/cliente dentro da psicologia tradicional, ingressou no mundo terapêutico como profissional, participando de formações, MBA em Gestão de Pessoas, pós graduação em Psicologia Psicossomática, cursos e treinamentos diversos na área, procurando formas de diminuir o tempo do processo terapêutico, aumentando sua eficácia. Aproveitando a experiência de 10 anos no mundo das organizações, trabalhando em multinacionais como gestor e outros 9 anos como empresário no setor de varejo, começou o projeto que tem como missão elevar a qualidade de vida das pessoas, através da transformação da maneira como elas percebem o mundo, a si próprias e, principalmente, fornecer ferramentas para que possam atingir estes objetivos, de forma pontual, rápida e assertiva.

Contatos:

Site: dinamicadoser.com.br
E-mail: [email protected]
Telefone: (11) 3467-0950
Celular: (11) 9.8099-8000 (whatsapp)