Autoconhecimento

O grande ensinamento por trás de “Sociedade dos Poetas Mortos”

Capa do filme Sociedade dos Poetas Mortos, com o professor protagonista, John Keating, sendo carregado por seus alunos.
Divulgação / Walt Disney Studios
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Com um nome fúnebre e ao mesmo tempo espirituoso, “Sociedade dos Poetas Mortos” foi lançado em 1990. O longa-metragem foi dirigido por Peter Weir e apresenta no elenco nomes como Robin Williams, Todd Anderson, Neil Perry e Knox T. Overstreet. Entre os prêmios que o filme recebeu estão o Oscar de Melhor Roteiro Original e o Prêmio BAFTA de Cinema de Melhor Filme.

O enredo mostra como um professor de inglês, John Keating, transforma o ato de ensinar em uma aventura. Em uma escola preparatória para meninos, ele tem a função de despertar nos estudantes adolescentes o que há de melhor neles. Para isso, o professor utiliza métodos diferentes e inusitados, que conquistam a atenção, a admiração e o respeito dos alunos.

O trabalho de Keating é essencial na escola, porque os estudantes sofrem uma intensa pressão dos familiares para ter um futuro promissor e brilhante. Mesmo jovens, eles precisam seguir os sonhos dos pais e definir a imagem que terão perante a sociedade. Porém, com os conceitos ensinados por Keating, eles descobrem a poesia, a liberdade e a necessidade de aproveitar cada dia.

Professor protagonista do filme, John Keating, em pé sobre uma mesa em uma sala de aula, conversando com seus alunos.
Divulgação / Walt Disney Studios

Analisando apenas a sinopse de “Sociedade dos Poetas Mortos”, já é possível identificar que o filme pode servir como uma inspiração e como uma motivação para muitas pessoas. Porém existem interpretações e significados que vão ainda além disso. A seguir, aprenda mais sobre essa produção e surpreenda-se!

Qual é a mensagem do filme “Sociedade dos Poetas Mortos”?

A mensagem mais marcante do filme “Sociedade dos Poetas Mortos” pode não ser tão explícita para quem assiste ao longa apenas uma vez. Em uma análise rápida, uma pessoa imaginaria que o filme aborda a importância de se dedicar aos próprios sonhos e aproveitar a vida o máximo possível.

Ainda que esses dois conceitos estejam presentes na maior parte da produção, há uma interpretação mais profunda. A partir da arte, presente na forma da Literatura, o professor Keating ensinou aos alunos a importância de desenvolver uma visão crítica sobre o mundo e de questionar aqueles que são considerados os donos de todo o conhecimento.

Essa mensagem se torna ainda mais evidente com os métodos de ensino do professor. Em vez de seguir as regras da escola e respeitar as autoridades que estão acima dele, Keating inventa novas maneiras de ensinar, subverte o sistema e traz frescor ao aprendizado. Ele não se coloca como detentor da razão, ele estimula os alunos a questionarem o que está ensinando.

Outro ponto do filme que reforça essa interpretação é a Sociedade dos Poetas Mortos em si. Depois que os estudantes descobrem que podem se reunir em um lugar secreto para ler poesia, eles começam até mesmo a faltar às aulas para fazer isso. Eles entendem que é possível aprender sobre o mundo por meio da arte e que a educação tradicional não é a única fonte de conhecimento sobre a realidade.

Assim eles se tornam capazes de pensar sozinhos, de exercitar o pensamento crítico sobre a sociedade e de seguir a própria vida, ignorando a pressão dos familiares e, consequentemente, da comunidade. É uma forma inovadora de entender a educação e a Literatura, que até então era vista como algo maçante e sem utilidade para os estudantes, que se transformaram.

Qual o significado de “carpe diem”?

Em muitas passagens do filme, os personagens repetem o que o professor lhes ensinou, a partir de um poema de Walt Whitman. No texto, há a frase “seize the day”, que significa “aproveite o dia”. Esse pensamento é como um lema, que tem origem no latim “carpe diem”, que tem a mesma tradução.

