Autoconhecimento

Quem são os seus heróis?

Silhueta de uma mulher com capa de super-heroína em frente ao pôr do sol.
123RF/Shao-Chun Wang
Rodrigo Guedes
Escrito por Rodrigo Guedes

Poderia enumerar aqui alguns heróis que me inspiraram na infância/adolescência e, até os dias atuais, contribuem com a construção deste que vos fala. O que mais me chama atenção em todos eles? Simples: abnegação, honra, entrega pelo propósito, viver e morrer pelos seus, amor por uma causa, dentre tantas outras características.

Lembro-me que os meus olhos brilhavam quando via Seiya de Pégaso se levantar pela milésima vez, para enfrentar um inimigo milhões de vezes mais forte que ele.

O que o fortalecia?

O que o fazia levantar depois de ser atingido tantas vezes?

A certeza de que a sua missão era nobre; de que ele era o último muro entre o mal e milhares de inocentes; de que o seu amor pela causa era maior que qualquer dificuldade no caminho.

Imagem do super-herói Seiya de Pégaso, da série Cavaleiros do Zodíaco
Reprodução

Lembrando-me de todas essas estórias fantásticas, de como esses heróis inspiraram gerações, fico cada dia mais convicto que estamos nos perdendo. Sim, estamos nos perdendo quando elegemos como nossos heróis, como nossos símbolos, pessoas que, de um lado, não demonstram qualquer aptidão para o exercício daquelas atividades que lhes foram confiadas e, de outro, solaparam a confiança popular através da corrupção e da roubalheira.

Sim, ainda que eles sejam ficcionais, prefiro designar como mitos, como exemplos, como estandartes da honra e da verdade, os heróis que me dão bons exemplos, que me trazem boas mensagens.

Você também pode gostar

Prefiro eles, mil vezes eles, àquelas figuras públicas, sejam elas gregas ou troianas, que diuturnamente propagam discursos de ódio, tirania e demagogia – e, ainda assim, são mitos e heróis para muitos.

Em verdade, penso que não precisamos nem ir tão longe. Poderíamos deixar Seiya, Vegeta, Superman, dentre tantos outros, nas suas respectivas estórias.

Bombeiro apontando para a frente em meio a um cenário de incêndio.
Pixabay

Temos heróis dentro das nossas casas, das nossas repartições públicas, dos ambientes policiais, dos estabelecimentos médicos, em tantos lugares, mas, ainda assim, insistimos em ver salvadores onde, de fato, não existem.

Apenas uma reflexão!

Sobre o autor

Rodrigo Guedes

Rodrigo Guedes

Psicoterapeuta transpessoal sistêmico formado e pós-graduado. Graduado em direito, servidor público efetivo, assessor jurídico e palestrante. Sou um grande entusiasta da arte de tocar almas com a fala e verdadeiramente apaixonado pela espiritualidade. Dedico-me constantemente ao aprendizado de ferramentas terapêuticas inovadoras, sem esquecer de reverenciar as práticas milenares. Sou constelador sistêmico transpessoal, constelador familiar, terapeuta de regressão, terapeuta energético (reikiano nas linhas Usui, tibetana e xamânica), habilitado em programação neurolinguística (PNL), iridólogo e terapeuta floral.

Desejo profundamente que as minhas palavras, a minha voz, a minha alma possam levar um pouco de alento, paz e significado para você.

Sites: www.rodrigoguedesoficial.com // www.ficarprospero.com
E-mail: [email protected]