Autoconhecimento Comportamento

O retrovisor da vida

Meninha com máquina fotográfica vista pelo retrovisor de um carro
Luiz Guimaraes
Escrito por Luiz Guimaraes

Invariavelmente ao longo dos anos, vamos acumulando fatos, coisas e experiências que vivenciamos a cada dia. Esses arquivos permanecem em nossa mente, o que seria nos dias atuais o Hard Disc do nosso corpo, mais precisamente o nosso perispírito.

No Livro Recordações da Mediunidade, Capítulo 4, Os arquivos da Alma, de Yvone A. Pereira, temos: “(…) ele arquiva em seus refolhos, como que superpostos em camadas vibratórias, todos os acontecimentos, todos os fatos, atos, sensações, e até os pensamentos que tenhamos produzido através das nossas imensas etapas evolutivas”.

Homem de costas caminhando sozinho no meio de uma estrada

Esses registros são marcas das nossas existências e correspondem ao nosso processo evolutivo constante e infinito, já que o Espírito nunca cessa o seu progresso. Servem de “molde” para o nosso corpo físico e, através desse processo, tornar-se-á cada vez mais sutil e depurado das mazelas da alma de acordo com o nosso adiantamento.

Contidos nesse universo de informações, experimentamos emoções por onde trafegam os vários sentimentos vivenciados. No plano terreno, devemos olhar para o retrovisor da vida, unicamente para aquilo que realizamos de bom e salutar não só para nós, mas também para os nossos semelhantes.

Rodovia vista através do retrovisor lateral de um carro

Buscar nesse “espelho” mágoas e ressentimentos de nada servirá e, sim, trará amarguras vividas.

E como diz Deepak Chopra, médico indiano: “Energizamos tudo aquilo que damos atenção”; “A recordação de uma situação estressante, que não passa de um fio de pensamento, libera o mesmo fluxo de hormônios destrutivos que o estresse”.

Temos, ainda no Livro Renovando Atitudes, psicografia de Francisco do Espírito Santo Neto, pelo Espírito Hammed, Capítulo 11: “(…) Olhando para trás, a alma não caminha resoluta e, consequentemente, não se liberta dos grilhões do passado”; “Não guardemos culpa. Optemos pelo melhor, modificando nossa conduta. Reconheçamos o erro e não olhemos para trás, e, sim, para a frente, dando continuidade à nossa tarefa na Terra”.

Mulher de costas sentada no meio de uma estrada com chapéu

Valemo-nos desse arquivo confidencial que atua como uma bússola, para navegarmos na imensidão dos mares da vida. Esse estado de consciência aguça nossos sentidos e nos leva a trilhar caminhos mais seguros e, certamente, nos garante mais equilíbrio nas atitudes que tomamos.

Sabendo das repercussões dos nossos pensamentos e atitudes, devemos atentar para a qualidade das ideias que construímos. Pelo discernimento e bom senso, poderemos avaliar a validade ou não de tudo que pretendemos propagar. Essa análise cotidiana permitirá uma autocrítica de tudo que realizamos e, certamente, obteremos condições de minimizar os equívocos da vida.

Trata-se de um exercício paciente e constante. Jamais seremos exitosos de imediato, sendo necessária a perseverança para obtermos os benefícios que se estenderão para nossos circundantes, considerando a boa psicosfera que criamos. (No retrovisor da vida, olhemos somente para tudo que fizemos de bom e continuemos a viagem…)


Você também pode gostar de outro artigo do autor. Acesse: Nós temos desafios ou problemas?

Sobre o autor

Luiz Guimaraes

Luiz Guimaraes

Sou médico diplomado no ano de 1972, pela Faculdade de Ciências Médicas de Pernambuco. Já era funcionário do Banco do Brasil e em 1977 assumi o cargo de médico no serviço da Instituição. Em 1988, assumi a chefia daquele serviço e em 1996 aposentei-me. Escrevo para o Jornal do Commercio e Diário de Pernambuco (ambos em Recife) sobre a Doutrina Espírita e também sobre nossa conjuntura política. Sou membro efetivo da Academia Pernambucana de Música desde 1998.

Contato:

Telefones: (81) 9 9973 6363 | (81) 9 9290 7030

E-mails: [email protected] | [email protected] | [email protected] | [email protected]