Convivendo

Reflexão sobre documentário: O Verdadeiro Custo / The True Cost (2015)

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Alguns documentários expõem uma dura realidade que nem sempre estamos atentas a ver. Uma delas diz respeito à produção de roupas, principalmente as femininas. Já é possível ver pela quantidade de lojas voltadas para o público feminino o quanto somos cobradas a ter determinadas peças no armário para que estejamos na moda.

Algumas vezes acabamos pagando barato por uma peça que é uma réplica da marca famosa, só para termos no armário. O problema é que sequer imaginamos a exploração que está por trás de uma peça que custa apenas R$10! Não que as grifes que cobram caro por uma peça sejam corretas, mas é preciso começar a refletir sobre a forma como são produzidas as roupas e é isso que mostra o documentário ‘O verdadeiro custo’.

Exploração de mão de obra

No documentário, é possível ver que as roupas fast-fashion podem ser fruto de uma grande exploração de mão de obra. Como é possível pagar produto, funcionário, empresa e ainda lucrar cobrando pouco por uma peça? Obviamente, alguém está deixando de ganhar.

Por isso, nem sempre é bom comprar aquela peça muito baratinha. O documentário mostra alternativas. Sugere que se compre daquele que produz roupas em sua região, da feira. Claro que marcas preocupadas com o material que usam estão surgindo e isso é bom, mas vale dar uma chance para aquela senhora que recicla peças e vende. E isso vale para todo objeto.

Também vale a reflexão sobre quanto realmente precisamos comprar. Se ficar atento aos meios de comunicação, você verá que nunca atingirá um bom índice e que será impossível estar sempre na moda. Isso porque sempre vai surgir uma nova moda, mostrando que você deve comprar novamente!

“Eu não quero que usem nada do que foi produzido pelo nosso sangue.”

A grande reflexão por trás e que vale para a sua vida é pensar primeiro nas peças que estão no seu armário. Você usa todas? Já comprou alguma peça que não usou? Como é a sua relação com as roupas? Será que não há outro sentimento por trás? Quando você compra roupa, está feliz ou querendo se livrar de algum sentimento, como a tristeza?

São algumas reflexões que podemos iniciar. É preciso pensar na produção da roupa. Que tal comprar mais peças de brechó? Se realmente precisar, vale fazer trocas com as amigas, pedir emprestado. Existe essa plataforma (Tem Açúcar) muito boa para pedir coisas emprestadas. Desconfie desse amor em comprar, porque algo pode estar por trás. E quando puder, assista ao documentário!

Imagens: Divulgação


Texto escrito por Angélica Fabiane Weise da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]