Tanto no filme quanto na expressão abordada anteriormente, o que realmente importa é viver o momento presente, sem se preocupar com o futuro, aproveitando o “aqui e agora”. Essa maneira de pensar promete trazer mais leveza, prazer e momentos felizes para a vida de uma pessoa.

Buscar a felicidade somente para o futuro, algo incerto, não poderia tornar uma pessoa feliz no presente. Da mesma forma, desejar que o passado volte só trará insatisfação e tristeza. Isso não significa que é proibido fazer planos para o futuro, ou que não podemos sentir saudade do que passou, mas devemos manter o foco no presente.

Alunos do professor John Keating em uma sala de aula, em pé sobre as mesas de estudo.
Divulgação / Walt Disney Studios

As frases mais marcantes de “Sociedade dos Poetas Mortos”

Para você se motivar ainda mais a assistir ao filme, selecionamos as frases mais marcantes da obra. Veja como elas podem ser interpretadas!

1) “Eu fui à floresta porque queria viver livre. Eu queria viver profundamente e sugar a própria essência da vida… expurgar tudo o que não fosse vida; e não descobrir, ao morrer, que não havia vivido”.

A necessidade de aproveitar a vida ao máximo é uma das principais mensagens do filme, e ela se torna ainda mais evidente com esta passagem. A pior consequência de não viver o momento, de pensar apenas no futuro ou no passado, é que corremos o risco de chegar ao final da vida e nunca ter experimentado a verdadeira felicidade.

2) “Carpe diem. Aproveitem o dia, meninos. Façam as suas vidas serem extraordinárias”.

Incorporar a ideia de “carpe diem” no cotidiano é o que nos fará ter certeza de que nossa vida está sendo bem aproveitada. Só é possível obter satisfação, felicidade e boas lembranças se formos capazes de observar tudo que a vida pode nos oferecer no presente e como podemos transformá-la em algo ainda melhor conforme o tempo passa.

Quadro com os dizeres 'carpe diem' pendurado em parede amarela.
Thirdman / Pexels

3) “Você precisa se esforçar para encontrar a sua voz, porque, quanto mais tempo você demorar para fazer isso, menor será a sua chance de encontrá-la”.

Encontrar a própria voz é, em outras palavras, desenvolver um pensamento crítico sobre o mundo. Ao longo do filme, uma das principais mensagens é a importância de questionar as autoridades e posicionar-se contra o que parece inadequado. E é fundamental fazer isso o mais rápido possível, para que os padrões da sociedade não tomem conta de nossos pensamentos.

4) “Nós não lemos e escrevemos poesia porque é fofo. Nós fazemos isso porque somos humanos. E os humanos são cheios de paixão. Medicina, Direito, Negócios e Engenharia são atividades nobres e necessárias para sustentar a vida. Mas poesia, beleza, romance e amor são os motivos pelos quais vivemos.”

Você também pode gostar

Muitas pessoas subestimam a importância da arte e da poesia para a fruição da vida. Acreditam que é mais importante focar uma carreira tradicional e não abrem espaço para o lirismo e para os sentimentos. Em “Sociedade dos Poetas Mortos”, esse pensamento é transformado e subvertido. Ainda que seja importante ter uma profissão, ela não é o motivo pelo qual vivemos.

5) “Não importa o que qualquer pessoa diga a você. Palavras e ideias podem mudar o mundo”.

Como mudar o mundo? Esse é um questionamento que toma conta da mente de muitas pessoas. Embora seja essencial tomar atitudes pelo mundo, a disseminação de palavras e ideias é uma das maneiras pelas quais faremos isso. Então nunca podemos ignorar o valor da Literatura para a transformação da sociedade, como prega o filme.

“Sociedade dos Poetas Mortos” pode ser visto por pessoas de todas as idades. Com lições para adolescentes, adultos, estudantes e professores, o longa-metragem cumpre o papel de enviar uma mensagem positiva e transformadora sobre a educação. Aproveite o dia e assista a esse filme que trará mais motivação e força de vontade para a sua vida!

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para colunistas@eusemfronteiras.com.br