Autoconhecimento Comportamento

A face oculta da desvalorização.

Male colleagues pointing fingers at upset female boss on meeting, tired sad woman leader experiencing gender discrimination at work, businessmen blaming bullying depressed businesswoman for mistake
Falar sobre sentimentos e emoções nem sempre é fácil; expressar o que sentimos em relação a outras pessoas ou sobre diferentes situações e ambientes em muitos casos é um desafio, porque nos coloca em contato com a vulnerabilidade. Se isso é difícil para nós, é muito mais difícil falar sobre o que sentimos em relação ao que somos, à figura da mulher.

Todos nós, sem exceção, temos sentimentos negativos, mas quando falamos da mulher, em contexto individual e coletivo, predomina um sentimento negativo que nós mantemos na sombra, tão oculto que nem percebemos que ele mora conosco. Estamos falando da desvalorização. Esta é uma das feridas emocionais mais antigas e profundas da mulher, por isso é tão difícil identificá-la.

Você se vê refletida nela? Uma percentagem muito alta de mulheres não se vê.

Então o que é desvalorização e por que é tão difícil vê-la?

Culturalmente entende-se que é a perda de valor. A questão cá é que todas nós acreditamos que nos valorizamos, que sabemos que somos importantes e que destacamos nossas qualidades, mas a realidade difere muito do que achamos. Valorizamo-nos a nível social, trabalho, família, em nosso desempenho e capacidade de estar para os outros, de cuidar deles… Reflita: onde está você cá no meio desta situação?

Valorizar-se não é apenas destacar as qualidades e aptidões em relação ao outro ou as habilidades e estratégias de rotina que você criou para fazer a engrenagem funcionar. Valorizar-se é aprender a cuidar de si e compreender que você é fundamental em sua vida; é compreender que você merece tempo, descanso, respeito, atenção, mas não pretendendo que os outros lhe proporcionem, senão você própria é a responsável por esta situação.

Valorizar-se é ainda mais profundo, então por que não colocamos na prática?

Nascemos com a ferida da desvalorização; a herdamos de nossa mãe e da linha de mulheres que nos precedem no tempo. Com essa ferida, nos desenvolvemos no útero e também com a frequência de pensamento e de informações emocionais e genéticas da desvalorização. Em outras palavras, de um conjunto de sentimentos que nos levam a ancorar-nos nessa ferida; esse conjunto de sentimentos inclui a falta de capacidade, a inferioridade, a falta de autoestima, a falta de amor… Essa raiz se torna tão profunda que não percebemos que fomos educadas para continuar vivendo na expectativa de que outros destaquem o valor por nosso desempenho, então passamos os anos acreditando que isso é “normal” e que outros nos dão o valor de que precisamos para nos sentirmos bem e realizadas.

Sem percebermos isso, nos tornamos submissas às circunstâncias, a uma ferida emocional e à sua consequência.

Mas qual é sua consequência?

Criamos uma maneira de ser, estar, sentir e agir com base na desvalorização e na expectativa de que alguém nos diga: “Você é valiosa”, “você é muito importante para mim”. Expectativa que não se realiza e que não é suficiente quando nos dizem. Por quê?

Porque essa sensação de insatisfação não desaparece simplesmente porque não acreditamos nela, não o sentimos desse modo, porque essa ferida emocional não nos permite ver além e nos amarmos de forma incondicional.

Você também pode gostar de:

Isto faz com que cada vez tentemos mais e com mais força sermos as melhores, perfeitas perante os olhos daqueles a quem pedimos amor. Em vez disso, vivemos assim por tanto tempo que não lembramos que esse amor não estamos a pedir aos outros, mas a nós próprias. Pois ninguém mais do que você, que eu ou que ela pode se dar o valor, a importância e os cuidados que merecemos, porque sua maior responsabilidade na vida é você. Se você não se sente bem e não se cuida, mais ninguém pode fazê-lo por si.

Não nos valorizarmos, esquecermos que estar e sentirmo-nos bem é nossa responsabilidade têm um impacto físico.

Qual e onde é esse impacto?

Em um órgão que é muito mais do que um simples órgão e que marca parte de nossa identidade como mulher: o útero.

Sim, o útero é parte de nossa identidade feminina, esta identidade que se forma não só com sua presença, qualidades físicas e fisiológicas, mas também com a identidade emocional e energética individual de cada mulher. Porque nosso útero tem identidade emocional, energia e sensibilidade. Ele sente fisiologicamente tudo o que, em silêncio, sentimos emocionalmente.

Como afeta no útero toda esta informação de desvalorização?

Altera sua identidade, energia e dana o órgão, criando miomas que simplesmente são o resultado de uma grande ferida de desvalorização, que permitiu que fiquemos submissas num estado de invernação emocional em relação a nós próprias.

É o momento de despertar, de compreender que você é muito mais do que consegue ver e que precisa se reconectar com o seu corpo, os instintos, as suas qualidades e começar a reconhecer a mulher que você é.

Yolanda Castillo

Co-directora da Escuela Integral para el desarrollo humano.

Sobre o autor

Escuela Integral para el desarrollo humano

Escuela Integral para el desarrollo humano

A EIDH é uma escola online, internacional, bilíngue, com um sistema educativo e metodologia própria, que está a um clique de distância de você.

Nasce com o objetivo de implementar um novo sistema educativo em formação profissional e desenvolvimento pessoal.

