Autoconhecimento Comportamento Convivendo

Saiba reconhecer quando a inveja te pegou

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Inveja: o mal silencioso do mundo

Falar sobre sete pecados capitais é literalmente chover no molhado. Todos temos alguns deles, em maiores proporções de pessoa para pessoa. “Eu sou guloso”, “eu tenho ira”, “o meu problema é a preguiça” e etc. são afirmações que os indivíduos admitem abertamente em sociedade. Não é algo bom, mas se vermos como crimes provavelmente ninguém ficará impune, afinal todos têm um pouquinho de fome além da vontade, raiva, preguiça para levantar de manhã e etc. Mas, e a inveja, alguém admite realmente ser invejoso?

É unânime que a inveja existe na sociedade, aliás, quem não conhece as tais “pessoas invejosas”? Rapidamente nos vem à cabeça mais de um nome daqueles que cobiçam o que outras pessoas possuem. Aliás, a diferença entre cobiça e inveja é que o primeiro se refere aos indivíduos que querem ter coisas iguais aos outros, enquanto no caso da inveja há o desejo de tomar o que o outro tem. Vendo por esta ótica, a cobiça pode até ser usada como mecanismo de ambição e luta para a conquista de objetivos. Não é o caso da inveja, que até mesmo tem um lado cruel, afinal há o prazer em ter aquilo que é almejado e também na outra pessoa não ter mais.

Mas se a gente conhece pessoas invejosas, em contrapartida não creio que o número seja proporcional ao número de indivíduos que se autoidentificam como invejosos. Conhecemos muitos que possuem a inveja dentro de si, mas poucos, talvez ninguém, que admita sofrer desse mal.

A melhor maneira de não ser invejado é ter as suas riquezas dentro de você.
O problema da inveja, em primeiro lugar, reside nesse aspecto de ser um sinal de inferioridade e das pessoas não admitirem aos outros e nem para elas mesmas que são invejosas. Se você não reconhece a existência do problema, logo não poderá aprender a lidar com ele.

Alguns acreditam que pés de pimenta, sal grosso ou espelhos podem ajudar a afastar o famoso olho gordo. Embora não haja unanimidade quanto à eficácia desses métodos, quase todos nós conseguimos sentir que a inveja alheia pode nos prejudicar, portanto, a melhor maneira de combater a inveja é, primeiramente, não esbanjar e também controlar os nossos pensamentos. Não se atenha ao que os outros possuem, mas valorize o que é seu. Fale o quanto menos e se exponha o mínimo possível nas redes sociais. 


Escrito por Diego Rennan da equipe Eu Sem Fronteiras

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]