Autoconhecimento

Querer x merecer

Trendy female admires nature while standing near tall trees in the park during fall weekend
Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Quantas pessoas não vimos reclamar sobre não merecerem o que receberam? É muito comum lamentarmos sobre os efeitos de uma ocorrência, mas nem sempre analisamos a causa que motivou algo que foi contra a nossa vontade. Muitas vezes, a gente merece sim o que aconteceu, embora não fosse o que a gente realmente queria. O mais difícil é admitir que, apesar de não querer, a culpa foi toda nossa pelo ocorrido, portanto, merecemos sim o que aconteceu.

“Quem planta vento colhe tempestade”

Esse é um ditado que, embora faça parte de um grupo de conhecimento dito como “sabedoria popular”, talvez não tenha outro com uma base científica tão exata. Afinal, nada mais é do que uma metáfora provavelmente acidental para uma das leis de Newton: para toda ação há sempre uma reação de igual intensidade. Ou seja, literalmente nada acontece por acaso. Se o acaso aconteceu, você fez ou deixou de fazer algo que poderia impedir ou estimular um acontecimento que não estava previsto. Por exemplo: você ganhou na loteria, mas só ganhou porque jogou e arriscou. As chances eram mínimas, praticamente iguais a um acaso, porém você fez sua parcela de contribuição para o que queria que acontecesse, logo mereceu ser o vencedor do prêmio.

Girl Browsing Phone Connection Concept

Claro que esse tipo de pensamento, como todos os outros, vale somente para algumas coisas. É uma verdadeira heresia científica querer aplicar com precisão qualquer lei no campo das humanas. Outro exemplo é o crime de estupro e a estupidez de alguns indivíduos em afirmar que alguma pessoa “merece ser estuprada”. O próprio nascimento do movimento internacional da Marcha das Vadias propõe justamente essa culpabilização. Quando uma mulher foi estuprada e um policial afirmou que o crime ocorreu por causa das roupas que ela usava, insinuando que o estupro foi merecido, tal insensatez gerou uma onda de indignação mundial. Qual a culpa de uma criança abandonada pelos pais e que sofre na pele as consequências? Absolutamente nenhuma. Então, é preciso ter muita cautela ao fazer suposições tentando achar um porquê, assim evitando cometer injustiças.

Por fim, vale destacar que muitas vezes a gente literalmente tem o que merece. Mas fazer uma associação automática entre “ter”, “querer” e “merecer” pode fazer com que a gente cometa erros brutais. Todo acontecimento é decorrente de uma soma entre espaço, tempo e indivíduo, quer a gente queira ou não.


Escrito por Diego Rennan da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]