Como escola nos caracterizam cinco fundamentos: profissionalismo, rigor, experiência, transparência e compromisso. Eles nos permitem atingir os objetivos educativos e nos posicionar em destaque no mercado.

Após uma longa carreira de 18 anos trabalhando em consulta e proporcionando formação e cursos em diferentes áreas da medicina holística e crescimento pessoal, em outubro de 2019 abre suas portas para dar início a uma nova etapa.

Etapa esta na qual hoje mais do que nunca acreditamos na educação como princípio e fundamento de tudo. Confiamos nela como a base dos estudos, como um fundamento constante e necessário em cada uma das etapas vitais de crescimento, desenvolvimento emocional e pessoal. Assim, levamos a educação para várias áreas principais, nas quais fornecemos estudos pioneiros. Para isso, temos as melhores escolas e câmpus formativos com ofertas educacionais adaptadas a cada aluno, revolucionando a educação e o ensino com cada um deles:

- Campus Medicina Natural
- Campus Terapias Integrais EIDH
- Escuela Maternar
- Escuela Despierta Mujer

Como equipe temos o objetivo de proporcionar sempre o melhor conteúdo, com base em investigação, estudo e dedicação.

Roberto Castillo

Confio na capacidade que tem o ser humano para acionar mudanças em sua forma de ser, estar e sentir.
Todos nós, sem exceção alguma, temos qualidades para consegui-lo.​
Porém, o verdadeiro desafio é encontrar o que mudar e como o fazer para obter os benefícios que o indivíduo deseja em seu crescimento pessoal, em sua saúde emocional e bem-estar físico. Este é o meu trabalho: acompanhá-lo na procura da origem dos processos emocionais e fisiológicos, que o impedem de fazer mudanças para atingir seu máximo potencial. Porque o importante não é adormecer o problema ou a situação que o limita, mas sim encontrar a origem emocional para que o indivíduo possa obter os benefícios necessários.
Tudo tem relação com:​
Encontrar a origem
Desbloquear emoções
Ganhar consciência

Eu sou Roberto, naturopata e psicoterapeuta especializado no acompanhamento de processos pessoais relacionados com a saúde e crescimento pessoal. Investigador em neurociências e formador em diferentes câmpus da EIDH.

Com o meu acompanhamento em consultas, desde o ano 2003, ajudei milhares de pessoas em Portugal, Espanha, Suíça e França a superarem obstáculos emocionais, patologias do foro psicoemocional e cognitivo, que as impediam de desfrutar de um bom estado de saúde para atingir objetivos profissionais e pessoais.

Nos últimos oito anos, formei um número enorme de alunos, facilitando o acesso a terapias e técnicas que permitiam a eles se autoajudarem, se descobrirem, trabalharem suas questões emocionais; tudo desde a origem: a emoção.

E tudo isso por meio de terapias que permitem o desenvolvimento da autoconfiança, segurança, força interior e autoconhecimento.

Em resumo, que permita o indivíduo viver de forma consciente. Porque viver o dia a dia de forma consciente possibilita a você decidir de forma responsável e segura. Descobrir-se a cada dia e deixar de “lutar” com limitações e obstáculos psicoemocionais. Gosto de desafios e de trabalhar com pessoas que desejam verdadeiramente encontrar respostas para modificar seu estado atual. Quando se trabalha com algo tão especial e profundo, como a “origem emocional”, em que o profissionalismo e a empatia são fundamentais, é possível conseguir que qualquer um mude sua própria vida.

Yolanda Castillo

Acredito na qualidade “criadora” da mulher como princípio de mudança e transformação, em todos os âmbitos. Todas somos únicas, é por isso que TODAS temos a capacidade de descobrir nossas qualidades. Porém, o verdadeiro desafio é despertar, descobrir quais são suas qualidades, o que deseja criar e cocriar com elas e quais são os passos necessários para atingir seus objetivos pessoais, em qualquer âmbito. Este é o meu trabalho, acompanhar você para que encontre sua “bússola” central e caminhe com firmeza em direção aos seus objetivos: pessoais, emocionais e profissionais.
Porque o que faz a diferença não é se camuflar, mas sim desconstruir as ideias e os preconceitos sobre si mesma para criar sua verdadeira identidade como mulher.

Eu sou Yolanda, terapeuta especializada em saúde feminina integrativa e acompanhamento psicoemocional de maternidade. Formadora, escritora e codiretora da EIDH (Escola Integral para o Desenvolvimento Humano).
Com os meus acompanhamentos e consultas, ajudei um número expressivo de clientes na Espanha, Portugal, Canadá e América Latina a descobrirem padrões de atuação antigos e encontrarem a raiz emocional dos bloqueios que os impediam de atingir seus objetivos. Como formadora, facilito ferramentas-chave de autoajuda e autoconhecimento para que você possa compreender suas raízes como mulher:​

Compreender seu processo pessoal, quebrar antigos padrões, encontrar a raiz emocional, valorizar-se para criar uma nova maneira de ser e estar. ​Gosto de trabalhar com mulheres aventureiras que queiram se arriscar e fazer a diferença. Sou uma mulher empática, e quando trabalho com mulheres comprometidas elas conseguem transformar qualquer aspecto de sua vida.

Contatos:
Email: [email protected]
Site: eidh-escolaintegral.com
Facebook: facebook.com/EIDH.escuelaintegral
Instagram: @escuela.integral_eidh/