Nutrição

Starch: O sexto sabor

Eu Sem Fronteiras
Escrito por Eu Sem Fronteiras

Quantos sabores você sente ao longo dia? Pare para tentar contabilizar, desde o café da manhã até aquele lanchinho antes de dormir. É café, suco, pão com manteiga, queijos, geleias, arroz, feijão, carne, frango, massa, bolo, saladas, frutas… Parece muita coisa para apenas definir entre doce, salgado, amargo ou azedo, não é? Pois saiba que os cientistas também acham isso e depois de muitas pesquisas, eles conseguiram finalmente descobrir o starch, conhecido como sexto sabor. O quinto fica por conta do umami, também recentemente descoberto e pouco conhecido.

O umami é uma palavra japonesa que significa “gosto saboroso e agradável”, o sabor é definido como algo delicioso. Por ser um conceito relativo, é um sabor que os cientistas ainda têm uma certa dificuldade em explicar e difundir entre as pessoas. Mas dizem que seria o sabor que o leite materno traz para os bebês, pois é o único alimento de que precisam e tem conhecimento. Mais tarde, durante a vida, teríamos essa sensação com alimentos ricos em glutamato monossódico como tomates, carnes em geral, queijos fortes e shoyu.

Já o Starch é a mais recente descoberta e é o nome que se dá para o sabor que sentimos ao comermos carboidratos em geral, pois seria o sabor específico de comidas que contenham amido. Pães, batata, arroz, massas e aveia seriam os principais alimentos que nos dão a sensação de starch na boca. A descoberta pode ser considerada tardia porque o amido, em contato com a saliva, faz com que o nosso cérebro se confunda e sinta um sabor adocicado.

Para descobrir esse sabor, um estudo foi realizado com diversos voluntários que se propuseram a experimentar diferentes tipos de amido após a ingestão de substâncias que bloqueavam o açúcar no paladar. Os caucasianos relacionaram o sabor com as massas, os asiáticos ao arroz e alguns ao amido diretamente.

Após estas recentes descobertas, os cientistas já afirmaram que não pretendem parar e que os sabores que conhecemos tendem a aumentar cada vez mais. No momento são trabalhadas as questões do gosto metálico do sangue, o gosto de cálcio e também o de comidas gordurosas. Dessa forma, teremos uma nomenclatura cada vez mais específica para um paladar tão variado perante uma gama infinita de sabores.


  • Texto escrito por Roberta Lopes da Equipe Eu Sem Fronteiras.

Sobre o autor

Eu Sem Fronteiras

Eu Sem Fronteiras

O Eu Sem Fronteiras conta com uma equipe de jornalistas e profissionais de comunicação empenhados em trazer sempre informações atualizadas. Aqui você não encontrará textos copiados de outros sites. Nossa proposta é a de propagar o bem sempre, respeitando os direitos alheios.

"O que a gente não quer para nós, não desejamos aos outros"

Sejam Bem-vindos!

Torne-se também um colunista. Envie um e-mail para [email protected]